*

*

No Orient Cineplace

No Orient Cineplace
13h20 - 15h50 - 16h30 - 18h20 - 19 - 21h30 (Dub) - 20h50 (Leg)

Rede Orient - 14 de dezembro

Rede Orient - 14 de dezembro
Orient Cineplace Boulevard - 15 - 18 (Dub) - 21 (Leg)

terça-feira, 4 de julho de 2017

Quem conhece Marlene França?


Pois é, quem conhece Marlene França (foto, reprodução)? Ela foi descoberta por Ary Fernandes, que procurava figurantes para o curta "Ana", do cineasta Alex Viany, que em 1957 passou por Feira de Santana para filmar o episódio do filme internacional produzido pelo Partido Comunista da Alemanha Oriental "Rosa dos Ventos" (Die Windrose) - o mesmo filme em que Olney São Paulo se integrou às filmagens. Ainda criança, com 13 anos, ela morava nesta cidade e vendia doces e bananas na feira livre, em frente ao Mercado Municipal, na praça João Pedreira. Ela e toda sua família acabou contratada para fazer figuração. Assim, não é feirense - ela nasceu em Uauá, em 5 de agosto 1943. Marlene França Yppolito foi feirante em Feira de Santana.
Em 1959, já em São Paulo, onde morou até sua morte (em 23 de novembro de 2011), participou de "Fronteiras do Inferno", de Walter Hugo Khouri. No ano seguinte atuou em "Jeca Tatu", com Mazzaropi, dirigido por Milton Amaral, com quem se casou. Ultimamente, foi casada com Angelo Andrea Matarazzo Yppolito, com quem tem três filhos. Foi biografada em "Do Sertão da Bahia ao Clã dos Matarazzo", pela jornalista Maria do Rosário Caetano para a Coleção Aplauso.
 Marlene França participou de vários filmes sobre o tema cangaço, nos anos 60, bem como nas comédias eróticas, as chamadas de pornochanchadas, na década de 70, além de atuar em filmes de outras correntes.
Em entrevista ao site "Mulheres do Cinema Brasileiro", Marlene França disse que era apaixonada pelo cinema e sempre sonhou com as telas. "Eu queria sair daquele sertão e ir para o sul, para ganhar o sul, para virar estrela. Ser como Eliana, Adelaide Chiozzo, Fada Santoro. Queria ser estrela de Hollywood".
Desde o início da carreira ela se interessou pelo outro lado das câmeras, desempenhando a função de continuista em diversos filmes. Nos anos 80, dedicou-se a dirigir filmes e conta com três curtas no currículo: "Frei Tito"(1983); "Mulheres da Terra" (1985); "Meninos de Rua" (1988).
Filmes de Marlene França como atriz, que foram vistos por este jornalista - que não conhece de perto a atriz e cineasta: "Jeca Tatu", de Milton Amaral, 1960; "A Morte Comanda o Cangaço", de Carlos Coimbra, 1961; "Três Cabras de Lampião" (1962), de Aurélio Teixeira, 1962; "Lampião, o Rei do Cangaço", de Carlos Coimbra, 1964; "Panca de Valente", de Luis Sérgio Person, 1968; "Se Meu Dólar Falasse", de Carlos Coimbra, 1970; "Lua de Mel e Amendoim", de Fernando de Barros e Pedro Carlos Róvai, 1971; "Sinal Vermelho: As Fêmeas", de Fauzi Mansur, 1972; "A Infidelidade ao Alcance de Todos", de Aníbal Massaini Neto e Olivier Perroy, 1972; "A Noite do Desejo", de Fauzi Mansur, 1973; "O Supermanso", de Ary Fernandes, 1974; "A Noite das Fêmeas", de Fauzi Mansur, 1976; "A Dama da Zona", de Ody Fraga, 1979; "O Bem-Dotado: O Homem de Itu", de José Miziara, 1979.
Em 1973 recebeu o Prêmio Governador do Estado por "A Noite do Desejo". Em 1976 teve outra premiação, em Gramado, pelo filme "Crueldade Mortal", de Luiz Paulino dos Santos.
Prêmios que recebeu como diretora: "Frei Tito" - Aveiro/Portugal, 1984 - Melhor Curta; 1º Festival do Ceará, 1985 - Melhor Filme; Festival de Brasília, 1985 - cinco Kandangos - Júri Popular; CNBB - Margarida de Prata, 1985; Festival de Oberhausen, 1986 - Melhor Filme. "Mulheres da Terra" - 8 Festival Pavana Cuba, 1986 - 2o Prêmio Coral e Prêmio Ocic; CNBB - Margarida de Prata, 1986; Festival de Gramado, 1986 - Melhor Curta-metragem; Festival Paris Cinema D’Real, 1987 - Diploma de Participação Especial; Festival de Melbourne/Austrália, 1987 - Melhor Documentário. "Meninos de Rua" - CNBB - Margarida de Prata, 1987; e Festival de Oberhausen, 1987 - Melhor Filme.

Nenhum comentário: