*

*

*

*

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

"Letícia Sabatella é um dos últimos suspiros da farsa esquerdista destes 13 anos"




Por Reinaldo Azevedo
Na sua danada irrelevância política, a atriz e criadora de caso Letícia Sabatella expressa os suspiros finais de uma farsa, que é a do esquerdista vítima das circunstâncias que não são sua escolha; que é a do defensor da justiça social em eterna luta contra os promotores da desigualdade; que é a do militante das flores vencendo o canhão.
Letícia transformou isso tudo numa caricatura quando, no domingo, resolveu se meter numa manifestação anti-Dilma, certa de que seria, como foi, alvo da hostilidade dos que protestavam em favor do impeachment. O vídeo que ela própria tornou público demonstra a sua postura, vamos dizer, passivo-agressiva. Embora buscasse ser a perseguida, é o olhar subjetivo da câmera que avança sobre os presentes, não o contrário.
Agora, leio na Folha uma informação do balacobaco.
Esta senhora diz que vai escrever um texto a respeito, que comporá a abertura da peça "Haiti Somos Nós", do grupo Os Satyros, ao qual ela pertence. Não sei se esse trabalho conta ou não com o incentivo da Lei Rouanet!
A cada hora fica mais evidente que Letícia estava, vamos dizer, em busca de um "evento". E aqueles que ela decidiu ter como adversários foram personagens involuntárias da sua pantomima. É um comportamento detestável.
Letícia é uma rematada ignorante política. Nota-se pelo vocabulário ao qual apela para tratar do assunto. Na sua bela cabeça oca, o mundo se divide entre os bons, grupo no qual se encontraria, e os maus; entre os que amam (os de sua turma) e os que odeiam.
Essa ignorância misturada com ira santa tem lá os seus perigos porque não mede consequências. Fica evidente, até por seu próprio testemunho, que a Polícia Militar do Paraná atuou para protegê-la, inclusive de si mesma.
Ainda assim, a gente nota a sua disposição de criticar a PM. Leiam:
"A polícia chegou e me isolou. Mas não pediu para os manifestantes pararem. Tem um momento [do vídeo] em que eu falo: 'Você precisa acalmá-los, eu não estou fazendo nada'. Eles queriam me colocar num camburão, mas eu falei: 'Não, eu moro aqui'."
"Colocar no camburão", se aconteceu, entenda-se, era uma maneira, reitero, de protegê-la. A forma de dizer isso é outra: "Eles queriam que eu ficasse em segurança dentro do carro, da viatura".
Chego a ter pena dessa moça! Resolveu ser a mártir oportunista de uma causa onde se juntam ladrões, quadrilheiros, trapaceiros, bandidos e os realmente golpistas…
Diz a atriz, sempre no seu papel:
"Eu vou mover uma ação, vai ser preciso, foi muito grave. E o que eu passei é o que muitas pessoas estão passando. É necessário filmar, denunciar e mostrar que tem limite."
Claro que sim! Os que eventualmente forem transformados em personagens de sua narrativa deturpada também têm o direito de acusá-la, quando menos, de assédio moral.
Não é assim que a música toca na democracia. Democracia cuja existência esta senhora já deixou claro não reconhecer.
Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

Nenhum comentário: