Lançamento nacional dia 31

Lançamento nacional dia 31
No Orient Cineplace Boulevard

No Orient Cineplace Boulevard

No Orient Cineplace Boulevard

sábado, 17 de dezembro de 2016

"Balaio de gatunos"



Por Aninha Franco em Trilhas
O Brasil surgiu como uma empresa para enriquecer Portugal, mas isso já devia ter se resolvido. Verdade que nossa ruptura com Portugal foi praticada por um português e que a nossa República foi um golpe militar. Como sei pouco da história do período, ignoro se foi um golpe civil e militar, como o de 1964, com o argumento de enfrentar a corrupção, mas que apenas substituiu os senhores dalém mar pelos senhores da terra. O Povo sustentou, sem tréguas, os três poderes republicanos, a Corte Imperial e a Colonial. E sustenta esta República, agora, um circo trágico cômico, em borbulhas com o vazamento da primeira – de 77 – delação da Odebrecht, comprometendo quase todos os poderes, e a delação dos Odebrecht, Pai e Filho, confirmando aquilo que os lúcidos já sabiam: que Lula é o cara desse último balaio de gatunos que no Brasil se sucedem como as ondas no mar.
Agora está difícil sustentar o discurso de não sei, não vi, não tô sabendo e não meti a mão na cumbuca porque a mão está presa na cumbuca dos empreiteiros que parecem, pelas delações, os patrões dos políticos que recebem dinheiro para se eleger e entregam a condução real do país aos doadores. A impressão é que os empreiteiros governaram o Brasil nos últimos anos (?), pagaram a Lula em dinheiro vivo, e presentearam Jaques Wagner com relógios que ele confessa que ganhou, mas não usou, assim como Bezerra da Silva apertou, mas não acendeu e Clinton fumou, mas não tragou.
Nas 24 horas da delação relojoeira da Odebrecht e da resposta espetacular de Wagner, o jornalista Lauro Jardim (O Globo) lembrou que o ex-governador é tão atraído por relógios caros que perde a compostura de estadista. E cita que no livro "Entre a glória e a vergonha - memórias de um consultor de crise", Mario Rosa escreveu que viu Wagner, governador eleito da Bahia, ao lado de Geddel Vieira Lima e de Sandro Rosell, num restaurante em Barcelona, receber o relógio que Sandro usava. Que Wagner elogiou o relógio, Sandro tirou o relógio do braço e entregou a Wagner. Wagner aceitou o presente e abraçou Sandro. Será que esse relógio ele ainda usa? Lendo e comentando no Facebook o amor de Wagner pelos relógios, o escritor Antonio Risério observou que o ex-governador roubou o tempo da Bahia. E eu acrescento que além de parar os ponteiros do relógio do Estado em 2007, o ex-governador voltou os ponteiros por uns 30 anos.
Se rimos de alguma coisa nesta semana, rimos dos codinomes da corrupção que sangra o País, codinomes que demonstram o grau de amizade e respeito entre empresários e políticos: Caranguejo, Todo Feio, Polo, Leitão, Boca Mole e o cruel Feia de Lídice da Mata.
O Supremo que há dez anos era um Poder Oculto, agora é um justice.pop, em pé de guerra entre si e com o Congresso, ambos se acusando de movidos por interesses pessoais. A delinqüência do Congresso é notória, mas o mesmo Ministro Luiz Fux que aplicou uma liminar para proteger as 10 Medidas Contra a Corrupção do Congresso devasso, há mais de dois anos garante auxílio-moradia de R$ 4.377,73 para todos os magistrados federais, mamata que o Senado acabou de embarreirar. Para divinizar a canalhice, lembremos que ontem, antes de sair para conversar coercitivamente com a PF sobre desvios nos royalties do petróleo (Operação Timóteo), o Pastor Silas Malafaia deu um bom dia piedoso ao seu rebanho.
Fonte: "Correio da Bahia", edição deste sábado, 17

Nenhum comentário: