*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Empresas evaporaram?

Por Ronaldo Belo
Ainda continuo sem entender e muito menos recuso-me a acredita em muitas coisas que "dizem" estar ocorrendo nos bastidores da política feirense e que estariam por trás de sérios problemas gerados à população simplesmente pelo capricho de alguns em travar guerra política defendendo tão somente interesses pessoais e projetos estritamente próprios.
Enquanto a cidade amanheceu literalmente de pernas para o ar, desde domingo, 16, com a decisão unilateral e intempestiva das empresas de ônibus Princesinha e 18 de Setembro de suspenderem os serviços de transporte coletivo da população de Feira de Santana, antes do fim oficial da prorrogação do contrato com a Prefeitura, no próximo dia 25, muitas indagações vêm à tona, de todos os cantos da cidade, colocando em xeque figurinhas bastante conhecidas de nossa política local.
E os questionamentos se tornam ainda mais latentes à medida que as alegações das duas empresas, de que enfrentavam prejuízos e não dispunham mais de recursos para comprar combustível, em nada convenceu a população feirense. Principalmente porque, até poucos dias, antes do Governo Municipal tomar a decisão acertada de promover nova licitação do transporte público para modernizar o sistema, as duas empresas tentavam, a todo custo, conseguir a prorrogação dos contratos com a Prefeitura, até mesmo com promessas de investimentos no sistema.
E dentre as indagações que prefiro não acreditar nas respostas que tenho ouvido nas ruas estão as seguintes:
O Sindicato dos Rodoviários (motoristas e cobradores de ônibus), dirigido por Alberto Nery, que também é vereador pelo PT, sabia da real situação das duas empresas?
O Sindicato, através do vereador petista, teria realmente indicado a maioria dos funcionários das duas empresas e inclusive do Sincol, que é o sindicato patronal?
Caso isto seja verdade, o que prefiro não acreditar, estaria então o vereador, ou melhor, o Sindicato comprometido com as duas empresas à qual a entidade deveria fiscalizar?
O Sindicato fiscalizava ou não o recolhimento do FGTS? E o recolhimento estava ocorrendo?
Ainda continuo não acreditando e, justamente por isso, insisto em perguntar: e com relação ao INSS, também estava ou não havendo recolhimento e repasse da parte patronal? E o Sindicato fiscalizava ou não?
E quanto ao patrimônio das duas empresas, que seria uma espécie de reserva de capital para garantir as indenizações dos operários, ainda existe ou não? E caso não exista mais, como isto teria ocorrido à luz do dia e aos olhares dos sindicalistas e vereador Alberto Nery?
Indo mais longo e certo de que perguntar não ofende, mesmo porque, como já disse, prefiro não acreditar em qualquer tipo de relação mais íntima ou de compadrismo entre sindicato dos operários e classe patronal, qual foi o entendimento entre ambos para durante as eleições presidenciais, todos os ônibus das duas empresas saírem das garagens com adesivos da candidatura da presidente Dilma e de outros petistas, mesmo com a expressa proibição de lei federal de utilização de veículos públicos para propaganda eleitoral? E se não houve entendimento, então os ônibus se plotaram sozinhos?
E, diante desta crise toda, por que o Sindicato não chama para si as suas responsabilidades, já que prefiro não acreditar que a entidade também foi omissa, ao invés de simplesmente tentar transferir a responsabilidade para o Governo Municipal, já que o mesmo há muito tempo vinha tentando legalmente substituir estas duas empresas, mas sempre esbarrava na residência de petistas e da bancada de oposição, que insistiam em manter as duas empresas sucateadas, mesmo prejudicando a população, tão somente pelo capricho de tentar atingir a imagem do prefeito José Ronaldo?
Com a palavra o presidente do Sindicato. Ou seriam melhor as palavras do vereador Alberto Nery? De qualquer forma, qualquer uma serve, já que ambos são os mesmos...
Ronaldo Belo é jornalista e editor
Publicado na edição desta sexta-feira, 21, do jornal "NoiteDia"

Nenhum comentário: