*

*

*

*

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Lagoa Salgada: O renascer das águas


Projeto de urbanização da Lagoa Salgada

Panorama atual da Lagoa Salgada

Por Jorge Magalhães
Medindo o equivalente a 135 campos de futebol, a Lagoa Salgada, maior e mais importante aquífero entre as lagoas remanescentes que, nos primórdios da fundação do município, compunham a vasta  Bacia Hidrográfica de Feira de Santana, deixará de ser alvo da cobiça da incansável especulação imobiliária para dar lugar a um arrojado projeto de urbanização que a transformará radicalmente.
A Secretaria de Planejamento já se encontra debruçada sobre os estudos e informações técnicas envolvendo as especificidades deste importante bioma, objetivando revitalizar não apenas o seu espelho d'água, mas todo o entorno da Lagoa Salgada.
Estas medidas preliminares se mostram indissociáveis à filosofia do projeto como um todo, e são consideradas imprescindíveis ao conjunto de seres vivos que originalmente formavam a fauna da região, rica em sua diversidade de pássaros, peixes,  quelônios (tartarugas) e anfíbios.
Com o aval do prefeito José Ronaldo, o projeto, de autoria do arquiteto e urbanista Claudio Rôsevel, da Secretaria de Planejamento, também será tocado pela Secretaria de Meio Ambiente e Secretaria de Desenvolvimento Urbano. A ideia é criar um complexo espaço de lazer e convivência disseminado ao logo do cinturão que margeará todo o entorno do espelho d’água.
Além de impedir a ocupação desordenada no entorno da lagoa, foi projetado um rebaixamento do nível do solo que criará um espelho d’água em profundidade adequada à aeração da água com suas margens recebendo um tratamento de taludes com enroncamento, ou seja, uma contenção de pedras para evitar o assoreamento das bordas.
Sobre o leito da lagoa serão instaladas três bombas de oxigenação e recirculação das águas e, para a requalificação da área foi idealizado um projeto paisagístico com estruturas de lazer para todas as idades.
A iniciativa será analisada por uma equipe de estudos geotécnico e biológico, atendendo às normas técnicas, assegurando a preservação do ecossistema e salubridade do meio ambiente.
Dados Quantitativos
A área total do projeto é de 1.721.817.40 metros quadrados, numa área alagada de 828.844.80 metros quadrados, com profundidade média de dois e meio metros. A pista de cooper compreenderá um perímetro de 11.268.11 metros quadrados, e a de ciclovia 15.955.64 metros; anfiteatro será construído numa área de 5.586.14 metros quadrados; restaurante,  projetado para dois pavimentos terá 2.000 metros quadrados.
O logradouro, onde serão plantadas 3.500 mudas de árvores de grande porte e 1.500 mudas de pequeno porte, contará com mirantes para o nascente e o poente, um bosque, um campo de futebol, praças para piquenique, orações, e conveniências.  O espaço terá 17 placas de identificação, uma área com quatro sanitários, 1.038 postes de iluminação, e 260 lixeiras.
Também consta do projeto três kits de ginástica ao ar livre, cada um com seis aparelhos; dois kits de parquinho com quatro aparelho cada, uma pista de skate, quatro quadras de futebol society cercadas com muretas e alambrados, kits de jogos para quatro bancos de concreto e dois monumentos.  
O espelho d’água da Lagoa Salgada será interligado por pequenas ilhas cobertas de arbustos, intercaladas e ornamentadas  por três chafarizes emergindo das águas.
Jorge Magalhães é jornalista e escritor
Matéria especial publicada no jornal "NoiteDia", edição desta sexta-feira

Um comentário:

Anônimo disse...

Que notícia excelente. Tomara que este Projeto que envolve a Lagoa Salgada tenha andamento rápido e exitoso. É preciso mesmo valorizar e aplaudir sempre tais iniciativas. Falar no renascer das águas de Feira de Santana é questão importantíssima, por determinar apreço pela cidade revelado por preocupação com o seu desenvolvimento sustentável que leva em consideração, no seu contexto, o necessário equilíbrio entre os aspectos de ordem ambiental, social e econômico. A expansão de Feira de Santana não pode determinar contínua agressão ao meio ambiente ou ao seu ambiente natural. As lagoas não podem sofrer processo de degradação. É um bem ambiental que precisa ser preservado em nome da vida, da qualidade de vida. Ademais, parece importante destacar que o mundo inteiro clama por respeito aos princípios de sustentabilidade e, assim, um projeto como este parece trazer também um contribuição imensa à formação de uma ideia de Feira de Santana como uma Cidade Sustentável que incorpora bens ambientais, no seu uso, nos processos de urbanização e práticas urbanísticas que determinam o seu desenvolvimento. Parabéns a Prefeitura de Feira de Santana pela iniciativa. Artur Renato Brito de Almeida, um feirense, de São Paulo.