Clique na imagem

*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

*

*

Contagem regressiva

My countdownCountdown

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Tese de doutorado de Rollie E. Poppino

Capa da tese e aprovação
Fac-similes

Com 52 anos do lançamento livro "Feira de Santana", de Rollie E. Poppino, baseado em sua tese de doutorado, a Fundação Senhor dos Passos, através do Núcleo de Preservação da Memória Feirense, presenteou Feira de Santana com cópia original digitalizada do trabalho do historiador e brasilianista americano Rollie Edward Poppino (04.10.1922-16.12.2010), "Princess of the Sertao: A History of Feira de Santana".
O trabalho, descoberto pelo professor e pesquisador Carlos Brito, foi obtido na Stanford University, em Palo Alto, California, com intermediação do feirense Edson Raimundo Nascimento, que mora nos Estados Unidos. A tese tem 496 páginas - o livro ficou com 326 páginas.
O livro "Feira de Santana" (1860-1950), com a tese publicada em português (tradução de Arquimedes Pereira Guimarães), Coleção Baiana da Editora Itapuã, com a colaboração da Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Estado da Bahia - Governo Luiz Viana Filho, faz uma análise geral sobre a cidade, buscando entender o seu desenvolvimento cultural, econômico, político e social.
Esta publicação é fonte inesgotável de referência de pesquisadores, historiadores e curiosos. É citada em todos - ou quase – trabalhos acadêmicos que tratam desta cidade.
Diplomado em História em Stanford, Rollie E. Poppino veio para Feira de Santana depois que foi agraciado com bolsa de estudo para o Brasil, que foi concedida pela Fundação Henry L. and Grace Doherty. Ele veio para a Bahia em outubro de 1950. A orientação da sua tese foi da Dra. Joan J. Johnson, professora de História Latino-Americana.
Em sua estadia na Bahia, Rollie Poppino reuniu material para sua tese de doutorado. A história social, política e econômica do Brasil permaneceu como seu principal interesse ao longo de sua vida profissional, sendo doutor em História da América Latina em 1953. Em 1961, a UC Davis o contratou para ensinar História da América Latina, onde permaneceu por 30 anos, servindo no Departamento de História na maior parte do tempo. O respeitado estudioso da história do Brasil, morreu em Sunnyvale, aos 88 anos.

Um comentário:

Anônimo disse...

É espetacular quando se vê esforços para a preservação de documentos que tenham relevância histórica para a nossa querida cidade de Feira de Santana.
É sempre bom ressaltar que a preservação da memória histórica e cultural na sua rica extensão é manifestação viva da força de muitas localidades e sua mera existência é uma oportunidade de fortalecer a identidade de sua gente que pode ter, com o reflexo de seu passado, a inspiração para valorizar o presente e construir o futuro.
Esforços para preservar e permitir uma reconstrução do passado é mesmo base fundamental para a construção da memória coletiva, do fortalecimento de nossa identidade social, de nossa identidade com Feira de Santana.
E mais importante ainda, quando se observa em tais iniciativas voltadas para o olhar no passado, o bem que se faz na valorização do presente estabelecida com o olhar do melhor amanhã, do futuro. Artur Renato Brito de Almeida, um feirense, de São Paulo.