Dê este livro - R$ 30,00 - de presente

Dê este livro - R$ 30,00 - de presente
Adquira no Boulevard Shopping (na Cappa Clara Tabacaria), Restaurante Flor do Maracujá (na Kalilândia), bancas Avenida, Cidreira e Status (na avenida Getúlio Vargas), no Espaço Cultural e O Folheteiro (no Mercado de Arte Popular)

domingo, 20 de janeiro de 2019

O Dia na História: Há 182 anos


Em 20 de janeiro de 1837, há 182 anos, "Estão nas mãos do coronel Rodrigo Brandão quase todos os cabeças do movimento revolucionário, entre eles, o alferes Baraúna. Não puderam ser capturados, porém, o tenente coronel Manoel Pedro dos Santos Vital e o major Manoel José de Souza."
Fonte: Crônica Feirense, de Arnold Silva, no livro "Memórias: Arnold Ferreira da Silva", de Carlos Mello e Carlos Brito, editado pelo Núcleo de Preservação da Memória Feirense Rollie E. Poppino


sábado, 19 de janeiro de 2019

Trailer de remake de "Dumbo"



Assista ao trailer

Pôster de "Dumbo", divulgado pela Disney
Pôster da animação "Dumbo", de 1941
Fotos: Divulgação

Está passando no Orient Cineplace Boulevar o trailer do remake com atores da clássica animação "Dumbo". Dirigido por Tim Burton, o filme tem lançamento previsto para março de 2019.
A história segue um antigo astro de circo, personagem Colin Farrell, que retorna à tenda depois de voltar da guerra. Lá, ele é encarregado de cuidar de um elefante recém-nascido, que é motivo de chacota no show por causa de suas grandes orelhas.
Eva Green, Michael Keaton, Danny DeVito e Alan Arkin também estão no elenco. A animação original de "Dumbo" estreou em 1941, e ganhou o Oscar de Melhor Música.

Jesus no Cinema no Aprisco


Apresentação de estudo sobre Religião x Cinema feita por Dimas Oliveira durante culto noturno em Aprisco Church, 19 de janeiro de 2016, há três anos.
Imagens e edição: Arivaldo Publio

O Dia na História: Há 111 anos


Em 19 de janeiro de 1908, há 111 anos, "Assume a presidência da Soc. Ph. Victória o maj. Cícero Carneiro da Silva, que já exerceu, há anos, o mesmo cargo."
Fonte: Crônica Feirense, de Arnold Silva, no livro "Memórias: Arnold Ferreira da Silva", de Carlos Mello e Carlos Brito, editado pelo Núcleo de Preservação da Memória Feirense Rollie E. Poppino


sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Dayane Pimentel diz que ainda não conversou com Colbert


Em resposta sobre a especulação veiculada no site "Bahia na Política" de que o PSL poderia assumir uma secretaria no governo do prefeito Colbert Martins, a deputada federal professora Dayane Pimentel, que é a presidente estadual da sigla, diz que seu papel é gerar resultados que beneficiem a população. Mas, afirmou que esta conversa com o prefeito de Feira de Santana não ocorreu.
"Por conta do governo de transição, ainda não tive tempo para dialogar com o prefeito Colbert, mas entendo que ele se mostra muito receptivo ao governo de Bolsonaro.  Se o prefeito busca estabelecer uma gestão com a minha maior participação, será uma satisfação servir ainda mais a sociedade feirense."
"Vários municípios têm buscado atuar junto ao meu grupo e por isso nos convidam a ocupar espaços dentro de suas gestões. O objetivo do PSL é crescer e quando essas alianças forem  positivas ao partido, serão estabelecidas. Quando não for interessante, seja por questão ideológica ou por questão de posição política divergente da nossa atuação, não aceitaremos," disse mais
Dayane Pimentel ressalta também que articulações políticas tem seus momentos para serem executadas e quando for convidada vai dialogar com todos fora da esquerda que se interessarem pelo apoio do PSL.
"Vou conversar com todos que tenham interesse pelo nosso apoio no momento certo. Mas, as movimentações políticas em Brasília exigem minha presença constante neste momento que antecede a posse e para que possa defender com maior eficácia os interesses do povo da Bahia e em especial da nossa querida Feira de Santana, a prioridade é compreender o Congresso Nacional."
(Com informações da Assessoria de Comunicação)


"Lula recebeu dinheiro em espécie de propina da Odebrecht, segundo Palocci"

Informações estão na 1ª delação fechada pelo ex-ministro de Lula e Dilma. Termo de colaboração de 13 de abril de 2018 foi anexado na quinta-feira ao inquérito.


O ex-ministro Antonio Palocci, delator da Operação Lava Jato, relatou entregas de dinheiro em espécie, de propina paga pela Odebrecht, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com Palocci, Lula lhe pedia que não comentasse com ninguém a respeito do assunto.
As informações estão em um termo da primeira delação fechada por Palocci com a Polícia Federal de Curitiba. O depoimento foi prestado em 13 de abril de 2018, e a delação foi homologada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) em junho do ano passado. O depoimento foi anexado na quinta-feira, 17, ao inquérito da PF sobre a Usina de Belo Monte, que tramita em sigilo.
Um trecho da delação diz: "[Palocci] Também se recorda que, dos recursos em espécie recebidos da Odebrecht e retirados por Branislav Kontic, levou em oportunidades diversas cerca de trinta, quarenta, cinqüenta e oitenta mil reais em espécie para o próprio Lula".
O ex-ministro afirmou ter entregue R$ 50 mil ao ex-presidente, dentro de uma caixa de celular, no Terminal da Aeronáutica em Brasília-DF, durante a campanha de 2010. Um ex-motorista de Palocci chamado Claudio Souza Gouveia testemunhou o encontro.
"Em São Paulo, recorda-se de episódio de quando levou dinheiro em espécie a Lula dentro de caixa de whisky até o Aeroporto de Congonhas, sendo que no caminho até o local recebeu constantes chamadas telefônicas de Lula cobrando a entrega", diz um trecho da delação.
Segundo Palocci, essa cobrança do ex-presidente a caminho do aeroporto foi presenciada por outro motorista, chamado Carlos Pocente, que inclusive brincou, perguntando se toda aquela cobrança de Lula era apenas pela garrafa de uísque.
Em resposta, Palocci disse que "era óbvio que a insistência de Lula não era por bebida, e sim pelo dinheiro; que o motorista afirmou ao colaborador que estava brincando e que sabia que se tratava de dinheiro em espécie".
G1 procurou a defesa do ex-presidente Lula e aguarda um posicionamento. Em outras ocasiões, a defesa de Lula disse que o ex-presidente nunca cometeu atos ilícitos. O G1 também tenta contato com as defesas de Branislav Kontic, Emilio Odebrecht e Marcelo Odebrecht e com a empreiteira Odebrecht.
O que disseram os motoristas
Dois motoristas que trabalharam com o ex-ministro Palocci também foram ouvidos pela PF como testemunhas, em agosto do ano passado, no inquérito sobre a Usina de Belo Monte.
Claudio Souza Gouveia disse no depoimento prestado à PF que por diversas vezes levou Palocci até o Terminal da Aeronáutica em Brasília para levar a Lula presentes e outros objetos.
Gouveia recordou que, entre os presentes, estavam caixas de uísque, celulares e canetas. Elas eram entregues por Palocci, que voltava minutos depois ao carro. O motorista, no entanto, declarou que nunca soube as caixas continham efetivamente os produtos.
Ele também disse ter visto o ex-ministro carregando grandes quantidades de dinheiro em espécie. Em algumas oportunidades, Palocci teria dito se tratar de documentos, mas fazia um gesto com os dedos que indicavam ser dinheiro.
De acordo com Gouveia, o ex-ministro tinha pressa ao fazer esses deslocamentos.
Já o motorista Carlos Alberto Pocente afirmou se recordar de um episódio, entre aqueles que envolviam dinheiro, no qual Palocci estava com muita pressa para levar uma caixa de uísque até Lula, no Aeroporto de Congonhas (SP).

Partidos políticos receberam R$ 1,7 bilhão do Fundo Eleitoral em 2018

MDB e PT foram as legendas que receberam as maiores parcelas do montante total
Nas eleições de 2018, 34 dos 35 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebram recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), também conhecido como Fundo Eleitoral. Aprovado em 2017 pelo Congresso Nacional, foi a primeira vez que o Fundo foi utilizado em uma eleição no país. Apenas o partido Novo não participou da partilha dos valores, por uma decisão interna da legenda.
O montante total, no valor de R$ 1.716.209.431,00, foi disponibilizado pelo Tesouro Nacional ao TSE em 1º de junho de 2018. O Tribunal repassou os valores às legendas, respeitando as regras de distribuição estabelecidas pela Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições).
Com direito há pouco mais R$ 230 milhões, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) é a sigla que recebeu a maior parte do Fundo. O Partido dos Trabalhadores (PT) ficou em segundo, com R$ 212,2 milhões; e o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), em terceiro, com R$ 185,8 milhões.
Também acima da casa dos cem milhões estão o Progressistas (PP), com R$ 131 milhões; o Partido Socialista Brasileiro (PSB), com R$ 118,7 milhões; o Partido da República (PR), com R$ 113,1 milhões; além do Partido Social Democrático (PSD), com R$ 112 milhões. De acordo com a legislação, os recursos não utilizados pelas agremiações para os fins previstos na legislação têm que ser devolvidos ao Tesouro Nacional. 
Critérios de distribuição
Os recursos do FEFC somente são disponibilizados pelo TSE às legendas após a definição dos critérios para a sua distribuição, que devem ser aprovados, em reunião, pela maioria absoluta dos membros dos diretórios nacionais de cada agremiação e, posteriormente, informados ao Tribunal. Tais critérios devem prever a obrigação de aplicação mínima de 30% do total recebido do Fundo para o custeio da campanha eleitoral das candidatas do partido ou da coligação.
Em seguida, os órgãos nacionais das legendas devem encaminhar ofício à Presidência do TSE, indicando os critérios fixados para a distribuição do FEFC. O ofício deve estar acompanhado da ata da reunião que definiu os parâmetros, com reconhecimento de firma em cartório da maioria absoluta dos seus membros, de prova material de ampla divulgação dos critérios de distribuição, e da indicação dos dados bancários da conta corrente aberta exclusivamente para a movimentação dos recursos.
Os procedimentos administrativos para gestão e distribuição do Fundo estão previstos na Resolução-TSE nº 23.568/2018. A tabela com o montante total do FEFC pode ser consultada no Portal do TSE.
De acordo com o assessor de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do TSE, Eron Pessoa, a distribuição dos recursos do Fundo Eleitoral para os partidos em 2018 ocorreu dentro do esperado. Segundo ele, os diretórios nacionais das legendas cumpriram o requisito definido em lei para acesso aos recursos, apresentando à Corte os critérios de distribuição do FEFC a seus candidatos.
Outrossim, diz Pessoa, a falta de critérios objetivos na lei que tornassem mais claras as regras para distribuição do FEFC dos partidos para seus candidatos foi um dos principais problemas identificados no ano passado. Essa falta de objetividade, destaca ele, dificulta a fiscalização do TSE.
A forma de repartição dos valores para cada sigla segue quatro critérios diferentes. Do montante total, 2%  são divididos igualmente entre todas as legendas registradas no TSE. Outros 35% são divididos entre os partidos quem têm pelo menos um representante na Câmara dos Deputados, na proporção dos votos obtidos pelos deputados na última eleição. Exatos 48% são repartidos conforme o número de deputados de cada partido na Câmara, e os 15% restantes divididos conforme o número de senadores de cada sigla. 
Fundos Eleitoral e Partidário
O Fundo Eleitoral foi criado pelas Leis nº 13.487/2017 e 13.488/2017, aprovadas pelo Congresso durante a reforma política. Os recursos dele provenientes são utilizados pelos partidos políticos para financiar as campanhas eleitorais de seus candidatos. Com a proibição de doações de pessoas jurídicas estabelecida por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o FEFC tornou-se uma das principais fontes de receita para a realização de campanhas políticas.
Os partidos também contam com outra fonte pública de recursos: o Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, o Fundo Partidário. Os valores dele provenientes são utilizados pelas legendas para custeio de suas atividades ordinárias.
Ele é composto por multas e penalidades em dinheiro aplicadas de acordo com o Código Eleitoral e outras leis vinculadas à legislação eleitoral, e por recursos financeiros que lhes forem destinados por lei, em caráter permanente ou eventual. Também se constitui por doações de pessoas físicas ou jurídicas efetuadas por meio de depósitos bancários diretamente em conta específica destinada a essa finalidade, e por dotações orçamentárias da União em valor nunca inferior, a cada ano, ao número de eleitores inscritos em 31 de dezembro do ano anterior ao da proposta orçamentária, multiplicados por R$ 0,35 (em valores de agosto de 1995).
De acordo com a legislação em vigor, 5% do total do Fundo Partidário são distribuídos, em partes iguais, a todos os partidos que tenham seus estatutos registrados no TSE. Outros 95% do total do fundo são repartidos às legendas na proporção dos votos obtidos por cada uma delas na última eleição geral para a Câmara dos Deputados, respeitados os requisitos de acesso da chamada cláusula de desempenho.
Fonte: http://www.tse.jus.br

Lista com os 50 maiores tomadores de empréstimo do BNDES divulgada

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulga em seu site oficial nesta sexta-feira, 18, uma lista detalhada com os nomes dos 50 maiores tomadores de empréstimos da instituição. As cinco primeiras posições são ocupadas por Petrobras, Embraer, Norte Energia, Vale e Construtora Odebrecht.
O ranking faz parte de uma nova ferramenta de transparência lançada pelo banco. Além dele, foram disponibilizadas informações sobre contratos de exportações brasileiras de engenharia para obras no exterior, principais projetos e empresas sócias.
Conheça os 10 primeiros tomadores de empréstimos do BNDES:
1. Petrobras
2. Embraer
3. Norte Energia
4. Vale
5. Construtora Odebrecht
6. Estado de São Paulo
7. Transportadora Associada de Gás (TAG)
8. Tim
9. Telefônica Brasil
10. Fiat Chrysler
Lista completa neste link
O novo presidente da instituição, Joaquim Levy, já havia anunciado que faria uma série de modificações internas em termos de transparência, afirmando, inclusive, que abriria a "caixa-preta" das operações. O mesmo termo foi citado algumas vezes pelo presidente Jair Bolsonaro, que usou as redes sociais para comemorar o início das transformações. "Ainda vamos bem mais a fundo!", escreveu no Twitter.
Fonte: https://jovempan.uol.com.br

O Dia na História: Há 100 anos


Em 18 de janeiro de 1919, há 100 anos, "Conferência do Dr. Gastão Guimarães, no Grêmio Rio Branco, sobre Jesus."
Fonte: Crônica Feirense, de Arnold Silva, no livro "Memórias: Arnold Ferreira da Silva", de Carlos Mello e Carlos Brito, editado pelo Núcleo de Preservação da Memória Feirense Rollie E. Poppino

Morre ator Gildásio Leite



O ator e diretor Gildásio Leite faleceu na quinta-feira, 17, aos 73 anos. Era natural de Vitória da Conquista.
Formado pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), foi professor e, como ator, participou de montagens de espetáculos que marcaram a historia do teatro baiano como "Um Homem É um Homem", de Bertolt Brecht, com direção João das Neves, em 1974; "A Casa de Bernada Alba", de Frederico Garcia Lorca, com direção de José Possi Neto, em 1974; e "A Morte de Quincas Berro d'Água", com direção de João Augusto.
No cinema, atuou em filmes de diretores que ele admirava: Nelson Pereira dos Santos, Walter Sales e Tuna Espinheira. Realizou filmes como diretor, a exemplo de "Quando Nada Acontece", escreveu roteiros, textos teóricos, criticas de teatro.
Filmografia
2016 Viva o Polvilho Brazyleiro 
2004 Cascalho 
1998 Central do Brasil
1980 J.S. Brown, o Último Herói 
1977 Tenda dos Milagres 
1970 Rebelião dos Brutos
Fonte: IMDb

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Na revista "Manchete", em 1974


Colaboração de Dázio Brasileiro

Mais filmes sobre armas


Outros sete títulos de filmes sobre armas, para promoção de festival nestes novos tempos, com o presidente Jair Bolsonaro assinando  decreto que facilita a posse de armas de fogo pelo cidadão.
"Balas Que Não Erram", de Jack Arnold, 1959, com Audie Murphy
"Com o Dedo no Gatilho", de George Sherman, 1960, com Audie Murphy
"Os Canhões de Navarone", de J. Lee Thompson, 1961, com Gregory Peck
"Arizona Colt", de Michele Lupo, 196, com Giuliano Gemma
"A Hora da Pistola", de John Sturges, 1967, com James Garner
"A Pistola do Mal", de Jerry Thorpe, 1968, com Glenn Ford
"100 Rifles", de Tom Gries, 1969, com Jim Brown

"Sou Carnaval de São Salvador": documentário de feirense


Assista ao trailer

"Sou Carnaval de São Salvador", de Marcos Cavalcante, que é feirense, o mesmo diretor de "Bahêa Minha Vida" (2011), tem lançamento nacional programado para quinta-feira, 24.  Trata-se um longa-metragem documental que tem como tema o Carnaval de Salvador, que é" mais que uma festa, é um estado de espírito.É singular e é plural: são milhões de pessoas que são de verdade Carnava". A festa ganha vida com a voz do ator baiano João Miguel. Foram cinco anos de filmagens (2014, 2015, 2016, 2017 e 2018), num "mergulho profundo para tentar entender o porquê de tanta loucura. Que histeria coletiva é essa? Existe explicação?"
Durante o Carnaval em Salvador, a mídia foca nos trios elétricos e camarotes lotados por personalidades e artistas famosos. No entanto, o diretor Marcio Cavalcante procurou conversar com pessoas anônimas, o povo, que são fundamentais para compor a histeria coletiva que sustenta o Carnaval baiano há anos. Uma pesquisa aprofundada sobre as origens da festa popular que é reconhecida mundialmente pela alegria e simpatia que reproduz durante os quatro dias - ou mais - de duração.
Lembrar que  documentário "Bahêa Minha Vida" recebeu o prêmio de Melhor Filme de Futebol no 30º World FICTS Challenge, realizado entre 14 e 17 de novembro de 2012, em Beijing, na China.

"Renan, não!"

Por Percival Puggina

Só um profundo respeito aos leitores, à democracia e à manifestação da vontade popular expressa no silêncio da urna - seja qual urna for - impede que este artigo inicie com impropérios. Confesso: vontade não faltou. Enfim, Renan Calheiros voltou ao Senado da República e, tão logo renovou o mandato, iniciou campanha para retomar a presidência da Casa.
Reeleito senador, Renan é problema alagoano; eleito presidente do Senado passa a ser problema nacional. Sua eleição ao posto entraria em profunda contradição com o desejo de desinfecção, de saneamento básico, de separação de material orgânico que o povo brasileiro manifestou nas eleições de outubro, e arma poderosa a serviço dos piores interesses que conspiram contra o novo governo.
Não sei quem foi o criador da expressão "extrema imprensa", mas ela é perfeita para designar o coletivo dos meios de comunicação que operam como dedos das mãos e mãos dos braços da esquerda na imprensa nacional. Dado que para ela quem não é de esquerda é de extrema direita, parece adequado designá-la pelo nome de extrema imprensa. Dê, então, uma vasculhada no que tem sido dito pela extrema imprensa a propósito das pretensões do senador Renan. Veja se qualquer desses veículos apresentou algo sobre os 14 inquéritos a que responde o cidadão aspirante ao comando da Câmara Alta. Basta-lhe virar réu em qualquer deles para que, se eleito, volte a ser um presidente do Senado excluído da linha sucessória da presidência da República.
Beira ao escandaloso o fato de que sucessivas eleições e reeleições de Renan Calheiros para exercer o mesmo posto tenham dependido do sigilo do voto de seus colegas senadores, o que aponta o caráter obscuro dessas motivações. É uma espécie de voto inconfessável. Fica chato, pega mal, votar em Renan Calheiros. Sobre tudo cai o silêncio da extrema imprensa, mais preocupada com as visões de uma criança abusada, com a promoção de um funcionário de carreira do Banco do Brasil e temas dessa magnitude institucional.
Parece óbvio que se a extrema imprensa ainda mantivesse o controle do direito de opinião, se a sociedade só ficasse sabendo o que ela escolhe divulgar e só pudesse ouvir as opiniões por ela emitidas, o resultado eleitoral nacional de outubro último teria sido bem diferente. A renovação da cena política brasileira foi possibilitada pelos smartphones e pelas redes sociais, que democratizaram o direito de opinião e deram voz ao povo.
A situação se repete. Se tudo ficar como está, com o noticiário comandado pela mídia extrema, interessada em criar todos os problemas imagináveis ao governo, são grandes as possibilidades de que o senador alagoano presida o Senado pelos próximos dois anos. Somente uma intensa mobilização, ao longo das próximas três semanas, através das redes sociais, poderá evitar a eleição de Renan, constrangendo seus pares a tomarem juízo e vergonha.  #RenanNão
Percival Puggina, membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de "Crônicas Contra o Totalitarismo"; "Cuba, a Tragédia da Utopia"; "Pombas e Gaviões"; "A Tomada do Brasil". integrante do grupo Pensar+.

Outros filmes sobre armas para festival

Mais sete títulos de filmes sobre armas, para promoção de festival nestes novos tempos, com o presidente Jair Bolsonaro assinando  decreto que facilita a posse de armas de fogo pelo cidadão.

"Cinco Revólveres Mercenários", de Roger Corman, 1955, com John Lund
"As Armas do Diabo", de Boris Sagal, 1964, com Charles Bronson
"A Metralhadora Gatling", de Robert Gordon, 1971, com Guy Stockwell
"Magnum .44", de Ted Post, 1973, com Clint Eastwood
"Um Revólver na Mão do Diabo", de Gianfranco Baldanello, 1973, com Robert Woods
"No Rastro da Bala", de James Mottern, 2014, com Ben Barnes
"Sniper Americano", de Clint Eastwood, 2014, com Bradley Cooper

"Tempo ruim para Lula"

Lula recebeu na cadeia um livro de Jean Wyllys.

Sua defesa deveria protestar mais uma vez na ONU.

Festival de animações


O novo ano começou com o lançamento de duas animações - "WiFi Dalph: Quebrando a Internet", nestes dias às 10h50 (sábado, 12), 13h10 e 15h30, e "Dragon Ball Super: Broly", às 11h30 (sábado, 12) e 14 horas - que entram em terceira semana no Orient Cineplace Boulevard.
Na segunda semana, "Homem-Aranha no Aranhaverso", com horários às 10h50 (sábado, 12), 13h20, 15h50, 18h20 e 20h50.
Agora, "Como Treinar Seu Dragão 3" (Foto: IMDb) a partir desta quinta-feira, 17, em lançamento, às 11h20 (sábado, 19), 14h40, 17 horas e 19h20.
Assim, são quatro animações em cartaz. São filmes destinados ao público infantil, principalmente, eles fazem a alegria da criançada, neste período de férias.

Filmes em Exibição no Orient Cineplace Boulevard

Semana até quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

LANÇAMENTOS NACIONAIS
VIDRO (Glass), de M. Night Shyamalan, 2019. Com James McAvoy, Bruce Willis, Samuel L. Jackson, Sarah Paulson e Anya Taylor-Joy. Suspense. O segurança David Dunn passa a perseguir com suas habilidades sobrenaturais Kevin Crumb, um homem perturbado que tem vinte e quatro personalidades. Cópia dublada. Não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 129 minutos. Horários: 16h10 e 21 horas. Sala 2 (158 lugares).
COMO TREINAR SEU DRAGÃO 3 (How To Train Your Dragon: The Hidden World), de Dean DeBlois, 2019. Animação. Soluço e Banguela descobrem seus verdadeiros destinos: chefe da aldeia como governante de Berk ao lado de Astrid e o dragão como líder de sua própria espécie. À medida que os dois ascendem, a ameaça mais sombria que enfrentaram testará os laços de seu relacionamento como nunca antes. Cópia dublada. Classificação: Livre. Horários: 11h20 (sábado, 19), 14h40, 17 horas e 19h20. Sala 4 (261 lugares).
CONTINUAÇÕES

HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO (Spider-Man into the Spider-Verse), de Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman, 2018. Animação. Miles Morales, um jovem negro do Brooklyn, se torna o Homem-Aranha após a morte de Peter Parker. Em uma de suas ações para salvar o mundo, Miles acaba afetando dimensões paralelas, consequentemente atraindo diferentes versões do super-herói para sua própria realidade. Segunda semana. Cópia dublada. Não recomendável para menores de 10 anos. Duração: 116 minutos. Horários: 10h50 (sábado, 12), 13h20, 15h50, 18h20 e 20h50. Sala 1 (240 lugares).
DRAGON BALL SUPER: BROLY (Dragon Ball Super: Broly), de Tatsuya Nagamine, 2018.Animação. Goku e Vegeta encontram Broly, um guerreiro Saiyajin diferente de qualquer lutador que enfrentaram antes. Terceira semana. Cópia dublada. Classificação: Livre. Duração: 99 minutos. Horários: 11h30 (sábado, 12) e 14 horas. Sala 2.
MINHA VIDA EM MARTE, de Susana Garcia, 2018. Com Monica Martinelli e Paulo Gustavo. Comédia. Com a ajuda de sua melhor amiga, Fernanda agora tem que lidar com as vantagens de ser casada, ou talvez solteira. Quarta semana. Não recomendado para menores de 12 anos. Duração: 93 minutos. Horário: 18h50. Sala 2.
WIFI RALPH: QUEBRANDO A INTERNET (Ralph Breaks the Internet: Wreck It Ralph 2), de Rich Moore e Phil Johnson, 2019. Animação. Seis anos após os eventos de “Detona Ealph”, em 2012, Ralph e Vanellope, agora amigos, descobrem um roteador wi-fi em seu fliperama, levando-os a uma nova aventura para recuperar uma peça capaz de salvar o jogo. Terceira semana. Cópia dublada. Classificação: Livre. Duração: 113 minutos. Horários: 10h50 (sábado, 12), 13h10 e 15h30. Sala 3 (165 lugares).
AQUAMAN (Aquaman), de James Wan, 2018. Com Jason Mamoa, Patrick Wilson, Amber Heard e Nicole Kidman. Ação, aventura, fantasia e ficção científica. Arthur Curry descobre que é o herdeiro do reino subaquático de Atlântida e deve dar um passo adiante para liderar seu povo e ser um herói para o mundo. Sexta semana. Cópia dublada. Não recomendado para menores de 12 anos. Duração: 143 minutos. Horários: 17h50 e 20h40. Sala 3.
MÁQUINAS MORTAIS (Mortal Engines), de Christian Rivers, 2018. Com Hera Hilmar, Hugo Weaving e Jihae. Ação, aventura, fantasia e ficção científica. As cidades foram modificadas em suas estruturas e não ficam mais fixas no solo. Instaladas em máquinas gigantescas, as metrópoles se movimentam de um lado para outro num planeta devastado. Os homens que dominam esse maquinário oedenam que as cidades pequenas sejam extintas para repor seus recursos. Cópia dublada. Segunda semana. Não recomendável para menores de 14 anos. Duração: 128 minutos. Horário: 21h30. Sala 4.
ENDEREÇO E TELEFONE
Orient Cineplace Boulevard - Multiplex do Boulevard Shopping, telefax 3225-3185 e telefone 3610-1515, para informações sobre programas e horários.
(Com informações do Departamento de Marketing de Orient Cinemas)

Festa profana não existe há 32 anos


Se ainda ocorresse, a edição 2019 da Festa de Santana seria  iniciada na sexta-feira, 18 de janeiro, com o novenário dedicado à padroeira do lugar na Catedral Metropolitana. Na quinta-feira, 24, a realização da Lavagem. No domingo (Domingo Maior), 27, o término do novenário, e na terça-feira, 29, a vez da Levagem da Lenha, com a procissão sendo efetivada na quarta-feira, 30.
Como se sabe, a Festa de Santana, em seu lado profano, não existe mais, desde que foi extinta, por decreto, há 32 anos, em 1987, pelo então prefeito José Falcão da Silva. São mais de três décadas sem o evento, que acabou por causa da violência, da promiscuidade, da luxúria, da baderna. Não volta mais, inclusive porque tudo isso aumentou. 
Este ano, o ponto maior da festa religiosa, a procissão, será realizada numa sexta-feira, 26 de julho, que é feriado municipal.


O Dia na História: Há 135 anos


Em 17 de janeiro de 1884, há 135 anos, "Noticia 'O Vigilante', periódico há cinco anos editado entre nós, que se está observando um cometa, nesta cidade, à noite, a olhos nus."
Fonte: Crônica Feirense, de Arnold Silva, no livro "Memórias: Arnold Ferreira da Silva", de Carlos Mello e Carlos Brito, editado pelo Núcleo de Preservação da Memória Feirense Rollie E. Poppino

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Visão de musical romântico com Carmen Miranda



Assista ao trailer


Na noite desta quarta-feira, 16, visão da comédia musical romântica "Aconteceu em Havana" (Week-End in Havana), de Walter Lang, 1941.
Um funcionário de empresa de navegação, Jay Williams (John Payne), é enviado para a Flórida, onde um dos navios de cruzeiro está preso em um recife da costa. Ele obtém renúncias de todos os passageiros, com exceção de Nan Spencer (Alice Faye), uma vendedora de uma loja de departamento que quer suas férias logo. Ele é instruído a levar a garota para Havana, Cuba, como compensação, e instalá-la no melhor hotel e mantê-la entretida. Ela visita uma boate onde a atração principal é Rosita Rivas (Carmen Miranda), e conhece seu namorado, Monte Blanca (Cesar Romero). 
Entre as músicas cantadas por Carmen Miranda, a embolada "Rebola a Bola", de Aloysio de Oliveira e Nestor Amaral, com letra de Francisco Eugênio Brant Horta. Ela também canta a música cult cubana "Siboney", de Ernesto Leguona. Alice Faye, John Payne e Cesar Romero, assim como Nacho Galindo também cantam.

Festival de filmes sobre armas


Nos anos 50 e 60, principalmente, os cinemas promoviam frequentemente festivais de filmes. Durante uma semana, a exibição de sete filmes, um a cada dia. 
Em Feira de Santana, no Cine Santanópolis, por exemplo, ocorreram Festival do Cinema Polonês, Festival do Cinema Soviético, Festival de Musicais da Metro, Festival de Filmes de Guerra, Festival de Westerns; no Cine Íris, a realização de Festival do Cinema Francês.
Nestes novos tempos, com o presidente Jair Bolsonaro assinando  decreto que facilita a posse de armas de fogo pelo cidadão, a sugestão para a promoção de festival de filmes sobre armas.

"Colt .45", de Edwin L. Marin, 1950, com Randolph Scott
"Winchester '73", de Anthony Mann, 1950, com James Stewart
"Armado Até os Dentes", de Richard Wilson, 1955, com Robert Mitchum
"A Arma de um Bravo", de Roy Rowland, 1957, com Stewart Granger
"Arma Para um Covarde", de Abner Biberman, 1957, com Fred MacMurray
"O Senhor das Armas", de Andrew Niccol, 2005, com Nicolas Cage
"Armas na Mesa", de John Madden, 2016, com Jessica Chastain

Fragmento da história de Feira de Santana


Fonte: Facebook de Carlos Brito

"Moro expulsa 11 criminosos estrangeiros"

Sergio Moro expulsou do Brasil 11 criminosos estrangeiros.

Terão que deixar o país dois angolanos, dois bolivianos, uma russa, um venezuelano, um colombiano, uma sul-africana, um polonês, um paraguaio e um ganês.
Como diz a 'Folha de S. Paulo', Sergio Moro seguiu o decreto que determina a "retirada compulsória do território nacional" do imigrante condenado por alguns tipos de crimes.
Fonte: https://www.oantagonista.com

Ministério do Meio Ambiente suspende convênios e parcerias com ongs


Estão suspensos todos os convênios e parcerias com organizações não governamentais (ongs) pelos próximos três meses.
O objetivo da decisão do ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente, é levantar quanto foi pago às ongs em 2018. O ministro também determinou que, daqui para frente, tudo o que for relacionado a ongs passe por avaliação dele.
De acordo com o Ministério, com base nesse levantamento, o ministro vai decidir quais convênios e parcerias terão continuidade.
Pela decisão, ficam suspensos por três meses os convênios e parcerias, incluindo termos de colaboração com ongs firmados com os fundos administrados pelo Ministério, também pelo Ibama, ICMbio e o Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
Esses contratos e parcerias do Ministério do Meio Ambiente são nas áreas de recuperação florestal, gestão ambiental e segurança alimentar nas comunidades indígenas, e agroextrativismo.
No início do governo, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória determinando que a Secretaria de Governo monitore e supervisione ongs e organismos internacionais.