#vaiterBRT

*

*

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Blog Demais é Top 100

O Blog Demais está exibindo selo de classificação e certificado do Prêmio Top Blog edição 2015
Foram milhares de blogs, sites, fanpages e canais participando  e mais de 300 mil votos computados. Acreditando na relevância que o Top Blog possui para o desenvolvimento dos novos produtores de conteúdo digital no Brasil.

"Lula pediu ajuda a Renan para cooptar senadores"



O ex-presidente Lula pediu "ajuda" ao presidente do Senado, Renan Calheiros, terça (26), para atuar junto a senadores "cooptáveis" pelo governo. Lula dá como certa a aprovação da admissibilidade do impeachment, prevista para o dia 11, com o consequente afastamento da presidente Dilma. Mas sua meta é atingir os 28 votos que o governo precisa para impedir a condenação de Dilma, no julgamento final.
Aposta no caos
Lula aposta no fracasso e na desestabilização do governo Temer, na qual o PT vai se empenhar, para fragilizar o impeachment definitivo.
Aritmética do voto
Com os votos de dois terços (ou 54) dos 81 senadores, Dilma perderá o mandato, no julgamento. Para escapar, precisa de 28 votos contra.
Abstenção pró-Dilma
Lula ficou animado com senadores "independentes" querendo "eleições já". Para ele, o grupo busca só um pretexto para se abster de votar.

Pensando bem...
...crise é tão grave, com o Brasil descendo a ladeira sem freios, que parece uma eternidade esperar 14 dias pela votação do impeachment, em 11 de maio.

Fonte: Cláudio Humberto



Eleições 2016: simule uma votação na urna eletrônica

No próximo dia 2 de outubro, mais de 145 milhões de eleitores irão às urnas para eleger os novos prefeitos e vereadores dos 5.570 municípios do país. Para que o eleitor não tenha dificuldades na hora de votar, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disponibilizou em seu Portal o Simulador de Votação na Urna Eletrônica. Por meio dele, o internauta poderá treinar a votação para os cargos em disputa da mesma forma que ocorrerá no dia da eleição, como se estivesse diante de uma urna eletrônica, que este ano comemora 20 anos.
O software apresenta uma lista de candidatos e partidos fictícios para cada cargo. Na relação constam cinco partidos (Partido dos Esportes, Partido dos Ritmos Musicais, Partido das Profissões, Partido das Festas Populares e Partido do Folclore), cada um com cinco candidatos a vereador e um a prefeito, com seu respectivo vice. Na hora da votação, é possível navegar pelos partidos usando as setas para direita e para esquerda na filipeta de candidatos no alto da imagem da urna.
Antes de votar no simulador, o internauta deve selecionar o primeiro ou o segundo turno da eleição, e pode votar quantas vezes desejar, bastando clicar no link "nova simulação".
O teclado virtual é idêntico ao teclado real da urna eletrônica, contendo, inclusive, as opções para voto em "BRANCO", "CORRIGE" E "CONFIRMA". Até o sinal sonoro emitido pelo simulador após a confirmação do voto é idêntico ao som emitido pela urna eletrônica.
Como votar
Para votar no simulador, usando o teclado da urna, que é similar ao do telefone, o internauta deve digitar o número do candidato de sua preferência. Na tela, aparecerão a foto, o número, o nome e a sigla do partido do candidato. Se as informações estiverem corretas, basta apertar a tecla verde "CONFIRMA".
Se não aparecerem na tela todas as informações sobre o candidato escolhido, o internauta pode corrigir o voto, apertando a tecla laranja "CORRIGE", e, então, repetir o procedimento anterior.
Para votar em branco, basta selecionar a tecla "BRANCO" e confirmar o voto apertando a tecla verde "CONFIRMA".
Caso o internauta digite um número de candidato ou de partido inexistente e, em seguida, apertar a tecla verde "CONFIRMA", ele anulará o seu voto.
Após o registro do voto para todos os cargos a urna emitirá um sinal sonoro mais intenso e prolongado e aparecerá na tela a palavra FIM.
Acesse aqui o Simulador de Votação na Urna Eletrônica.
Veja aqui a lista de partidos e candidatos fictícios.
Fonte: http://www.tse.jus.br/

Dilma e o pecado original

A Bíblia diz: "Por intermédio de um só homem entrou o pecado no mundo, e a morte por intermédio do pecado, e assim a morte se espalhou a todos os homens, porque todos tinham pecado" (Romanos 5: 12).
Assim, o pecado original foi a desobediência de Adão e Eva, que afetou todas as gerações até os nossos tempos.

Agora, vem a presidente Dilma Rousseff afirmar o contrário, com o impeachment iminente. "Esse processo tem um pecado original. O pecado original é o presidente da Câmara. Por que ele é o pecado original? Vou explicar por que. O presidente da Câmara queria fazer jogo escuso com o governo." 

"Uma carta sobre Marcela, bela, etc, etc"

Por Percival Puggina
(Transcrevo resposta a uma mensagem que recebi de leitora (1) com críticas ao meu anterior artigo sobre reações feministas à matéria em que a revista Veja ocupou-se da esposa do vice-presidente da República.)
Prezada senhora. Agradeço sua mensagem. Devo dizer que o artigo que escrevi sobre o assunto foi curtido por quase 500 pessoas. Quarenta e oito por cento, mulheres. Portanto, a leitura que a senhora faz dos fatos não é mais do que uma opinião em torno da qual há divergências substanciais.
Detalho um pouco mais, aqui, meu entendimento. A matéria da Veja é irrelevante, de interesse apenas para quem tem curiosidade sobre a vida das celebridades. Não me parece que, ao finalizar dizendo que Temer é um homem de sorte, a revista ou a jornalista Juliana Linhares estejam sinalizando o estilo de vida que dona Marcela escolheu como algo a ser afirmado como padrão. Até porque, sendo a autora jornalista da Veja, estaria, ela mesma, se excluindo do suposto padrão que a senhora e outros quiseram encontrar nas entrelinhas de seu texto.
Quanto ao mais, o estilo de vida que dona Marcela escolheu para si é algo que diz respeito a ela e à família dela. Fazê-la objeto de uma saraivada de críticas como percebi, consultando posts aqui e ali (e foram ignoradas no seu comentário), é uma coisa sem sentido que me parece não encontrar de parte dela conduta correspondente. Muitas feministas querem o direito de viver como bem entendem e se escandalizam com a vida que Marcela escolheu... Paradoxo! E esse paradoxo foi um dos pontos que sublinhei em meu artigo.
Por outro lado, quando feministas criam movimentos e promovem ações públicas, sujeitam-se ao crivo da opinião alheia. Ações externas, manifestações de rua, conteúdos publicados nas redes sociais, perdem o caráter privado e íntimo que impediria outras pessoas de expressar suas próprias compreensões sobre tais pautas. Foi no uso desse direito que escrevi o artigo que a desagradou. E seu desagrado é tão legítimo quanto a discordância que expressei. Sem pretender uma erudição que não tenho, cito a conhecida frase de Terêncio: "Nada humano me é estranho". Um dos equívocos do feminismo é esse que a senhora comete quando pretende que apenas as mulheres possam opinar sobre questões femininas.
O mal-estar causado pela matéria da Veja só pode ter três motivos: 1) má interpretação do sentido geral texto, algo que uma releitura talvez retifique; 2) rejeição política à revista e ao marido da senhora em questão; e 3) teimosa recusa à obviedade expressa na frase final da matéria: "Temer é um homem de sorte". Ora, negar isso é negar uma evidência. Temer é um homem de sorte, sim senhora. Quem dirá que não, sem avançar em devaneios despidos de comprovação sobre a vida íntima do casal?
Quem escreve se vale do que aprendeu e eu aprendi, vendo e lendo, que há um projeto em curso no Ocidente, atacando, por todos os flancos, os valores da civilização. O projeto revolucionário ganhou multiplicidade de formas e se concentrou em atacar a resistência cultural que o Cristianismo lhe opunha. Entre incontáveis manifestações desse fenômeno sociológico e político contemporâneo, sublinho: os ataques frontais ao Cristianismo e à instituição familiar, a vulgarização da sexualidade, o tipo de ensino ideologizado que é levado aos jovens, a manipulação da história, as políticas de gênero e excessos da agenda gay, a supressão dos símbolos religiosos em espaços públicos, aberrações como a promovida para afrontar a Jornada Mundial da Juventude e a levada a efeito por alunas do ICH da UFPel em outubro passado, a vulgarização do uso de drogas, o desrespeito à propriedade privada, as rupturas da ordem e o emprego da violência em atos públicos, a tolerância para com a criminalidade, e, claro, os excessos do feminismo que, de um salto, vai da justa defesa da igualdade para o total desvario das condutas.
Tudo isso serve a um mesmo objetivo - fragilizar os valores cristãos, apagar a sã filosofia, criar um novo Direito para um projeto social e político revolucionário que, sem exceção, fracassou em todas as suas experiências históricas. Não estou vendo fantasmas. Simplesmente estou vendo.
Assim, se a senhora encontra nos seus círculos de relações dissensos em relação às posições que defendo, nada há de surpreendente: essas pautas são, mesmo, controversas. No entanto, como afirmei acima, eu sei que há, entre todas, um traço comum. Há o ataque e há a defesa de valores que muito prezo, para o bem de meus filhos, sobrinhos e netos. Como a senhora bem diz, é perfeitamente possível ser isso e não ser aquilo. A provocação que fiz na parte final do meu artigo, mencionando o impeachment, teve um objetivo para mim importante: eu quis lembrar o conjunto da obra a ser protegida. Muitas vezes, as pessoas não se dão conta de que ao perderem de vista o conjunto servem muito bem a quem tem péssimas intenções sobre o todo, vale dizer, a quem tem intenções totalitárias. E o mal que apontei nesta carta infiltra-se e se serve de todas essas pautas.
Cordialmente
Percival Puggina
(1) Bom dia! lamento muito que sua visão de mundo seja ou isso ou aquilo. Informo que tem muitos aquilos e muitos issos. Escrevo sobre sua coluna a respeito da bela, recatada e do lar.... São tantas as mulheres, tantas as trabalhadoras, tantas as provedoras. Qual o interesse da Veja em retratar essa senhora com esses adjetivos? Provavelmente essa senhora tem inúmeras outras qualidades também.... Por que reforçar esses? Você fala na condição de homem. Deixe falar quem sabe do que está falando. Deixe as mulheres falarem. Se feminista ou não, é a nossa opção. Politicamente, temos direito de nos posicionar. Se sim ou não ao impechment, se sim ou não a considerá-lo golpe. Não empacote as pessoas, nem as mulheres. As pessoas não pensam por blocos. Há muitas nuances. A moça tem o direito de ser como quiser... assim como todas as mulheres.... o problema está em empacotar, rotular, enaltecer algumas qualidades..... qual o interesse.... Se você se ofende com a reação da mulheres, é porque é homem. Só uma mulher sabe o que vive, o que sofre e o que precisa enfrentar diariamente.
Fonte: "Mídia Sem Máscara"



O nome Dimas

No Brasil, de acordo com o Censo Demográfico 2010, existem 18.742 habitantes com o nome Dimas - 1.087º em popularidade. Minas Gerais é o Estado com mais Dimas - são 3.632.
Na Bahia, são 885 pessoas com este nome. 
Em Feira de Santana, são 31 Dimas.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Filmes em Exibição no Orient Cinemas Boulevard


LANÇAMENTO MUNDIAL
CAPITÃO AMÉRICA: GUERRA CIVIL (Captain America: Civil War), de Anthony Russo e Joe Russo.Com Chris Evans, Robert Downey Jr., Scarlett Johansson, Jeremy Renner, Don Cheadle e Marisa Tomei. Ação e ficção-científica. Steve Rogers, o Capitão América, é o atual líder dos Vingadores, supergrupo de heróis formado por Viúva Negra, Feiticeira Escarlate, Visão, Falcão e Máquina de Combate. O ataque de Ultron fez com que os políticos buscassem algum meio de controlar os super-heróis, já que seus atos afetam toda a humanidade. Tal decisão coloca o Capitão América em rota de colisão com Tony Stark, o Homem de Ferro. Não recomendável para menores de 12 anos. Duração: 146 minutos. Horários: 14h40 e 17h40, com cópia dublada, e às 20h40, com cópia legendada. Sala 4 (261 lugares).
CONTINUAÇÕES
BATMAN VS. SUPERMAN: A ORIGEM DA JUSTIÇA (Batman Vs. Superman: Dawn of Justice), de Zack Snyder, 2016. Com Ben Affleck, Henry Cavill, Gal Gadot, Amy Adams e Jesse Eisenberg. Ação, aventura e fantasia. Temendo as ações não controladas de um super-herói, o vigilante de Gotham City assume o papel de salvador de Metrópolis, enquanto o mundo argumenta sobre o tipo de herói que precisa. E enquanto Batman e Superman estão em guerra, uma nova ameaça surge. Em sexta semana. Não recomendado para menores de 12 anos. Duração: 151 minutos. Horários: 14h50 e 17h50, com cópia dublada, e às 20h50, com cópia legendada. Sala 1 (240 lugares).
O CAÇADOR E A RAINHA DO GELO (The Huntsman: Winter's War), de Cedric Nicolas-Troyan, 2016. Com Chris Hemsworth, Charlize Theron, Jessica Chastain e Emily Blunt. Ação e aventura. A Rainha Ravenna governa com justiça até o dia em que sua irmã Freya dá à luz uma menina destinada a retirá-la de seu posto de mais bela do reino. Irada, ela assassina a criança, mergulhando sua irmã em uma profunda depressão. Anos mais tarde, ao saber da morte de Ravenna, Freya decide ir em busca de seu espelho mágico. Só que Ravenna ressuscita e caberá à Rainha do Gelo e aos rebeldes Erik e Sara lutarem contra os poderes malignos da vilã. Em segunda semana. Não recomendável para menores de 12 anos. Duração: 114 minutos. Horários: 14 horas, 16h20 e 18h40, com cópia dublada; e às 21 horas, com cópia legendada. Sala 2 (158 lugares).
EM NOME DA LEI, de Sergio Rezende, 2016. Com Mateus Solano, Paolla Oliveira e Chico Diaz. Ação. Vitor é um jovem juiz federal recém-chegado na cidade de Fronteira, disposto a desmontar um esquema de contrabando e tráfico de drogas na região. Para prender Gomez, ele vai contar com a ajuda da procuradora Alice, por quem se apaixona, e da equipe do policial federal Elton. Em segunda semana. Não recomendável para menores de 14 anos. Duração: 117 minutos. Horários: 18h50 e 21h20. Sala 3 (165 lugares).
MOGLI: O MENINO LOBO (The Jungle Book), de Jon Favreau, 2016. Com Neel Sethi. Animação e live-action. Mogli é um menino criado por lobos. Ele sente que não é mais bem-vindo na floresta quando um tigre, que carrega cicatrizes causadas por caçadores, promete eliminar o que ele considera uma ameaça. Forçado a abandonar o único lar que conhece, Mogli embarca em uma jornada, guiado por uma pantera e por um urso. Cópia legendada. Em terceira semana. Não recomendável para menores de 10 anos. Duração:105 minutos. Horários: 14h10 e 16h30. Sala 3.
ENDEREÇO E TELEFONES
Orient Cinemas Boulevard - Multiplex do Boulevard Shopping, telefax 3225-3185 e telefone 3610-1515 para saber informações sobre programas e horários.
(Com informações do Departamento de Marketing de Orient Cinemas)

Mudanças na Assessoria de Comunicação da Uefs



A partir da próxima segunda-feira, 2 de maio,  a Assessoria de Comunicação (Ascom) da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) será gerida pela comunicóloga Adriana Sobrinho Teixeira, profissional da área de Relações Públicas.
"Agradecemos a colaboração dos colegas profissionais de imprensa, de amigos e da comunidade da Uefs nesses quase 11 anos que estivemos à frente da Ascom e de 16 anos de Instituição", conta Everaldo Góes, que deixa o cargo.
A Ascom continuará a prestar serviços à Uefs e à comunidade externa, contando com os jornalistas Assis Freitas, Ísis Moraes, Júlia do Monte e Mila Melo, dos relações públicas Danilo Weber e Maísa Boa Morte, dos repórteres-fotográficos Bernardo Bezerra e Edvan Barbosa, do radialista e administrador Carlos Santos Silva e do design Dan Souza, que auxiliarão Adriana Teixeira neste desafio.
(Com informações de Everaldo Góes, da Assessoria de Comunicação Social da Uefs)

"Embaixadas do Brasil não apregoam 'golpe"'




Perde força no exterior a alegação de "golpe" no impeachment da presidente Dilma. Nenhuma embaixada brasileira no exterior recebeu instruções para difundir a versão petista junto aos governos onde representam o Brasil, tampouco junto a veículos de comunicação desses países. O próprio ministro Mauro Vieira (Relações Exteriores) tem mantido silêncio sobre o tema, em conversações no exterior.
Protocolar
Na Unasul, entidade dos países do continente, sábado (23), em Quito, Mauro Vieira só abriu a boca para felicitar a presidência da entidade.
Falando sozinho
Apenas o aspone Marco Aurélio Top-Top Garcia tomou a palavra em Quito para "denunciar o golpe no Brasil". Ninguém lhe deu atenção.
Balão de ensaio
Top-Top Garcia disse na Unasul que Dilma "cogita invocar a cláusula democrática". Foi avisado que se o Brasil fizesse isso, seria derrotado.
Não se aplica
A "cláusula democrática" pune países que sofram ruptura institucional. Não é o caso do Brasil, já rechaçou o Itamaraty por seu porta-voz.
Fonte: Claudio Humberto

Normas de conduta da Administração e dos agentes públicos em ano eleitoral

Decreto Normativo assinado pelo prefeito José Ronaldo e publicado na edição desta quarta-feira, 27, do "Diário Oficial Eletrônico do Município de Feira de Santana", dispõe sobre normas de conduta, nos anos eleitorais, da Administração direta, indireta ou fundacional, e dos agentes públicos. O prefeito considera a necessidade de evitar a prática de condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos no pleito eleitoral e em obediência à legislação
Art. 1º - São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais:
I – ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à Administração direta ou indireta do Município, ressalvada a realização de convenção partidária, esta última prevista no art. 8º da Lei Nº 9.504/97;
II – usar materiais ou serviços, custeados pelos governos ou casas legislativas, que excedam as prerrogativas consignadas nos regimentos e normas dos órgãos que integram;
III – ceder servidor público ou empregado da Administração direta ou indireta municipal do Poder Executivo, ou usar de seus serviços, para comitês de campanha eleitoral de candidato, partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou o empregado estiver licenciado;
IV – fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, partido político ou coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo poder público;
V – nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex officio, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito, a partir de 2 de julho de 2016 até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvadas: a) a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; b) a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até 5 de julho de 2016; c) a nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do chefe do Poder Executivo;
VI – a partir de 2 de julho de 2016 até 2 de outubro de 2016:
a) receber pelo município recursos estaduais e/ou federais, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para a execução de obra ou serviço em andamento e com cronograma prefixado, e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública;
b) com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos ou das respectivas entidades da Administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral;
VII – realizar, no primeiro semestre de 2016, despesas com publicidade dos órgãos públicos ou da respectivas entidades da Administração indireta, que excedam a média dos gastos no primeiro semestre dos três últimos anos antecedentes, quais sejam, 2013, 2014 e 2015;
VIII – fazer, na circunscrição do pleito, revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição, a partir de 5 de abril de 2016 até a posse dos eleitos;
§ 1º - Reputa-se agente público, para os efeitos deste decreto, quem exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nos órgãos ou entidades da Administração Pública direta, indireta ou fundacional.
§ 2º - No ano em que se realizar eleição, fica proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior, casos em que o Ministério Público poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa.
§ 3º - Nos anos eleitorais, os programas sociais de que trata o parágrafo anterior não poderão executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por esse mantida.
Art. 2º - A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.
Art. 3º - A partir de 2 de julho de 2016, na realização de inaugurações é vedada a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos.
Art. 4º - É proibido a qualquer candidato comparecer, a partir de 2 de julho de 2016, a inaugurações de obras públicas.
Parágrafo único - Fica vedada nas inaugurações de obras públicas, onde seja permitida a participação de pré-candidatos, a fixação ou propagandas destes, bem como a utilização da palavra com pedidos de votos ou qualquer referência às próximas eleições.
Art. 5º - Fica proibido aos profissionais da área médica, vinculados ao município, quando do atendimento dos munícipes, fazer qualquer menção a candidaturas, solicitar votos ou efetuar qualquer promessa com fins eleitorais.
Art. 6º - Fica proibido a qualquer profissional da área de educação, nas escolas públicas do município, promover reuniões com fins eleitorais dentro dos estabelecimentos de ensino, bem como suspender as aulas ou liberar os estudantes para participarem de eventos políticos, salvo os casos com expressa autorização em Lei Federal.
Art. 7º - Fica proibido aos servidores públicos da administração direta e indireta lotados neste município dar, oferecer ou prometer bens ou vantagens ao eleitor para obtenção e votos.
Art. 8º - Fica proibido a qualquer servidor, em horário de expediente, participar de evento político ou usar qualquer indumentária ou espécie de propaganda de candidato.
Art. 9º - Fica proibida aos servidores da limpeza pública a utilização, durante a jornada de trabalho, de qualquer espécie de propaganda de candidato.
Art. 10 - Fica proibida a distribuição e afixação de qualquer material de propaganda eleitoral nas dependências de qualquer prédio público pertencentes ao município.
Art. 11 - O agente público que tiver ciência de alguma irregularidade deverá, imediatamente, providenciar a retirada do material irregular, bem como identificar o infrator e comunicar tal fato à administração, para que possa tomar as providências cabíveis.
Parágrafo único - Detectada a qualquer tempo as irregularidades constantes neste Decreto, a autoridade notificará o servidor, por intermédio de sua chefia imediata, para apresentar defesa, cujo processo administrativo disciplinar se desenvolverá nos termos da legislação vigente, respeitado o contraditório e a ampla defesa.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Falecimento de Zé Pinto

"Lamentamos profundamente o falecimento, nesta terça-feira, do ex-vereador José Ferreira Pinto, Zé Pinto (Foto: Blog Por Simas)". Assim, o prefeito José Ronaldo registra em sua página no Facebook a morte do conhecido homem público. 

"Que Deus possa confortar os familiares neste momento de luto e dor", estimou.

O velório ocorre na Pax Cristo Rei, na rua Arnold Silva, Kalilândia, e o sepultamento se dará nesta quarta-feira, no Cemitério Piedade, às 15 horas.
 

Quem era
Zé Pinto foi aluno do Colégio Santanópolis, para onde foi levado depois de aprender as séries iniciais. Além de Científico e Contabilidade, fez curso prático de Farmácia, em Salvador. Ele foi balconista das Casas Pernambucanas. Com a implantação do sistema de transporte coletivo, conseguiu emprego de cobrador, de onde surgiu a idéia de criar um sistema de transporte alternativo, inicialmente com Kombi e depois com micro-ônibus, sendo o pioneiro no setor, em 1962.
Em 1967, adquiriu a Farmácia Pinto, situada na avenida Senhor dos Passos, que perdurou até 1981. Foi também proprietário da Lanches Pigale.
Entrou na política e por seis vezes exerceu o mandato como vereador. Seu primeiro mandato foi de 1967 a 1982, quando atuou com 1º secretário. Como presidente da Câmara Municipal, exerceu o cargo de prefeito por várias vezes substituindo João Durval e, posteriormente, José Falcão da Silva.
Na Câmara teve uma atuação profícua, criando projetos como o que introduziu as bandeiras do Brasil, da Bahia e de Feira de Santana; e o que apresentou o slogan para abertura dos trabalhos da Câmara: “Sob a proteção de Deus iniciamos os nossos trabalhos...”.
Foi diretor de diversos órgãos públicos e de setores da sociedade organizada: presidente da Liga Feirense de Esportes (1964); diretor do Cerin - 2ª Região Administrativa, por quatro anos; era membro do Rotary Club Feira-Leste.
Recebeu honrarias como comendador da Ordem do Mérito de Feira de Santana; Comenda Maria Quitéria; Comenda Vereador Dival Figueredo Machado; Título de Sócio Paul Harris do Rotary International; Medalha do Supremo Conselho do Brasil para o O.R.E.A.A; Medalha de Grande Benemérito do Lyons Club.
Tem seu nome homenageado na Sala de Finanças da Câmara e em Colégio Estadual, no bairro Campo Limpo.
Casou-se primeiras núpcias com a professora Bernadete Maria Rodrigues Leite Pinto, com quem teve quatro filhos: José Ângelo, José Filho, Ângela Virgínia e Rita dc Cássia. Tem outros filhos:
Isaura Gabriela, Ângelo Gabriel e um adotivo, Thomas Adrian.
"Zé Pinto foi uma personalidade que deu grande contribuição para o crescimento de Feira de Santana", encerrou José Ronaldo.
Fonte: Página no Facebook do Prefeito José Ronaldo

78ª edição da Micareta

A primeira Micareta de Feira de Santana se deu em 1937. De lá para cá, esta de 2016 seria a 80ª edição. Mas como a festa deixou de ser realizada em dois anos (nos anos 40 pela Segunda Guerra Mundial, e nos 60, pela Revolução), esta é a 78ª edição da festa. Quem não tem memória ou não sabe fazer contas - não é a diminuição de 1937 para 2016, sim a contagem ano a ano - está dizendo que é a 77ª ou 79ª edição.

Aleluia: "Rui, deixe de politicagem e governe a Bahia"

"O governador Rui Costa deveria se dedicar mais a governar a Bahia do que a fazer politicagem com insinuações caluniosas e difamatórias ao vice Michel Temer numa tentativa desesperada de proteger a presidente Dilma Rousseff", diz o deputado federal José Carlos Aleluia, reagindo aos ataques gratuitos do governante baiano ao vice-presidente da República.
"Como é que um governador de Estado ignora a Constituição Federal e, sem um mínimo de escrúpulo, fica a fazer acusações levianas na imprensa?", indaga Aleluia. O presidente estadual do Democratas assinala que o processo de impeachment da presidente Dilma segue o previsto na Lei Magna e cumpre o rito determinado pelo Supremo Tribunal Federal.
"Parece que o senhor Rui Costa quer transformar a Bahia na última trincheira de uma organização criminosa que arruinou o país numa crise econômica sem precedentes e instituiu a corrupção como política de governo", afirma Aleluia, destacando que o intento do governador petista não será alcançado.
"A história da Bahia é marcada pela luta em defesa do Brasil, senhor Rui Costa. Foi aqui, com o sangue dos baianos, que a independência nacional se consolidou no dia 2 de Julho de 1823, quando expulsamos os últimos déspotas portugueses de nosso território. Não seremos  agora o refúgio daqueles que não querem respeitar a Constituição Federal nem a vontade popular", assevera Aleluia.

(Com informações de ascom.democratas.bahia@gmail.com)

Oftalmologista feirense premiado em Congresso de Retina e Vítreo



O oftalmologista feirense Rafael de Andrade Leal ganhou o Prêmio Christiano Fausto Barsante Santos no 41º Congresso Brasileiro de Retina e Vítreo, realizado no Mendes Convention Center, em Santos, entre quinta-feira, 21 e sábado, 23.
Especialista em retina, ele apresentou o trabalho "Retirada de Corpo Estranho Intra Ocular", junto com os oftalmologistas Arnaldo Bordon e Natália Abujamra.
Rafael é filho do advogado Ruy Sandes Leal.

Trailer de "Capitão América: Guerra Civil"


Assista
Trailer do filme de ação e ficção-científica "Capitão América: Guerra Civil", que tem lançamento mundial nesta quinta-feira, 28, no Orient Cinemas Boulevard. 

Lançamento mundial de "Capitão América: Guerra Civil"

Mais um filme do Universo Cinemático da Marvel, "Capitão América: Guerra Civil" tem lançamento, - mundial -, nesta quinta-feira, 28, no Orient Cinemas Boulevard, a sessão da noite com cópia legendada, às 20h40. Na matinê, às 14h40 e 17h40, com cópia dublada. Para quem não curte Micareta, trata-se de uma boa pedida.
Com ação, aventura e ficção-científica, a trama se passa depois dos eventos de "Vingadores: Era de Ultron", de 2015. Steve Rogers, o Capitão América, lidera o recém-formado grupo de Vingadores em seus esforços contínuos para proteger a humanidade. Mas após um incidente com danos colaterais, aumenta a pressão política para instalar um sistema de responsabilização, comandado por uma agência do governo para supervisionar e dirigir a equipe. O novo status quo divide os Vingadores, resultando em duas frentes - uma liderada pelo super-herói e seu desejo de que os Vingadores se mantenham livres para defender a humanidade sem a interferência do governo, e a outra que segue a surpreendente decisão de Tony Stark, o Homem de Ferro, de apoiar a responsabilização e supervisão do governo. Prepare-se para escolher um lado e se juntar à ação ininterrupta, agora em duas frentes.

A direção é dos irmãos Anthony e Joe Russo. No elenco: Chris Evans, Robert Downey Jr., Scarlett Johansson, Jeremy Renner, Don Cheadle e Marisa Tomei, Sebastian Stan, Anthony Mackie, Paul Bettany, Elizabeth Olson, Paul Rudd e Tom Holland, além do indefectível Stan Lee.
O filme de ação e aventuras "O Caçador e a Rainha do Gelo", com Chris Hemsworth (o caçador) e Charlize Theron (a rainha), entra em segunda semana, assim como o filme brasileiro de ação "Em Nome da Lei", de Sérgio Rezende.Também continuam em cartaz, em terceira semana, o filme de animação e live-action da Disney "Mogli: O Menino Lobo"; e em sexta semana o filme ação, aventura e fantasia "Batman Vs. Superman: A Origem da Justiça". 

"STF impedirá Lula na Casa Civil, avalia o Planalto"

Em conversa com a presidente Dilma Rousseff, seus ministros mais leais passaram-lhe a avaliação de que o Supremo Tribunal Federal (STF) deve acatar alegações do ministro-relator Gilmar Mendes e do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para barrar a nomeação de Lula para a Casa Civil por considerar que ficou configurado o "desvio de finalidade", com a clara intenção de dificultar a investigação.
Salvo conduto
A tendência do STF, avalia o Planalto, é considerar que a nomeação objetivou dar a Lula foro privilegiado como se fora "salvo conduto".
Provas de obstrução
O governo soube que provas obtidas pelo MPF, levando Janot a mudar de atitude, indicam que a nomeação de Lula era para obstruir a Justiça.
Mau presságio
O adiamento do julgamento da nomeação e o parecer contrário da Procuradoria-Geral da República acionaram o alarme do Planalto.
Melhor desistir
Jaques Wagner faz prognóstico pessimista, ontem: melhor não contar com Lula na Casa Civil. O ex-presidente pode até desistir.

Fonte: Claudio Humberto

"Antecipar eleição é jogada contra impeachment"

A proposta de antecipar eleições, defendida até por Dilma, representa no governo a admissão de derrota no Senado, no impeachment, e uma jogada para reforçar o discurso favorável a "eleições gerais" de senadores "independentes" que têm em comum o fato de serem ex-petistas, na maioria. O objetivo é manter Dilma no cargo por mais um ano, porque as regras de eleição só podem ser alteradas no ano anterior, e dar a Lula a última chance de ganhar foro privilegiado.
Armadilha
Alguns senadores caíram na jogada. Até o independente Lasier Martins (PDT-RS) passou a defender "eleições gerais", como queria o Planalto.
Futuro incerto
Se a eleição ficar para 2018, como está previsto, Lula pode estar preso ou inelegível, em razão de condenações dadas como certas.
Fonte: Claudio Humberto


segunda-feira, 25 de abril de 2016

Bahia na suplência

Nenhum senador baiano foi eleito entre 21 na tarde desta segunda-feira, 25, como titular para a Comissão Especial do Impeachment que vai analisar as acusações contra a presidente Dilma Rousseff no Senado. 

Entre os 20 suplentes, aparece o nome de Otto Alencar.

"Dilma e seu desamor ao Brasil"

Por Percival Puggina
"A Constituição determina que, para que o impeachment aconteça, é preciso ter crime de responsabilidade. E não tem, contra mim, nenhuma acusação de corrupção." (Dilma Rousseff, em Nova York, dia 22 de abril)

Não sei se resta algum degrau na escada da dignidade do cargo presidencial para Dilma descer e macular ainda mais a própria imagem e a imagem do Brasil. A presidente afirma que não é corrupta, como se a distância entre isso e a santidade fosse vencida numa pedalada de cinco minutos.
Nossa dirigente máxima já cometeu crimes gravíssimos, que hoje habitam, apenas, a zona sombria de sua consciência. Foram anistiados. Ela os cometeu quando pegou em armas para implantar uma ditadura comunista no Brasil. Cometeu-os sabendo que a nação nada queria com sua organização, métodos e ideias. O desrespeito de Dilma ao Brasil e seu povo é, portanto, uma história antiga, só superada mediante robustas mistificações e maquilagem publicitária. O modelo que seguiu na juventude foi proporcionado, patrocinado e orientado pelas tiranias soviética e cubana. Era o que ela pretendia e nunca deixou de pretender, como fica patente cada vez que vai a Havana beijar as mãos sanguinárias dos Castro. Dela nunca se ouviu palavra de arrependimento.
Hoje, ao afirmar que não é corrupta, a presidente objetiva, de um lado, transmitir a falsa ideia de que apenas a corrupção pessoal pode motivar um processo como o que enfrenta. Ora, ainda que não tenha auferido recursos da corrupção, esses crimes, praticados dentro do seu governo, pela equipe sob seu comando e supervisão, ao longo de mais de uma década, proporcionaram a ela e a seu partido a manutenção do poder. Mas Dilma, a exemplo de Lula, nada soube e nada viu. Tudo lhe caiu do céu. Se a corrupção é o crime por excelência no teatro da política, por que tanto desmazelo? Por que tantos corruptos notórios no seu entorno? Por que agasalhar Lula com o cobertor de um ministério, para "usar em caso de necessidade"?
Por outro lado, quanto ao impeachment, Dilma e os seus parecem considerar irrelevante o controle parlamentar sobre a despesa pública. Tal desprezo é próprio de pessoas acostumadas a usarem nosso dinheiro para proveito pessoal ou político! Ignorância pura e simples é que não há de ser. Refresquemos a memória: não foi para estabelecer esse controle que nasceram os parlamentos deliberativos? Não foi principalmente por ele que, em 1215, se revoltaram os barões ingleses redigindo a Magna Carta Libertatum e exigindo do rei João que a assinasse? Estamos falando de um princípio constitucional com oito séculos de vigência! Sua ruptura é grave ofensa ao parlamento e à nação.
Nossa presidente mentiu desbragadamente aos eleitores em 2014; afundou as contas públicas, a economia privada e grandes estatais; fez disparar o desemprego; furou os tetos a respeitar e os pisos a não transpor. Transformou o Palácio em pavilhão de comício e comitê central de seu partido. Vive encapsulada para escapar de vaias e panelaços. Esfarelou seu apoio parlamentar e, em desmedida soberba, quer permanecer assim até 2018.
Acontece que o amor próprio de Dilma contrasta com seu desamor ao Brasil. Ele estava presente nos tempos da clandestinidade, no internacionalismo inerente ao comunismo, no desapreço às nossas raízes e à nossa história, na sempre ardilosa construção da luta de classes e no conceito da Pátria Grande, falsamente bolivariana e verdadeiramente comunista, urdida nos conluios do Foro de São Paulo e da Unasul.
Dia 22, em Nova Iorque, esse desvario chegou ao cúmulo de sugerir sanções do Mercosul e da Unasul ao Brasil caso seu impeachment avance. Nossa presidente repete Luís XV: "Depois de mim, o dilúvio!". Afoguemo-nos todos. As recentes manifestações de Dilma no palco internacional correspondem ao item 7 do art. 9º da Lei dos Crimes de Responsabilidade: "Proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo". Ou não?
Fonte: "Mídia Sem Máscara"

"PT não entregará obras bilionárias prometidas"


Se aprovado o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Partido dos Trabalhadores (PT) entrará para a História do Brasil como maior case de estelionato eleitoral. Vendida como competente gerente, Dilma não conseguiu fazer deslanchar as principais obras do governo, seja como ministra ou como presidente da República. São incontáveis obras que tiveram aumento de preço no decorrer de sua execução.
Custos excessivos
Somando o trem-bala, a ferrovia Norte-Sul e a Transposição do São Francisco, estão previstos gastos na ordem de R$ 49,3 bilhões.
Transposição imaginária
Inacabada, a transposição passou de R$ 4,58 bilhões para R$ 8,2 bilhões. A previsão de conclusão da obra: 2017.
Custo triplicado
O trem-bala saltou de R$ 12 bilhões para R$ 38 bilhões. O PT criou empresa para cuidar do leilão, que receberá R$ 45,9 milhões em 2016.
Passos lentos
Na Norte-Sul, trecho de Palmas a Anápolis foi inaugurado em maio de 2014. Desde então, serviu para apenas duas viagens de carga.
Fonte: Cláudio Humberto

Charge de Sponholz



domingo, 24 de abril de 2016

Deputados impedem que farsa de golpe prospere na imprensa internacional



A farsa da presidente Dilma Rousseff de tentar convencer a imprensa internacional de que seria um golpe o processo de impeachment foi desmascarada pelos deputados José Carlos Aleluia (Democratas) e Luiz Lauro Filho (PSB-BA). "Se isso é um golpe, como é que ela deixou o país e permitiu que seu vice-presidente cumprisse as obrigações dela?", disse Aleluia em entrevista ao jornal americano 'New York Times', acrescentando: "Os militares estão nos quartéis e, quando ela retornar ao Brasil, ela voltará a ser presidente".
Na reportagem do 'New York Times', assinada pelo repórter Andrew Jacobs e publicada no sábado, 23, é dito que, "durante todo o dia, a presidente (Dilma) foi ofuscada pelos dois deputados, que procuraram contrariar os argumentos dela de que o processo de impeachment é uma ameaça à jovem democracia do Brasil".
Num amplo panorama da passagem de Dilma por Nova York, nos Estados Unidos, na sexta-feira, 22, a matéria do 'Times' destaca pontos de seu pronunciamento na reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) e da entrevista dela concedida à imprensa internacional, sem deixar escapar as reações no Brasil, como a do ministro do Supremo, Dias Toffoli, contra a tentativa da presidente insistir de que o processo de impeachment é golpe.
Na missão oficial da Câmara Federal, cumprida com louvor, os dois parlamentares assistiram ao pronunciamento da chefe de estado brasileiro na reunião sobre meio ambiente da ONU e deram entrevistas a jornalistas de vários países. Aos ingleses da BBC de Londres, Aleluia falou que a presença deles "teve influência na decisão sensata da presidente de não atacar as instituições brasileiras na ONU. Inibimos Dilma". Os deputados retornam ao Brasil nesta segunda-feira, 25.
(Com informações de imprensa.josecarlosaleluia@gmail.com)

"PMDB não entende o apego de Renan a Dilma"



Políticos do PMDB, inclusive aqueles mais leais ao presidente do Senado, não conseguem entender o apego de Renan Calheiros a Dilma Rousseff. Esses amigos têm advertido, de maneira crua, que a presidente "já morreu" politicamente, e que a saída dela é inevitável. Mas Renan parece apostar em uma sorte lotérica: afinal, caso consiga "salvar Dilma", como tem dito a amigos, será dele o bilhete premiado.
Abraço de afogados
Um dos mais leais "renanzistas" do Senado, Romero Jucá (RR) também não entende o "abraço de afogados" de Renan em Dilma.
Alagoas não é
"Há quem ache Renan grato à 'ajuda' de Dilma ao governo do filho", diz Romero Jucá, “mas ela jamais liberou um só tostão para Alagoas".
Xô, Dilma
A posição dos eleitores não explica a extremada lealdade de Renan: pesquisas em Alagoas revelam rejeição a Dilma superior a 80%.
Gostar, não gosta
Renan tem dito que gosta de Dilma. Quem a conhece não gosta dela, como mostraram os votos de ex-ministros favoráveis ao impeachment.
Fonte: Cláudio Humberto

"Dilma é a mais rejeitada em petições na internet"



A presidente Dilma lidera o ranking de petições do site Avaaz que pedem cassação de mandato. Assinaturas pró-destituição da petista já ultrapassam a marca de 1,915 milhão. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), aparece em seguida: mais de 1,5 milhão de assinaturas. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-AL), é o terceiro: mais de 1,291 milhão querem cassar o seu mandato.
Votos caros
O Planalto avalia que a lealdade dos ministros Celso Pansera (Ciência) e Marcelo Castro (Saúde) custou caro demais ao governo: só deram os próprios votos. No PMDB, o placar contra Dilma foi 59x7. Acachapante.
Dá cá, toma lá
Ministros do núcleo duro do governo orientam Dilma a destravar as nomeações para ganhar os votos do Senado. Mas a presidente quer nomear indicados somente após a votação.
Órfão de candidato
Há dirigentes petistas procurando um nome competitivo para disputar a Presidência da República, em 2018. Petistas acreditam que o ex-presidente Lula será abatido em pleno voo pela Operação Lava Jato.
Mentirinha eleitoral
Durante a campanha, Dilma afirmou que faria "um governo muito melhor, principalmente controlando a inflação". No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação oficial é de 9,34%. Quase dois dígitos.
Fim de governo
"Acabou o governo. Insistir em golpe é um desserviço ao Brasil", afirma o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), sobre o discurso petista de golpe. O Supremo já avisou que o impeachment é constitucional.
Número da sorte
Tem tucano proclamando que 13 é o número da sorte do Brasil, porque o PT poderá ter encerrado seu projeto de poder 13 anos depois.
Fonte: Cláudio Humberto

sábado, 23 de abril de 2016

Lembrando Festival do Cinema Soviético no Cine Santanópolis



Em 1966, no Cine Santanópolis, a programação do Festival do Cinema Soviético, com sete filmes de segunda-feira a domingo, um por dia, todos vistos. Foram eles "O Menino e o Sol" (Chelovek Idyot za Solntsem) de Mikhail Kalik, 1963, com Nika Krimnus e Tatyana Bestayeva; "O Segredo de Dois Oceanos" (Ori Okeanis Saidumloeba), de Konstantine Pipinashvili, 1955, com Sergei Stolyarov e Igor Vladimirov; "A Balada dos Cavaleiros" (Gusarskaya Ballada), de Eldar Ryazanov, 1963, com Larisa Golubkina e Yuriy Yakovlev; "O Pai do Soldado" (Jariskatsis Mama), de Rezo Chkheidze, 1964, com Sergo Zakariadze e Vladimir Privaltsev; "A Nave das Velas Escarlates" (Alye Parusa), de Alexandr Ptushko, 1961, com Anastasiya Vertinskaya e Vasily Lanovoy; "Hamlet" (Gamlet), de Grigori Kozintzev, 1964, com Inokentiy  Smoktunovskiy e Anastasiya Vertinskaya (Foto: Reprodução).