*

*

Rede Orient - A partir de quinta-feira, 14

Rede Orient - A partir de quinta-feira, 14
Orient Cineplace Boulevard - 15 - 18 (Dub) - 21 (Leg)

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Quando Feira de Santana exportou bosta de vaca para a Itália


1. Juraci Dórea montou escultura nos Jardins de Veneza
2. Dimas Oliveira com os artistas José Resende e Juraci Dórea

Há 29 anos, em junho de 1988, couro cru, varas, espinhos, cascalho e bosta de vaca foram exportados de Feira de Santana para Veneza, na Itália. Foi quando o artista plástico Juraci Dórea apareceu na XLIII Exposição Internacional de Arte - a Bienal de Veneza, com sua obra aberta, de uma singularidade significativa que se ocupava em buscar a afirmação de uma identidade brasileira e as raízes culturais. Sua obra esteve exposta nos jardins de Veneza, entre 26 de junho e 25 de setembro daquele ano. Obra de cor, cheiro e alma.
Juraci foi escolhido pela curadora Lélia Coelho Frota para representar o Brasil junto com escultor paulista José Resende no grande evento internacional e conseguiu transpor um pouco do pardo requeimado das caatingas, ambientando na cosmopolita Veneza o cenário para suas quatro esculturas de couro e madeira. Espinhos, cascalho, bosta de vaca foram componentes da instalação no pavilhão brasileiro, sendo que causou certo frisson na considerada bem-comportada Bienal, pois sendo polemizado, ganhando espaço em jornais como "Il Gazzettino" e "Corriere Della Sera", conseqüentemente aumentando o número de visitantes. Em tudo ficou a constatação de um equívoco: os sensíveis narizes europeus não conseguiram entender que o cheiro era do couro curtido utilizado nas esculturas e não do estrume que compunha o ambiente.
Para Juraci Dórea o que importou foi ter quebrado o isolamento cultural, pois em contato com a criação estética e a crítica internacional surgiram as consequências imediatas: convites para exposições na Suíça e nos Estados Unidos, além da participação na Bienal de Cuba, no ano seguinte, o que se confirmou. O crítico francês Pierre Restany, um dos jurados da Bienal, afirmou então que Juraci tem um "trabalho de consciência nacional, com sensibilidade ecológica e antropológica. Interessa-me muitíssimo". Já Belgica Rodriguez, presidente da Associação Internacional dos Críticos de Arte, disse na época que o artista tem "uma obra incomum, de uma singularidade impressionante na recuperação de material fora de órbita não-tradicional". Para a curadora Lélia Coelho Frota, a obra de Juraci Dórea "é um retrato possível entre os retratos possíveis do Brasil".
Em Veneza, o Projeto Terra foi apresentado por documentação fotográfica e vídeo além de duas esculturas dos "Jardins de Veneza", em couro e madeira, 3,60x3,00. Também foram apresentados os vídeos sobre a obra de Juraci: "Terra", 1982, transcrito do Super 8, fotografia de Robinson Roberto; "Escultura da Tapera", com imagens de Dimas Oliveira - que acompanhou o artista em Veneza - e Juraci Dórea, texto de Antônio Brasileiro e edição de Amadeu Campos (DB Vídeo) e Dimas Oliveira, músicas de Elomar e Fábio Paes.

Nenhum comentário: