Venda antecipada de ingressos no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada de ingressos no Orient Cineplace Boulevard

Em lançamento mundial no Orient Cineplace Boulevard

Em lançamento mundial no Orient Cineplace Boulevard
13 - 15h40 - 18h25 (Dub) - 21h10 (Leg) no Orient Cineplace Boulevard

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Quando Feira de Santana exportou bosta de vaca para a Itália


1. Juraci Dórea montou escultura nos Jardins de Veneza
2. Dimas Oliveira com os artistas José Resende e Juraci Dórea

Há 29 anos, em junho de 1988, couro cru, varas, espinhos, cascalho e bosta de vaca foram exportados de Feira de Santana para Veneza, na Itália. Foi quando o artista plástico Juraci Dórea apareceu na XLIII Exposição Internacional de Arte - a Bienal de Veneza, com sua obra aberta, de uma singularidade significativa que se ocupava em buscar a afirmação de uma identidade brasileira e as raízes culturais. Sua obra esteve exposta nos jardins de Veneza, entre 26 de junho e 25 de setembro daquele ano. Obra de cor, cheiro e alma.
Juraci foi escolhido pela curadora Lélia Coelho Frota para representar o Brasil junto com escultor paulista José Resende no grande evento internacional e conseguiu transpor um pouco do pardo requeimado das caatingas, ambientando na cosmopolita Veneza o cenário para suas quatro esculturas de couro e madeira. Espinhos, cascalho, bosta de vaca foram componentes da instalação no pavilhão brasileiro, sendo que causou certo frisson na considerada bem-comportada Bienal, pois sendo polemizado, ganhando espaço em jornais como "Il Gazzettino" e "Corriere Della Sera", conseqüentemente aumentando o número de visitantes. Em tudo ficou a constatação de um equívoco: os sensíveis narizes europeus não conseguiram entender que o cheiro era do couro curtido utilizado nas esculturas e não do estrume que compunha o ambiente.
Para Juraci Dórea o que importou foi ter quebrado o isolamento cultural, pois em contato com a criação estética e a crítica internacional surgiram as consequências imediatas: convites para exposições na Suíça e nos Estados Unidos, além da participação na Bienal de Cuba, no ano seguinte, o que se confirmou. O crítico francês Pierre Restany, um dos jurados da Bienal, afirmou então que Juraci tem um "trabalho de consciência nacional, com sensibilidade ecológica e antropológica. Interessa-me muitíssimo". Já Belgica Rodriguez, presidente da Associação Internacional dos Críticos de Arte, disse na época que o artista tem "uma obra incomum, de uma singularidade impressionante na recuperação de material fora de órbita não-tradicional". Para a curadora Lélia Coelho Frota, a obra de Juraci Dórea "é um retrato possível entre os retratos possíveis do Brasil".
Em Veneza, o Projeto Terra foi apresentado por documentação fotográfica e vídeo além de duas esculturas dos "Jardins de Veneza", em couro e madeira, 3,60x3,00. Também foram apresentados os vídeos sobre a obra de Juraci: "Terra", 1982, transcrito do Super 8, fotografia de Robinson Roberto; "Escultura da Tapera", com imagens de Dimas Oliveira - que acompanhou o artista em Veneza - e Juraci Dórea, texto de Antônio Brasileiro e edição de Amadeu Campos (DB Vídeo) e Dimas Oliveira, músicas de Elomar e Fábio Paes.

Nenhum comentário: