Dê este livro - R$ 30,00 - de presente

Dê este livro - R$ 30,00 - de presente
Adquira no Boulevard Shopping (na Cappa Clara Tabacaria), Restaurante Flor do Maracujá (na Kalilândia), bancas Avenida, Cidreira e Status (na avenida Getúlio Vargas), no Espaço Cultural e O Folheteiro (no Mercado de Arte Popular)

Venda antecipada no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada no Orient Cineplace Boulevard
Lançamento em 15 de agosto no Orient Cineplace Boulevard - 11 - 13h20 - 15h40 - 18 - 20h20

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Há 171 anos, Lucas da Feira foi preso depois de ferido a tiro


"Preso, nesta data, o salteador Lucas Evangelista, perante o juiz municipal, Dr. Leovegildo de Amorim Filgueiras, os peritos Symphronio Olympio Bacelar e farmacêutico Victorino J. F. Gouveia procedem a corpo de delito nos ferimentos que apresenta o mesmo salteador."
"Casumba para obter perdão de um homicídio e a prometida recompensa de 4:000$, fere, com um tiro a Lucas, o salteador."
Os fatos ocorreram há 171 anos, em 28 e 24 de janeiro de 1848, respectivamente, como contou Arnold Silva em sua "Crônica Feirense”, no jornal “Folha do Norte”, e está recuperada a narrativa no livro "Memórias: Arnold Ferreira da Silva", de Carlos Mello e Carlos Brito, editado pelo Núcleo de Preservação da Memória Feirense Rollie E. Poppino.
Pouco mais de um ano e oito meses depois, em 25 de setembro de 1849, Lucas da Feira foi enforcado no Campo do Gado (hoje, praça D. Pedro II, a do Nordestino).
Assim, neste 2019, os 170 anos do temível chefe de bando, terror da cidade e região durante 20 anos, um cangaceiro, um bandido violento e cruel, além de estuprador e pedófilo.
Pelos seus feitos criminosos, Lucas tornou-se personagem da literatura, até mitificado, como se fosse um Robin Hood sertanejo, que roubava dos ricos para dar aos pobres. Por ser negro, também virou símbolo de luta contra a escravidão. Ele não merece nem ser lembrado e sim ser esquecido para sempre.

Nenhum comentário: