*

*

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Um filme sobre circo

Com sete anos de idade, comecei a assistir filmes. Como mantenho até hoje a prática de fazer cadernos de filmes, posso lembrar que o 19º filme visto, então com 10 anos de idade, em 1958, no Cine Íris, uma das quatro salas de cinema existentes na época em Feira de Santana - as outras eram Madrid, Plaza e Santanópólis - foi "A Morte Ronda o Espetáculo" (Ring of Fear), de James Edward Grant, 1954.
Trata-se de um drama de mistério passado em um circo (de Clyde Beatty, que faz seu próprio papel de dono). Na ação, um maníaco homicida (Sean McClory) se integra ao ambiente do circo e provoca uma série de acidentes para arruinar o espetáculo. É quando é chamado um escritor policial (o autor de romances policiais Mickey Spillane como um detetive) para solucionar o caso, que tem como alvo uma bela trapezista (Marian Carr).
Tenho o filme em minha coleção de DVD. Foi lançado pela Paramount, com o nome de "O Circo do Medo". Com o exemplar em mão, a descoberta de que foi produzido por John Wayne para a sua Batjac Production Company. Que além de James Edward Grant, também roteirista, William A. Wellman foi co-diretor. Que o ator Paul Fix foi um dos roteiristas. O escritor Mickey Spillane (09.03.1918-17.07.2006) criou o personagem Mike Hammer (de filmes como "A Morte Num Beijo" (Kiss Me Deadly), de Robert Aldrich, 1954, com Ralph Meeker).
Em "Marty", de 1955, que ganhou o Oscar de Melhor Filme, Melhor Ator (Ernest Borgnine), Melhor Diretor (Delbert Mann) e Melhor Roteiro (Paddy Chayefsky, em uma cena de Marty (Borgnine) caminhando com Clara (Betsy Blair) no Bronx, em Nova York, aparece o poster de "Ring of Fear" na frente de um cinema. 
Interessante que na mesma época, antes de "A Morte Ronda o Espetáculo", a assistência de outros dois filmes sobre a temática circense: "Trapézio" (Trapeze), de Carol Reed, 1956, com Burt Lancaster, Tony Curtis e Gina Lolobrigida, filme que inaugurou reforma com CinemaScope no Íris, em 1958; e "A Tragédia Conduz o Espetáculo", de C. Borghezio, 1955.

Nenhum comentário: