*

*

*

*

terça-feira, 12 de julho de 2016

Seminário na Uefs faz homenagem a Olney São Paulo

Com realização pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários (Progel) da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) e coordenação sob a responsabilidade do Núcleo de Estudos em Literatura e Cinema, ocorre entre 29 e 31 de agosto o Seminário de Pesquisa em Literatura e Diversidade Cultural, em sua 17ª edição. 
A programação principal será em homenagem a Olney São Paulo (07.081936-15.02.1978), cineasta e escritor baiano que completaria 80 anos em 2016 se estivesse vivo.
Programação envolvendo Olney

Segunda-feira, 29 de agosto, Anfiteatro do Módulo II
8h30 - Olney São Paulo em Família, com exibição de "Um Crime na Rua", 1955, primeiro filme realizado por Olney São Paulo em Feira de Santana.
Conversa sobre o filme, com Olney São Paulo Filho, Ilya São Paulo, Valneide São Paulo e Colbert São Paulo.
10h30 - Exibição do filme "Sinais de Cinza", documentário sobre Olney São Paulo e conversa com o diretor Henrique Dantas.
14h30 - Mesa Temática: "Sertões em transe: Desconstruindo o cinema sertanejo e outras construções discursivas".
"Neo-realismo em 'Grito da Terra': leitura fílmica desconstrutora", por Maurício Matos dos Santos Pereira, da Universidade Federal da Bahia (Ufba).
"Sertão-Quebec: imaginários americanos e rizomas do 'cine-verdade' em Olney São Paulo e Michel Perrault", por Claudio Cledson Novaes, da Uefs.
17h30, no Prédio da Pós-Graduação em Estudos Literários - Exposição de Fotografias e Documentos - Olney São Paulo, 80 anos do 'Heroy Sertanejo".
Terça-feira, 30 de agosto, Anfiteatro do Módulo II
10 horas - Mesa Temática: "Literaturas, cinemas, nordestes: Imagens e rasuras".
"O cinema rural de Olney São Paulo: Algumas considerações sobre 'Grito da Terra'", por Dinameire Oliveira Carneiro Rios, da Ufba.
"Olney São Paulo: Maldição e esplendor em 'Manhã Cinzenta'", por Maria David Santos, da Uefs.
13h30 - Mesa Temática: "Literatura e cinema em tempo de exceção: Filosofia, memórias e imaginários culturais".
"O cérebro eletrônico nunca se esquece: Memórias do estado de exceção em 'Manhã Cinzenta' - Pra não dizer que não falei d'A peste'", por Mírian Sumica Carneiro Reis, da Unilab.
(Com informações de Olney São Paulo)


Nenhum comentário: