*

*

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Francisco Pinto em flash-back

Fac-símile do ofício do então ministro da Justiça Armando Falcão ao procurador-geral José Carlos Moreira Alves, em que pede enquadramento penal de Francisco Pinto.

O então deputado federal Francisco Pinto (MDB) denunciou da tribuna da Câmara de Deputados os "crimes cometidos" pelo general Augusto Pinochet, após o golpe de Estado, em setembro de 1973, contra Salvador Allende.
No dia 14 de março de 1974, Pinto falou contra a presença de Pinochet no Brasil. O general veio prestigiar a posse de Ernesto Geisel na Presidência da República. Da tribuna, ele chamou Pinochet de "assassino", "fascista", "mentiroso".
"O que nós desejamos é apenas deixar registrado nos anais, o nosso protesto e a nossa repulsa pela presença indesejável dos vários Pinochets que o Brasil infelizmente está hospedando. Se aqui houvesse liberdade, o povo manifestaria seu descontentamento e a sua ira santa, nas ruas, contra o opressor do povo chileno. Para que não lhe pareça, contudo, que no Brasil estão todos silenciosos e felizes com sua presença, falo pelos que não podem falar, clamo e protesto por muitos que gostariam de reclamar e gritar nas ruas contra sua presença em nosso país", bradou Francisco Pinto.
O então ministro da Justiça, Armando Falcão, atendendo solicitação do presidente Ernesto Geisel, representou contra Pinto, com base na Lei de Segurança Nacional, que vedava ofensas a chefes de nações estrangeiras.
Em 28 de maio de 1974, a determinação da Censura Federal: "De ordem superior, fica terminantemente proibida a divulgação, através dos meios de comunicação social, escrito, falado e televisado, de notícias, comentários, referências, transcrição e outras matérias relativas ao deputado Francisco Pinto".
Sendo processado, ele repetiu as críticas ao governo militar em entrevista ao repórter Lucílio Bastos, em programa jornalístico da Rádio Cultura de Feira de Santana. A concessão da emissora foi cassada em 1975.
"Quando eu fui a Feira de Santana, pela primeira vez depois do processo, dei uma entrevista à Rádio Cultura. E o repórter, bom de entrevista, ajudou. Mandaram requisitar a fita, suspenderam a rádio por oito dias. Depois, suspenderam em definitivo a Rádio Cultura. Foi reaberta quando o dono, que era do MDB, aderiu à Arena. Oscar Marques, um bom companheiro. Foi ele que mandou me ouvir", contou.
Lembrar que em 17 de dezembro de 1974, em carta dirigida ao presidente Ernesto Geisel, Pinto estava preso e recusou o indulto de Natal dado pelo governo: "Rogo a Vossa Excelência que me livre de mais este constrangimento - o de um perdão que não solicitei".

Um comentário:

Hamilton disse...

Essa parte resume quem foi meu primo Francisco Pinto
Rogo a Vossa Excelência que me livre de mais este constrangimento - o de um perdão que não solicitei".: