Em segunda semana no Orient Cinemas Boulevard

Em segunda semana no Orient Cinemas Boulevard
13h30 - 16 - 18h40 - 21h10

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Cabine de Imprensa de "Tomorrowland - Um Lugar Onde Nada É Impossivel"


Selma Santos Produções e Eventos convidando para a Cabine de Imprensa de "Tomorrowland - Um Lugar Onde Nada É Impossível", de Brad Bird, nova produção da Disney estrelada por George Clooney que estreia no Brasil na quinta-feira, dia 4 de junho de 2015. A sessão especial será na terça-feira, 2 de junho, às 10h30, no UCI Shopping Barra, em Salvador.
Sinopse
Da Disney chega a eletrizante aventura de mistério "Tomorrowland - Um Lugar Onde Nada É Impossível", do diretor ganhador de dois Oscar® Brad Bird, e estrelado pelo ganhador do prêmio da Academia® George Clooney.
Ligados por um destino, Casey (Britt Robertson), uma adolescente otimista e vibrante com curiosidade científica, e Frank (George Clooney), um gênio desiludido, embarcam em uma missão repleta de perigos para desvendar os segredos de um local enigmático em algum lugar no tempo e no espaço conhecido como Tomorrowland. O que eles precisam fazer lá mudará o mundo - e eles - para sempre.
Com roteiro de Brad Bird e do escritor e também criador de "Lost", Damon Lindelof, a partir de uma história de Lindelof & Jeff Jensen e Bird, "Tomorrowland" promete levar o público em uma viagem eletrizante de muitas aventuras por novas dimensões que só foram vistas em sonhos.
Site da Internet e celular: www.disney.com.br/filmes
Curta no Facebook: facebook.com/DisneyMoviesBrasil
Siga- nos no Twitter: twitter.com/disneybrnews
(Com informações de Gláucia Zachariadhes, Atendimento Disney, de Selma Santos Produções e Eventos

Praça João Pedreira

 A reforma estrutural da praça João Pedreira, iniciada em meados de janeiro, está praticamente acabada (Fotos: Jorge Magalhães). Os tapumes estão sendo retirados.
O piso foi totalmente trocado e é com material de alta resistência. A escultura em ferro do artista plástico Juraci Dórea, que apresentava pontos de ferrugem na base, foi reparada e pintada. Os jardins ganham um novo visual.
O mesmo serviço está sendo realizado na praça da Bandeira, embelezando o centro comercial da cidade.

"Agenda da semana: Petistas na cadeia, ação penal contra Dilma, pedido de impeachment, delação do homem-bomba"

Por Felipe Moura Brasil
As novas vaias recebidas pelo ex-ministro e rei das pedaladas Guido Mantega no sábado, ao sair de um restaurante italiano em São Paulo, onde havia jantado com sua mulher, foram o prenúncio de uma semana que promete ser divertida. Eis uma página da agenda:
Segunda-feira
Dia da chegada a Brasília do empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, amigo de Lula e homem-bomba para o PT.
Disposto a apontar, em acordo de delação premiada, os políticos envolvidos no esquema de pagamento de propina sobre contratos firmados com a Petrobras, ele já antecipou que pagou despesas pessoais do ex-ministro José Dirceu e deu 30 milhões de reais, em 2014, a candidaturas do PT, sendo 7,5 milhões de reais à campanha de Dilma Rousseff temendo sofrer represálias do partido.
Kabum!
Terça-feira
a) Dia da transferência do tesoureiro petista João Vaccari Neto e dos deputados André Vargas, do PT, Luiz Argôlo, do Solidariedade, e Pedro Corrêa, do PP, da carceragem da Polícia Federal em Curitiba (PR) para o Complexo Médico-Penal do Paraná - um presídio em Pinhais, com capacidade para 350 detentos, 346 dos quais terão de tomar cuidado para não serem roubados pelos calouros.
Boa sorte a todos.
b) Dia, também, em que o PSDB protocola na Procuradoria Geral da República um pedido de abertura de ação penal contra Dilma Rousseff pelas "pedaladas fiscais" em desobediência à Lei de Responsabilidade Fiscal.
A pressão pelo impeachment está tão grande sobre os tucanos que até o senador Aloysio Nunes Ferreira, que dizia não ser este o seu "objetivo estratégico", divulgou um vídeo para explicar que o partido não desistiu do pedido, apenas "procurou um outro caminho", solicitando uma investigação por crime comum.
Ele só esqueceu de explicar:
- Por que não o PSDB seguiu por ambas as vias (criminal e política) ao mesmo tempo, já que os dois processos, se abertos, acabariam no Congresso;
- Por que o PSDB prefere culpar Rodrigo Janot pela eventual recusa da ação penal a Eduardo Cunha pela do impeachment;
- Por que o PSDB só funciona - e muito mal - à base de pressão.
Dia em que o Movimento Brasil Livre - que deixou São Paulo no dia 24 de abril na chamada Marcha Pela Liberdade e chegou a Brasília neste domingo, 24 de maio - protocola no Congresso Nacional o pedido de impeachment de Dilma Rousseff, para atazanar petistas e tucanos.
A semana no Congresso
No Senado, as medidas provisórias do ajuste fiscal tendem a sofrer mais mudanças, o que vai reduzir a economia prevista pelo governo.
Na Câmara, como mostrou o site de VEJA, deverá avançar a minirreforma política, que traz pontos divergentes aos defendidos pelo PT, como o sistema eleitoral no modelo distritão e a permissão de doações empresariais durante as campanhas eleitorais.
E a "agenda positiva" do PT
Essa só vêm a partir de junho com o anúncio do Plano Safra, programa nacional de investimentos em infraestrutura, e a terceira fase do Minha Casa Minha Vida, que está atrasada graças à roubalheiras e à má gestão petistas. Novos planos de exportações e concessões também são aguardados pela cúpula do suposto partido, que quer acreditar no potencial de reduzir os danos à imagem do desgoverno de Dilma Rousseff.
Para o Brasil, como se sabe, "agenda positiva" é petista preso ou "impichado".
Fonte: Felipe Moura Brasil  http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil
Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Espetáculo da natureza

Floração de palmeira-imperial (Roystonea oleracea) no passeio da Câmara Municipal de Feira de Santana.

Fotos: Jorge Magalhães  

"O PT sonhava ainda ontem com a vida de partido único. Logo será um nanico a mais"

Por Augusto Nunes
Nos últimos dias, estive no Ceará, na Bahia e em Mato Grosso. Fui forçado a reduzir o ritmo da coluna, mas valeu a pena. O que vi e ouvi transformou em certeza a suspeita que cresce desde novembro: a acelerada decomposição do PT vai muito além de São Paulo Paulo. E é irreversível.
Tal constatação será analisada mais extensivamente em posts que também examinarão as causas do fenômeno - e, sobretudo, os efeitos provocados na paisagem política brasileira pela brusca antecipação da agonia da seita acampada no poder há mais de 12 anos.
Não há esperança de salvação para um PT devastado por uma perversa mutação genética que mistura corrupção institucionalizada, incompetência administrativa, cegueira econômica, surdez política, vigarice populista, ignorância presunçosa, arrogância autoritária, muita sem-vergonhice; fora o resto.
O partido que ainda ontem pretendia ser o único, quem diria?, logo será um nanico a mais.
Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/

Derrota com antecedência

Faltam 496 dias para as eleições municipais de 2015. Apesar do barulho que se faz, é pouco provável uma vitória petista em outubro do próximo ano. O partido está em crise em todo o país e também aqui está se decompondo. 
O PT jamais conseguiu uma vitória em eleição para prefeito e mais uma vez está com candidato marcado para perder, como é voz geral na cidade. 
O deputado estadual Zé Neto está caminhando para sua quarta derrota e tão somente vai marcar posição como candidato de oposição, como se comenta nos meios políticos.
Quem viver verá.

José Ronaldo e Pablo Roberto no Feira V


No domingo, 24, junto com o vereador Pablo Roberto, o prefeito José Ronaldo manteve reuniões em dois momentos com moradores do Feira V, ouvindo as demandas apresentadas.
Fonte: Página no Facebook do Prefeito José Ronaldo

"'Folha de São Paulo' repercute JORNAL DA MÍDIA sobre o negócio dos primos Ricardo Pessoa e Eduardo Pessoa"

A matéria do JORNAL DA MÍDIA, publicada com exclusividade no dia 19 de novembro de 2014 sobre o negócio do Aeroporto de Feira de Santana envolvendo os primos Ricardo Pessoa, empreiteiro e dono da UTC Engenharia, e Eduardo Herold Pessoa, diretor-executivo da Agerba, foi repercutida neste domingo (24) com grande destaque pelo jornal “Folha de São Paulo”. Assinada pelo jornalista João Pedro Pitombo, a reportagem confirmou todas as informações do JM e acrescentou detalhes envolvendo as duas partes.
Quando o JM estampou em manchete Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, é primo de diretor da Agerba e tem negócios na área, Eduardo Pessoa fez três ligações para o repórter deste online - duas diretas e uma através de sua secretária na Agerba: "Você vai ter que provar", afirmou Pessoa, gaguejando e em tom ameaçador. A imprensa da Bahia nada repercutiu, na época - como sempre acontece, aliás, quando o assunto envolve o Governo do Estado. Agora que a Folha também divulgou o escândalo, a "grande mídia local" deve reproduzir alguma coisa. 
Primo e Amigo Pessoal - Ouvido agora pela “Folha de São Paulo”, Eduardo Pessoa não só confirmou a participação do primo Ricardo Pessoa no negócio do Aeroporto de Feira de Santana mas também disse ser ''amigo pessoal'' do dono da UTC, que cumpre prisão domiciliar, depois de passar 160 dias na cadeia em Curitiba por conta das investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Ricardo é apontado como um dos líderes do esquema de corrupção montado na Petrobras.
O contrato do Aeroporto de Feira de Santana foi firmado em maio de 2013 entre a AFS (consórcio que inclui UTC e a empresa Sinart) e a Agerba, agência reguladora do governo da Bahia dirigida desde 2011 por Eduardo Harold Pessoa, primo do empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC.
Eduardo Pessoa foi nomeado para a diretoria da Agerba em 2011, pelo então governador Jaques Wagner (PT). No ano anterior, a UTC contribuiu com R$ 2,4 milhões na campanha do petista à reeleição.
A UTC ainda doou R$ 2,9 milhões em 2014 para a campanha do governador Rui Costa (PT), que manteve o primo de Ricardo Pessoa no cargo.
Ricardo teria indicado Eduardo para a Agerba - O que se comenta hoje é que o dono da UTC também teve influência em emplacar o primo como diretor da Agerba. Os empresários de ônibus do sistema de transporte intermunicipal também participaram da indicação.

A “Folha de São Paulo” lembrou - e reforçou a denúncia do JORNAL DA MÍDIA - de que antes de assumir a Agerba Eduardo Pessoa era advogado de algumas empresas de ônibus. E mesmo assim foi dirigir uma agência que fiscaliza o setor de transporte.
Wagner é testemunha - Durante a Lava Jato, Ricardo Pessoa indicou o ex-governador como uma das suas testemunhas. O argumento dado pelo advogado Alberto Toron foi que Wagner conhecia bem o seu cliente. O depoimento acabou não ocorrendo.
As informações que circulam hoje indicam que Ricardo Pessoa, o dono da UTC e que doou dinheiro para as campanhas de Jaques Wagner e Rui Costa, trabalhou para emplacar seu primo Eduardo como diretor-executivo da Agerba. Os empresários de ônibus também influenciaram muito e defenderam o pleito junto ao então governador Jaques Wagner. Eduardo Pessoa já atuou como advogado de algumas empresas do setor de transporte intermunicipal.
Fonte: http://www.jornaldamidia.com.br/

"Petrobras esconde prejuízo de R$ 4 bi em balanço"

O balanço divulgado pela Petrobras no mês passado esconde prejuízos de mais de R$ 4 bilhões com o Complexo Petroquímico de Suape (PE). A obra tocada pela Odebrecht com financiamento de R$ 2,6 bilhões do BNDES e contratada sem licitação pelo Conselho de Administração da estatal - à época presidido por Dilma - consumiu R$ 5,5 bilhões e não está pronta. Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), em 2013 a obra já tinha 100% de superfaturamento, que não é citado no balanço.
Prejuízo é total
Só as empresas Petroquímica Suape e Citepe, ambas do Complexo, divulgaram prejuízo de R$ 3 bilhões e R$ 2,6 bilhões, respectivamente.
Barcos furados
Segundo levantamento recente do banco Credit Suisse, o prejuízo das empresas supera o valor de mercado, estimado em R$ 4,54 bilhões.
Como um túmulo
Questionada sobre prejuízo maior que investimento e valor de mercado das empresas, a Petrobras foi enfática: "não vamos comentar".

Fonte: Cláudio Humberto

"O reconhecimento vaticano da Palestina não contribui à paz"

Por Jonathan S. Tobin
Os críticos de Israel celebrarão a notícia de que o Vaticano está reconhecendo o estado palestino como uma rejeição ao governo e às políticas do estado judeu. Trata-se de um movimento que está alinhado com a aposta internacional pelo reconhecimento do estado palestino. E faz parte dos esforços da Igreja Católica em apaziguar os mundos árabe e muçulmano, no marco da campanha para melhorar a situação das assediadas e diminuídas comunidades cristãs do Oriente Médio. Seu impacto será eminentemente simbólico, e certamente será considerado outro golpe aos esforços israelenses em manter boas relações com alguns países europeus cada vez mais hostis a Jerusalém. Mas, o que é certo é que não reforçará as oportunidades de alcançar a paz. Ao garantir reconhecimento oficial aos palestinos sem antes exigir que façam a paz com Israel, o papa Francisco e a Igreja só vão conseguir que aquela seja menos provável.
Não se deve esquecer que a atitude da Igreja Católica aos judeus, o judaísmo e o Estado de Israel experimentou uma notável transformação na última geração. Os históricos esforços dos papas João XXIII e João Paulo II significaram uma revolução nas relações judaico-católicas, que deixaram para trás o desprezo e a tolerância ao antissemitismo do passado. O Concílio Vaticano II (1961) rompeu com o passado ao rejeitar o mito da responsabilidade judaica na morte de Cristo e pavimentou o caminho da reconciliação da Igreja com o judaísmo. O papa João Paulo II seguiu a mesma senda e sob sua tutela se erradicou o desprezo pelo judaísmo que havia caracterizado a Igreja no passado. João Paulo II fez sua própria contribuição quando o Vaticano reconheceu formalmente Israel em 1993, pondo fim à oposição oficial da Igreja ao sionismo, enraizada na crença de que os judeus haviam sido condenados a errar e perdido o direito à sua pátria ancestral.
Desde então, as relações entre o estado judeu e a Igreja não têm sido sempre cor de rosa. As disputas motivadas pelas atitudes anti-israelenses dos palestinos cristãos têm seguido aí. Como parte de seu afã por congraçar-se com os países árabes, a Igreja adotou também políticas hostis a Israel. Seu empenho por culpar erroneamente os israelenses pelo declive da comunidade cristã palestina - fruto da crescente influência islamita - tem sido particularmente notável. Mas, apesar de tudo, seria um erro considerar a Igreja ou o Vaticano um inimigo de Israel particularmente rancoroso. Em todo o mundo, e especialmente nos Estados Unidos, os católicos chegaram a ser os melhores amigos e mais firmes aliados do estado judeu.
Pode ser que o papa Francisco considere que seu gesto aos palestinos suponha ser um remédio para a paz. O pontífice parece considerar uma aposta pela imparcialidade entre duas partes em conflito, e pode ser que seja completamente sincero em suas esperanças de que assim se relance o moribundo processo de paz.
Mas, com toda sua boa vontade, o Papa se equivoca ao pensar que dando aos palestinos semelhante reconhecimento contribui para o avanço do processo de paz. Ao contrário, ao garantir-lhes desta maneira um status oficial só alenta o líder da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, a obstruir os esforços para alcançar a paz.
Depois de tudo, se o autêntico objetivo de Abbas fosse um Estado palestino independente, poderia ter tido um em 2000-2001, quando seu antigo chefe Yasser Arafat recusou uma oferta israelense de criar seu estado, que incluía a maior parte da Margem Ocidental, Gaza e uma parte de Jerusalém. Abbas recusou uma oferta ainda melhor em 2008, como recusou negociar seriamente em 2013 e 2014 inclusive quando os israelenses aceitaram um marco negociador norte-americano cujo objetivo era uma solução baseada na existência de dois estados.
A campanha palestina para obter reconhecimento das Nações Unidas e de outros países é motivada por um desejo de evitar as conversações de paz, não por torná-las mais bem-sucedidas. Os palestinos querem um estado, mas não um disposto a reconhecer a legitimidade de um estado judeu vizinho, com independência nas fronteiras que se tracem. A Igreja está reconhecendo seu simulacro de estado e tornando mais fácil para Abbas se negar a negociar. Ao incorrer neste reconhecimento, que garante aos palestinos direitos sobre todos os territórios em disputa desde 1967, o Vaticano e outros estados europeus prejulgam condições que deveriam ser estabelecidas pelas partes, não por terceiros. De importância igual é o fato de que a Igreja ignora que já existe um estado palestino independente em tudo menos no nome em Gaza, sob o jugo tirânico dos terroristas do Hamas. Qual Palestina está reconhecendo a Igreja? O Hamastão ou a corrupta cleptocracia de Abbas? Com o Hamas ganhando popularidade, a perspectiva de que tome o poder na Margem Ocidental independente faz da retirada israelense uma fantasia, em vez de uma opção política viável.
Ainda que não se deveria questionar as boas intenções do papa, o movimento do Vaticano só serve para tornar menos provável a paz e não faz nada pelos cristãos do Oriente Médio, que sofrem a pressão insuportável dos islâmicos, não de Israel. Neste caso, até a imparcialidade socava as já minguadas esperanças de uma solução baseada em dois Estados.

Jonathan S. Tobin é editor sênior da revista on-line Commentary, em cujo site também mantém um blog. Foi editor-chefe da Jewish Exponent, da Filadélfia e do Connecticut Jewish Ledger. Seus textos apareceram no New York Post, The Jerusalem Post, The American Spectator, o Weekly Standard, The New York Times, The Christian Science Monitor, nos EUA e muitas outras publicações no mundo. Em 2006 recebeu a distinção única de ser nomeado tanto o melhor colunista editorial como o melhor crítico de artes na Filadélfia pela Sociedade dos Jornalistas Profissionais. Lecionou nos campi e organizações em todo o país. Ele aparece regularmente na NewsMaxTV, Sun News Network do Canadá e Fox News Radio. Ele também aparece na CNN, Fox News Channel, Fox Business Channel, BBC, PBS e vários outros meios de comunicação. 
Versão original em inglês publicada em Commentary e versão em espanhol na Revista El Medio, publicada em 15 de maio de 2015. Traduzido do site Por Israel.
Tradução: Szyja Lorber

domingo, 24 de maio de 2015

"PMDB se vinga e empareda Kassab com reforma"

A reforma política defendida pelo PMDB do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, tem alvo certo: Gilberto Kassab (Cidades). Impedindo acesso de partidos nanicos aos R$ 868 milhões do fundo partidário, o PMDB busca retaliar contra o ministro, que tenta recriar o Partido Liberal (PL) para "roubar" deputados e senadores peemedebistas. Com a medida, os novos partidos vão nascer sem dinheiro, esvaziando-os.
Profissão: criador
Gilberto Kassab é considerado o maior criador de partidos da atualidade, sendo o idealizador do PSD, que afundou o Democratas.
Só partido grande
A proposta de Eduardo Cunha tem apoio de integrantes da base aliada, da oposição e até de petistas aliados do ex-presidente Lula.
A estratégia de Cunha
O "distritão" será o último item da pauta da reforma política e deve ser aprovado já que todos os pontos do projeto devem ser rejeitados.
Expectativa alta
Os maiores partidos (PMDB, PSDB e PT) acreditam que serão os maiores beneficiados, sobretudo com a transferência de deputados.

Fonte: Cláudio Humberto

sábado, 23 de maio de 2015

Visão de "Almas em Fúria"


Na tarde deste sábado, 23, a visão em DVD do excelente western psicológico "Almas em Fúria" (The Furies), de Anthony Mann, 1950, com Bárbara Stanwyck, Wendell Corey, Walter Huston - seu último filme -, Judith Anderson, Gilbert Roland, Thomas Gomez.
O título original se refere ao mito grego das fúrias (divindades infernais) e é o nome do rancho onde se passa toda a trama. As fúrias eram a personificação da vingança, tema principal do filme. No caso, a vingança de uma filha contra o pai.
Teve indicação para Victor Milner ao Oscar de Melhor Fotografia, em preto e branco.

"Chico Buarque, o guri que se fez o idiota político de Sérgio, faz proselitismo sobre a maioridade penal, chafurdando no sangue de inocentes!"

Por Reinaldo Azevedo
Chico Buarque, o velhote de anteontem que pretende ser o eterno guri do pensamento politicamente correto, decidiu posar com uma camiseta contra a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos (foto).
Pfui…
Já foi o tempo em que essa gente ditava a pauta. Hoje, no máximo, faz a cabeça dos que fazem um jornalismo que está fechando as portas porque decidiu virar as costas para a maioria do povo brasileiro.
Eu já me sinto meio velho e passadito até mesmo ao criticá-lo. Chico Buarque, parafraseando um amigo dele, quer "matar amanhã o velhote inimigo que morreu ontem".
Em música, é bom. Em literatura, é uma piada. Em política, é patético.
Eu poderia ser simplista e dizer que é fácil viver em segurança em Paris - média de menos de um homicídio por 100 mil habitantes; no Rio, 33!!! - e ser contra a maioridade penal aos 16 no Brasil. A propósito: em terras francesas, onde mora o burguesote da morte alheia, um assassino pode ser responsabilizado já a partir dos 13 anos - ainda que não seja punido como adulto. Dos 16 aos 18, punir ou não como adulto fica por conta do juiz.
Esse idiota político resolve comer croissant lá para chafurdar no sangue da impunidade aqui. Sérgio Buarque - este, sim, um intelectual, ainda que de esquerda - não se orgulharia da irresponsabilidade do filhote. "Olha aí, é o meu guri, olha aí…"
Mas eu evito a crítica fácil do burguesote deslumbrado. Parece ressentimento; sempre sobra a suspeita de que eu gostaria de estar no lugar dele; de fazer as boas músicas que ele JÁ FEZ ou de escrever os péssimos romances que escreve, com a crítica sempre de quatro para suas facilidades literárias. Ele não sabe nem o que é o paralelismo sintático num período. É de dar vergonha.
Então deixo isso pra lá. A camiseta nada tem a ver com a sua boa vida de parisiense por empréstimo. Decorre apenas de sua preguiça, de sua desinformação, de seus preconceitos ideológicos. Outros, mais pobres e menos talentosos do que ele, pensam a mesma coisa. Porque igualmente ignorantes e mistificadores.
Chico tem de entrar na campanha que vou lançar: "Adote um menor assassino e faça dele um Rousseau". Não que Rousseau fosse grande coisa. Eu lhe daria um chute no traseiro.

Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

"O diabo do PT, no emprego, é bem mais feio do que se pinta"

Por Reinaldo Azevedo
Já que Lula anda com o diabo na ponta da língua, então é o caso de dizer: ele pode ser mais feio do que se pinta. Já vimos ontem aqui que o IBGE aponta o crescimento do desemprego. Agora se tem a notícia de que, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o país fechou 97.828 postos de trabalho no mês passado. É o pior resultado da série histórica, iniciada em 1992.
Dois números dão conta de como isso é ruim:
1: no ano passado, no mesmo mês, haviam sido criados 105.384 empregos;
2: na média das expectativas, esperava-se, neste mês, a criação de 66 mil vagas. Entenda-se: os muito pessimistas apostavam numa queda de 5 mil; os muito otimistas, na criação de 95 mil.
Dito de outro modo:
a: os pessimistas viram fechar 92.828 vagas a mais do que imaginavam;
b: os otimistas estão 192.828 vagas fora da realidade (as 97.828 fechadas e as 95 mil que não foram criadas);
c: quem ficou no meio do caminho apostou num erro de 163.828 vagas.
O diabo do desemprego, Lula, é mais feio do que se pinta. É o diabo do PT.

Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

"Lula e os evangélicos. Ou: O PT consegue ser mais trapaceiro do que o diabo. Ou: Malafaia explica Deus e o diabo a Lula"

Por Reinaldo Azevedo
Eu estou muito bravo com o pastor Silas Malafaia. Por quê? Porque ele roubou um post meu sem querer. Foi mais rápido. Eu explico.
Lula participou de um encontro com sindicalistas e disse que a oposição parece pastor evangélico. Explica-se: segundo o Babalorixá de Banânia, os partidos oposicionistas têm a mania de culpar o governo por tudo, assim como os pastores evangélicos sempre imputariam ao diabo as dificuldades.
Afirmou o pensador: "Os pastores evangélicos jogam a culpa em cima do diabo. Acho fantástico isso. Você está desempregado, é o diabo; está doente, é o diabo; tomou um tombo, é o diabo; roubaram o seu carro, é o diabo"…
É claro que se trata de uma simplificação grosseira, estúpida mesmo, de várias confissões religiosas.
O pastor Silas Malafaia, como já noticiou Lauro Jardim, deu uma resposta exemplar ao chefão petista. Assistam ao vídeo.
Por quê?
E por que eu estou bravo com Malafaia? Porque a resposta que vai acima era o que eu estava destinado a escrever: o mensalão, o petrolão, o dossiê dos aloprados, essas sem-vergonhices todas, não são obras do diabo, mas do PT.
O diabo, Lula, é mais ambicioso e, à sua maneira, mais sofisticado do que o partido. Ele quer almas; o PT quer dinheiro; o diabo quer a renúncia a Deus; o PT se contenta com a adesão de antigos inimigos; o diabo exige uma conversão sincera - é a moral do mal -; o PT se contenta com o apoio dos oportunistas.
Em muitos aspectos, Lula, o PT é muito mais enganador e trapaceiro do que o diabo. É mais vigarista também. O diabo exige a conversão ao mal em troca de benefícios; o PT tenta provar que a lambança é o único caminho virtuoso que pode conduzir ao bem.
O diabo, Lula, que deve ser evitado de todas as formas, consegue ser ainda mais sincero do que o petismo, compreende?
Espero que os evangélicos, de todas as denominações, tenham entendido o que Lula realmente pensa sobre sua fé.

Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

Ironia de Lula contra pastores respondida por Silas Malafaia

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Visão de "Houdini - O Homem Miraculoso"



Na noite desta sexta-feira, 22, a visão em DVD, mais um da coleção, de "Houdini - O Homem Miraculoso" (Houdini), de George Marshall, 1953, com Tony Curtis (03.06.1925-29.09.2010) e Janet Leigh (06.06.1927-03.10.2004) - primeiro filme com os dois juntos, casados havia dois anos.
Drama biográfico sobre o ilusionista Harry Houdini (Curtis) desde quando se apresentava em parque de diversões, onde conheceu Bess (Leigh). Logo eles se casaram, mas após um ano ela estava cansada de não ver o talento do marido reconhecido e o convence a aceitar um emprego em uma fábrica de fechaduras em Nova York. Houdini estava infeliz e, quando ganha como prêmio por ter saído de uma camisa de força, uma viagem para a Europa para uma pessoa. Bess troca o bilhete por duas passagens só de ida. Na Europa, ele começa a ganhar fama ao fugir de uma cela da Scotland Yard, em Londres. Seu prestígio se espalha então por todo o continente. Ao voltar para Nova York ninguém lhe dá atenção, então ele faz exibições para atrair o público e consegue ser respeitado no seu país. Mas, os seus números vão se tornando cada vez mais perigosos e Bess teme que algo aconteça ao marido.
No filme, os fatos referentes à morte de Houdini foram modificados. Na vida real, ele leva um soco de um fã que o acreditava invencível. No palco, ele morre com o apêndice rompido. No filme, ele morre no palco, nos braços da mulher, durante um número arriscado.
Ainda no elenco: Torin Thatcher, Angela Clarke, Ian Wolfe, Sig Ruman, Michael Pate e Connie Gilchrist.
Na trilha sonora, de Roy Webb, na abertura dos créditos e em outras cenas, a marcha militar americana "The Thunderer", de John Philip Sousa. Também "Perpetual Motion, Opus 257", "Artist's Life", e "On the Beautiful Blue Danube, Opus 314", de Johann Strauss; e a valsa de "The Poet and Peasant Overture", de Franz von Suppé. 

"BRASIL NO HAITI - Mais uma obra genial de Lula: gasto de R$ 1,3 bilhão; ganho militar e político zero, soldados doentes e 130 mil imigrantes miseráveis"

Por Reinaldo Azevedo
Chegará ao fim, ao término de 2016, o que nunca deveria ter começado: a participação brasileira na Missão de Paz da ONU que atua no Haiti. O Brasil chefia a dita-cuja. Não é uma decisão tomada em Brasília. Na verdade, a ONU fará até o fim do ano que vem a retirada total, e, assim, o contingente de 1.343 brasileiros voltará para casa. Até o fim do ano, será reduzido a 850. As informações foram prestadas pelo ministro da Defesa, Jaques Wagner, durante audiência no Senado nesta quinta.
A aventura brasileira no Haiti começou em 2004, naquele esforço buliçoso de Lula para demonstrar que o nosso país havia mudado de patamar no cenário internacional. Aceitar a missão era parte do esforço em favor de um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, o que acabou, como se sabe, não acontecendo. Não fosse o desinteresse das cinco potências em mexer na composição - refiro-me a EUA, Rússia, França, Reino Unido e China -, há a política externa caduca do Itamaraty nos últimos 12 anos.
O que foi que o Brasil ganhou com a ação no Haiti? Resposta: nada! Na verdade, torrou, segundo o ministro, até agora, R$ 2,3 bilhões. A ONU ressarciu R$ 1 bilhão, e o resto foi para o ralo.
E o que fazem os nossos homens no Haiti? Cuidam da paz? Com alguma frequência, tiveram, coitados!, de se meter em guerra entre bandidos comuns e a Polícia Nacional do Haiti (PNH). Uma das missões dos nossos pobres soldados foi pacificar a maior favela de Porto Príncipe. Ou por outra: em terras nativas, os nossos soldados não atuam em favelas; em solo estrangeiro, sim.
O que ganharam as Forças Armadas brasileiras? Tecnologia? Não. Experiência em conflitos internacionais? Não. Respeito do mundo em razão de seu esforço? Ninguém dá bola para o Haiti. Torramos, então, por nada R$ 1,3 bilhão; muitos dos nossos soldados contraíram chikungunya e pusemos o país na rota da emigração em massa de haitianos. Lula mandou mil e poucos soldados para o Haiti, e o Haiti mandou muitos milhares de haitianos para cá. Só neste ano, já entraram, pela rota do Acre, 6.146. O governador daquele Estado, Tião Viana (PT), teve uma ideia para resolver o seu problema: mandá-los para São Paulo.
Desde a crise política que acabou resultando no envio de brasileiros para aquele país, estima-se em pelo menos 130 mil o número de haitianos que entraram no Brasil - a esmagadora maioria chegou por intermédio da rede criminosa que faz tráfico de pessoas.
E esse é o resumo de mais uma ideia genial parida pela mente divinal de Luiz Inácio Lula da Silva. O país torrou R$ 1,3 bilhão, teve um ganho militar e político igual a zero e recebeu 130 mil imigrantes, que vieram compartilhar a vida miserável dos nossos pobres.
Parabéns, Lula! Não é qualquer um que realiza tantos prodígios com uma só estupidez.

Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

Cine-Teatro Santana em 1946

Fachada do Cine-Teatro Santana, em 1946.
Foto: Jornal "Folha do Norte"
Postada no Facebook por Jorge Ferreira

Prefeitura convoca mais 26 para nomeação

Considerando o resultado final do Concurso Público Municipal realizado em 2012, destinado a prover cargos na administração direta, fundacional e autárquica da Prefeitura de Feira de Santana, a Secretaria de Administração está convocando para nomeação candidatos aprovados para os cargos de professor (15), contador (quatro), fiscal de serviços públicos (quatro), especialista em educação (dois), e secretário escolar (um).
O edital de convocação está publicado na edição do semanário "Tribuna Feirense", desta sexta-feira, 22.


"O HOMEM-BOMBA - Pessoa é a esperança de investigação chegar ao Executivo"

Por Reinaldo Azevedo
Um indivíduo provoca pesadelos no PT: Ricardo Pessoa, o dono da UTC Engenharia, apontado pelo Ministério Público como coordenador do suposto cartel de empreiteiras. Ele era também, até outro dia, amigão de Lula. Consta que os meses que passou na prisão abalaram suas certezas sobre essa amizade. E ele estaria disposto a falar. Vai depor na semana que vem, em Brasília, depois de ter feito um acordo de delação premiada, que, por alguma razão, demorou bastante a sair.
A expectativa é que entregue o nome de políticos.
Pessoa já confessou doações ao PT feitas pelo caixa dois e lavadas na forma de contribuições legais. Só em 2014, afirma, doou R$ 30 milhões a candidatos do PT. Contratou ainda os serviços da empresa de consultoria de José Dirceu. À diferença de alguns outros empreiteiros, que já andaram conversando, ainda que indiretamente, com seus antigos parceiros  - sim, eu me refiro aos petistas -, consta que o dono da UTC anda refratário a qualquer tipo de aproximação. Verdade ou não, veremos com o andamento dos fatos.
Consta que Pessoa vai entregar políticos que participaram da lambança. Haverá ainda personagens a revelar? E isso me dá a oportunidade de, mais uma vez, lhes propor uma reflexão.
Você já atentaram para a lista de políticos oficialmente enrolados no petrolão? Com todo o respeito e ressalvando-se uma exceção ou outra, trata-se de uma coleção de mediocridades. Alguns deles não devem ter influência nem no condomínio em que moram. Sim, há gente graúda, como o senador Renan Calheiros (AL) e o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), respectivamente presidentes do Senado e da Câmara. Mas, reitero, são casos excepcionais. E a ironia das ironias: os investigados mais graduados são… peemedebistas.
O que estou a dizer, em suma, é que sempre me causa estranheza que um escândalo dessa magnitude tenha como protagonistas apenas empreiteiros, figuras do Legislativo e ex-diretores da Petrobras. Sim, há um peixão petista: João Vaccari Neto. Mas para por aí. Cadê o Poder Executivo nessa história?
É simplesmente impossível que esquema criminoso tão azeitado não estivesse obedecendo a um comando político ao qual, certamente, toda aquela gente se subordinava. Quem sabe Pessoa seja a esperança de chegar, vamos dizer, ao mandante ou aos mandantes.
Tomara!
Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

Aleluia diz que "Solla precisa explicar ao MP as improbidades de seu tempo na Sesab"



O deputado federal José Carlos Aleluia (Foto: Divulgação), do Democratas, lamentou a postura do ex-secretário de Saúde da Bahia, Jorge Solla, que tenta desviar o foco do Petrolão durante a CPI da Petrobras.
"Jorge Solla como deputado é uma piada de mau gosto com os baianos. A Bahia inteira sabe que sua campanha foi bancada pelo PT para que conseguisse foro privilegiado e não fosse preso pelas irregularidades que cometeu na Sesab. Agora aparece na CPI da Petrobras se esquecendo que o dinheiro de sua campanha veio justamente daí do petrolão", lembrou Aleluia.
Para o democrata, antes de se posicionar como acusador de qualquer coisa, Solla precisa se explicar ao Ministério Público que entrou com uma ação por improbidade administrativa pelo repasse irregular de R$ 39 milhões em "serviços emergenciais" a entidades filantrópicas durante sua gestão. 
Aleluia também lembrou que Solla é o alvo principal do Governo Wagner no Tribunal de Contas do Estado (TCE), que aponta fraudes na contratação de empresas de seus próprios funcionários, bem como uso indevido e suspeito de verba destinada à saúde.
"Deputado de primeira viagem, ele tenta a todo custo aparecer mas se esquece que seu passado na Sesab é mais sujo que pau de galinheiro.  Solla está no chiqueiro procurando sujar os outros", acusou.
Financiamento privado
Defensor do financiamento privado de campanha, Aleluia ressaltou que o principal partido investigado e condenado pelo uso de caixa 2 no Brasil é justamente o PT,  que agora repete a prática através do petrolão. O dinheiro abasteceu a campanha presidencial e o diretório estadual baiano que efetuou dezenas de repasses à campanha do próprio Jorge Solla.
"Sempre deixei claro minha posição em relação ao financiamento privado de campanha e nunca precisei receber um centavo de empresa que não fosse legalmente declarado. Ao contrário do PT que financiou a campanha de seus deputados, inclusive a de Jorge Solla, com dinheiro de propina do mesmo petrolão que hoje Solla finge investigar", acusou.

(Com informações de imprensa.josecarlosaleluia@gmail.com)

Lula debocha de pastores evangélicos

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdeu completamente a noção de limite. Durante uma palestra a sindicalistas na noite de quarta-feira, 20, em um hotel no centro de São Paulo, ele ironizou em tom de deboche os pastores evangélicos por culparem o diabo quando algo está errado.
Ao tentar justificar os erros do governo petista o ex-presidente explicou aos sindicalistas que nas ocasiões em que não é possível atender às reivindicações da categoria a melhor saída é colocar a culpa no governo, passando a ofender os evangélicos.
"Os pastores evangélicos jogam a culpa em cima do diabo. Acho fantástico isso. Você está desempregado é o diabo, está doente é o diabo, tomou um tombo é o diabo, roubaram o seu carro é o diabo", disparou Lula.
Como a plateia foi receptiva ao tom de intolerância promovido pelo ex-presidente, Lula passou a debochar dos dízimos entregue as igrejas. "E a solução também está ali. É Deus. Pague o seu dízimo que Jesus te salvará", disse em tom eloquente, imitando uma pregação religiosa.
Lula aconselhou os dirigentes sindicalistas a assimilar os métodos dos pastores, sugerindo que a culpa pela crise é do diabo. O ex-presidente usou os evangélicos para tentar aliviar o clima de tensão do ambiente, pois os sindicalistas estão pessimistas com os rumos do governo Dilma.
Os que participaram do Seminário Nacional de Estratégia promovido pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) ficaram empolgados com as piadas de Lula sobre os evangélicos.
A ironia de Lula se dá justamente em um momento em que líderes evangélicos conquistam espaço na Câmara dos Deputados presidida pelo evangélico Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Cunha tem pautado grandes derrotas para o governo Dilma com o apoio da bancada religiosa no Congresso. 
Com informações Estadão

Arte Samurai

Enviado por Lilia Campos Assessoria de Comunicação & Eventos Empresariais

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Anúncio em 1956

Anúncio do Guaraná Champagne Antárctica publicado na revista "Cinelândia", em 1956

Filinto Bastos: "Visita à Terra Natal"



"Com a velhice, acentuaram-se certos traços da personalidade de Filinto. Amor a Feira de Santana; exagerada independência; vibração, nervosismo e carinho pelas belas letras. Um dêsses traços foi revelado pelo Prof. Nestor Duarte: 'A fria judicatura que lhe refreava os ímpetos, já castigados pela orientação conservadora de sua crença, do catolicismo filosófico, não mais lhe tolhia os ímpetos e os surtos outros da sensibilidade de professor e do mestre da mocidade. Êsses contrastes, como bem salientou, com humor comovido, um dos seus ilustres filhos, se retratavam fisicamente na fisionomia do juiz sereno, que amortece os excessos e os lampejos, e na do professor e orador, já vibrante e nervoso, a tentar mastigar o bigode, que os dedos agitados repassam e machucam, no instante mesmo em que nele explodem os vivos anseios da liberdade, simpatia humana e franca solidariedade pelas grandes causas e por seus combatidos seguidores'.
Quando de sua temporada na terra de ruas alexandrinas, o impenitente trabalhador investigou a ascendência de Maria Quitéria de Jesus, a heroína da nossa independência, e produziu um dos mais belos estudos sobre a Feira de Santana, em benefício dos melhoramentos da Igreja Matriz a pedido, talvez, da comissão dos festejos da excelsa padroeira da cidade.
Trabalho repassado de profunda saudade. Esculpe o admirável escritor as figuras do seu tempo. E elas passam numa evolução de poeta. Beijo sentido e venerável de um filho órfão que, não podendo oscular a face do que há de mais sacrossanto no mundo, se debruça saudoso sobre a terra de seu berço e sepulcro de seus pais.
Com os olhos tristes e magoados vê o contraste dos seus dias de menino de preto, quando frequentava os cursos do Professor Lupério e Padre Ovídio, e os atuais.
Deseja assistir ao maior espetáculo de sua terra natal, a famosa feira. Desde domingo à tarde, chegavam os sertanejos de todos os pontos vizinhos e mesmo de certos pontos longínquos. Grande tropel de animais pelas estradas de Jacobina, Irará, Santo Amaro, Cachoeira, e de uma infinidade de vilas e logarejos. Lavradores conduzindo produtos de suas roças; criadores açoitando porcos, carneiros, jumentos e cavalos. E, superando os lavradores e criadores, os vaqueiros. Tostados pelo sol, envergando brônzeos fatos, derreados na sela, aboiando nostàlgicamente, desciam os vaqueiros, e, na frente e dos lados, calçando alpercatas de couro crú, vara no ombro, os salta-moitas. No meio dêsses homens, as grandes boiadas de mansos, cançados e gordos bois. Esse mundo de coisas convergia para o Campo do Gado e para a praça da feira.
A cidade, que vivera pacatamente durante seis dias, se transformava. Não mais lojas, vendas e ruas paradas. Intenso borborinho de pedestres e milhares de cavalarianos sob a música de dezenas de carros de bois cantando. A praça da feira atopetada de tudo que o solo produz e o reino animal. Capoeiras atestadas de galinhas, perús aos milhares, pilhas de todas as frutas e verduras e caça da rica fauna. Porém a vida não estava na praça da feira. Estava no Campo do Gado, onde toda a Feira se concentrava no imenso campo arborizado de gigantescas gameleiras. Quatro mil e tantas cabeças de gado vacum, milhares de cavalos e centenas de carneiros. Compradores sem vintém fechando grandes compras de boiadas e a pesada na perna, isto é, calculado o peso matemático sem balança. De quando em quando, desgarrava um boi. Era uma festa na cidade. Vaqueiros e cavaleiros correndo atrás da alimária. Então, toda a Feira se concentrava nesse espetáculo extraordinário. Não só os vaqueiros, como também os filhos da terra, montando fogosos cavalos, disparavam todos no encalço da rês tresmalhada, para ver quem a derrubava primeiro. Passado o movimento, a agitação, o borborinho, tudo voltava à paz.
Filinto Justiniano Ferreira Bastos aspirava tudo aquilo como o mais devotado botânico que tivesse penetrado numa floresta densa e milenar.
E, ao findar do dia, quando o sol pendia para além do Jacuipe e seus reflexos iluminavam a serra de S. José, a praça quase vazia, o juiz se aproximava de um cruzeiro.
Que dizia aquêle cruzeiro do Campo do Gado? Não conhecia o convicto católico centenas de cruzeiros e cruzes espalhadas pela católica Bahia? Entretanto, aquela marcava um fato importantíssimo na vida de Filinto Bastos. Era o cruzeiro erguido no local onde fora enforcado Lucas da Feira, o maior salteador da Bahia. Morreu perdoando e, ao que parece, a hora da execução foi prorrogada, a fim de servir de exemplo ao próximo. Lucas morrera limpo da alma e também dos bolsos, pois, muito embora roubasse vinte anos seguidos, nada se encontrou em seu poder.
O velho juiz volve, novamente à Capital, deixando os extremos tabuleiros de sua infância, cheio de alecrins e candeias perfumosas."
Capítulo do livro "A Justiça Através de um Juiz", de Fernando Alves, editado em 1956 pela S. A. Artes Gráficas. Trata-se de uma biografia. O autor também lançou pela Editora Progresso, "Biografia de Maria Quitéria de Jesus", em 1952.