*

*

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

"Os sucessos de Trump, mesmo antes da posse"


Temos 1.100 famílias felizes e uma mídia incapaz de relatar o sucesso
Na história, ganhar aumenta a probabilidade de ganhar. Perder aumenta a probabilidade de perder.

Por Newt Gingrich

Temos um bem-sucedido presidente eleito antes mesmo de tomar posse. Temos 1.100 famílias entusiasmadas e ansiosas por um feliz Natal, quando durante semanas estiveram angustiadas por preocupação com seu futuro. E temos uma mídia incapaz de divulgar este sucesso.
Como? O presidente eleito Donald Trump convenceu a Carrier a manter 1.100 postos de trabalho nos Estados Unidos. Ele foi ajudado pelo vice-presidente eleito Mike Pence, que tinha interesse adicional em alavancar esta decisão, porque é o governador de Indiana, onde a Carrier está localizada. As pessoas empregadas na Carrier estão em êxtase. Eles estavam prestes a enfrentar um Natal sombrio. Agora têm seus empregos e estão emocionados que o Presidente eleito tenha intervindo decisivamente e com sucesso.
Esta foi a segunda intervenção do Trump. (Antes ele convencera a Ford a não mudar uma de suas linhas de montagem para o Mexico).
Mas, como a mídia se concentrou nos 1.100 postos de trabalho, e porque a administração da Carrier tinha sido muito mais pública sobre sua determinação de mudar para o México, o caso Carrier adquiriu muito mais intensidade e importância do que a Ford.
Há vários pontos importantes sobre essa conquista.
Primeiro, isso é puro trumpismo. Não espere a posse. Não gaste muito tempo com o pessoal estudando a questão. Não delegue a outra pessoa e espere o melhor. O trumpismo inclui decisões intuitivas seguidas por uma intervenção rápida e pessoal para forçar o sucesso. Seu mais óbvio antecessor no estilo era o presidente Theodore Roosevelt. Trump é semelhante a Roosevelt na pura energia exuberante com a qual ele vive todos os dias.
Winston Churchill escrevia bilhetes na Segunda Guerra Mundial que diziam "Ação Hoje" (Action This Day). Ele os usava para itens importantes num esforço para forçar a burocracia a se mover mais rápido. Trump é um exemplo vivo de "Ação Hoje".
Em segundo lugar, Trump entende que ganhar as vitórias simbólicas rapidamente pode ter consequências muito grandes. Scott Adams escreveu brilhantemente sobre esta técnica. Milhões de americanos que se preocupam com seus empregos sentem-se melhor hoje sabendo que Donald Trump se importou o bastante para agir antes mesmo de ser empossado. Embora a mídia de propaganda (anteriormente a mídia de notícias) e os críticos possam pensar que essa foi uma pequena conquista, simbolicamente e emocionalmente é muito  grande.
Terceiro, Trump entende que vencer é sempre melhor do que perder. Os americanos viram Barack Obama não salvar empregos. Na verdade, ele zombou de Trump e publicamente perguntou se ele estava indo para acenar uma "varinha mágica" para salvar empregos na Carrier. Agora é Obama quem parece impotente e incompetente - e Trump parecendo ter mesmo uma varinha mágica.
Na história, ganhar aumenta a probabilidade de ganhar. Perder aumenta a probabilidade de perder. Hoje, o presidente eleito Trump parece um vencedor.
Finalmente, o trumpismo está transformando os papéis de nossos dois partidos políticos. Enquanto os elitistas democratas estão zombando da conquista da Carrier e minimizando sua importância, milhões de trabalhadores americanos estão contentes por alguém finalmente se importar com eles.
Resultados: o isolamento dos democratas num clube esquerdista de elitistas tolos e que não se importam com os trabalhadores, e a transformação do Partido Republicano no partido que se preocupa com as famílias e aumenta empregos.
Mil e cem famílias felizes no Natal é um grande negócio. Este ano é de Donald Trump. É uma conquista a sete semanas de ser juramentado como presidente dos Estados Unidos.
Tradução e divulgação: Heitor De Paola
Fonte: "Mídia Sem Máscara"

Nenhum comentário: