Dê este livro - R$ 30,00 - de presente

Dê este livro - R$ 30,00 - de presente
Adquira no Boulevard Shopping (na Cappa Clara Tabacaria), Restaurante Flor do Maracujá (na Kalilândia), bancas Avenida, Cidreira e Status (na avenida Getúlio Vargas), no Espaço Cultural e O Folheteiro (no Mercado de Arte Popular)

Venda antecipada de ingresso no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada de ingresso no Orient Cineplace Boulevard
11 (sábado, 29) - 13 - 15h10 -17h20 - 19h30

Venda antecipada no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada no Orient Cineplace Boulevard
10h30 (sábado, 6) - 13 - 15h40 - 18h20 (dublado) - 21 (legendado)

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Futebol brasileiro é ruim


Copa Libertadores terá final Argentina. Boca Juniors e River Plate vão decidir a maior competição da América do Sul. 
Passaram por Palmeiras e Grêmio, considerados os "melhores" times brasileiros.

Pré-estreias de "Entrevista Com Deus" reúnem artistas e influenciadores no Rio e São Paulo

Filme será exibido a partir de 15 de novembro nos cinemas brasileiros

A 360 WayUp reuniu influenciadores, celebridades de diferentes segmentos, representantes da mídia cristã, líderes católicos e evangélicos em sessões exclusivas para assistirem ao novo longa da Imagem Filmes: "Entrevista Com Deus".
Há poucos dias do lançamento, Rio de Janeiro e São Paulo receberam pré-estreias na segunda-feira, 29, e na terça-feira, 30, respectivamente. No Rio, o evento foi realizado na Barra da Tijuca, e contou com a presença dos atores Luiz Eduardo Toledo e Fernando Sampaio, da Rede Record, o lutador Warlley Alves, os cantores Diego Karter, Mariah Gomes, Rayssa, Cristina Mel, dj Naudão, entre outros. Já em São Paulo, o encontro aconteceu em Tatuapé e quem prestigiou a programação foi a cantora Priscilla Alcântara.
O longa-metragem conta a história do jornalista Paul Asher (Brenton Thwaites), que após conseguir diversos relatos na Guerra do Afeganistão e conseguir alavancar sua carreira, volta para casa com a sensação de que todo o esforço profissional o levou a vivenciar uma crise em seu casamento, que está prestes a ruir. Sem saber o que fazer e na busca por uma grande reportagem, Paul se vê diante do maior desafio da sua vida profissional: uma entrevista com um homem misterioso que diz ser Deus (David Strathairn).
Para o público que assistiu ao "Entrevista Com Deus" em primeira mão, a trama caracteriza-se por trazer um diálogo inteligente, com toques de sarcasmo e respostas surpreendentes. Segundo a cantora Cristina Mel (Foto 2), "esse é um filme que começa meio despretensioso, e depois vai te surpreendendo aos poucos".
"Fiquei muito surpresa com a profundidade deste filme! Um repórter que pensa que vai ter que escrever a reportagem da sua vida, e mal imagina que quem está sendo salvo com amor e salvação é ele; e essa salvação só Cristo pode dar. Um Deus que não nos abandona, mesmo quando estamos enfrentando momentos difíceis e fazemos aquelas perguntas: 'Por que coisas ruins acontecem com pessoas boas?'. Um filme que fala de recomeço, perdão, um filme bem forte e que merece ser assistido duas, três vezes, porque cada vez que você assistir vai descobrir mais desse mistério. Entrevista com Deus, eu recomendo!", complementa Cristina Mel.
(Com informações de Paloma Furtado, da Assessoria de Imprensa)

Bolsonaro participa de culto e diz que "Deus capacita os escolhidos"


Assista ao vídeo

Presidente eleito enfatiza compromisso com "valores da família cristã"

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) participou do culto na Igreja Vitória em Cristo, na noite de terça-feira, 30. Ele subiu ao púlpito acompanhado do pastor Silas Malafaia, líder da igreja e um de seus mais firmes defensores nos últimos meses.
Além de agradecer pela eleição, deu uma palavra breve aos presentes, onde afirmou saber de suas limitações, mas acreditar que "Deus capacita os escolhidos".
"Primeiro, quero agradecer a Deus por estar vivo. Pelas mãos de profissionais da saúde… Deus operou um milagre. Depois, quero agradecer também a Deus por esta missão, porque o Brasil está numa situação um tanto quanto complicada, com crise ética, moral e econômica", afirmou.
"Quero agradecer a este povo de Deus pela confiança depositada em meu nome. E que os senhores e as senhoras podem esperar de mim uma pessoa comprometida com os valores da família cristã", disse. Revelou que tomou a decisão de se candidatar à presidência na época de seu casamento, em 2013, cujo celebrante foi o próprio Malafaia.
Bolsonaro lembrou que seu slogan de campanha, "Conhecereis a verdade e a liberdade vos libertará", de João 8: 32, veio da Bíblia, segundo a ele "a caixa de ferramentas” para consertar o ser humano".
Bastante aplaudido, ele mostrou sua emoção e pediu que as pessoas que oraram pela vida dele agora peçam a Deus para que ele consiga montar uma boa equipe de governo, que tenha "coragem" para tomar as melhores decisões para o país.
Malafaia mandou um recado à imprensa: "O Estado é laico, mas não é laicista". Ressaltou ainda que os problemas do país não serão resolvidos em poucos meses. O pastor também enfatizou que o próximo presidente irá "mudar a história do Nordeste" ao utilizar a tecnologia israelense.
Encerrou declarando que Deus irá "mudar a sorte" do povo brasileiro. Clamando pela bênção divina sobre o presidente, ressaltou: "Deus escolheu as coisas de pouco valor, as que não são, para confundir as que são. É por isso que Deus te escolheu, Bolsonaro".
Fonte:  Gospel Prime 

Há 501 anos, Reforma Protestante mudava a história do mundo

No Brasil, 31 de outubro é o "Dia Nacional da Proclamação do Evangelho"
Imagem: Pixabay

Evangélicos do mundo inteiro tem no dia 31 de outubro de 1517 a gênese de seu movimento religioso. A Reforma Protestante mudou a história do mundo ocidental quando o monge católico Martinho Lutero anunciou publicamente suas 95 teses, que visavam um retorno ao conceito bíblico de que "só Jesus salva".
Como seu nome indica, a tentativa de Lutero num primeiro momento era "reformar" a Igreja Católica, pedindo que fossem abandonadas práticas que contrariavam as Escrituras Sagradas. Rejeitadas pelo Vaticano, suas teses marcaram o início do que seria o protestantismo, mais tarde assumindo diferentes nuances. Na América Latina, o termo evangélico é mais comumente usado para referir-se aos adeptos dessa confissão religiosa multifacetada.
A principal doutrina que Lutero levantou contra o sistema ritualístico vigente foi que a salvação da alma era decorrente somente pela graça e pela fé em Jesus Cristo, não pelas obras. Ele não é o único rosto desse movimento que se espalhava pela Europa havia pelo menos um século.
Entre os feitos de Lutero destaca-se a iniciativa de traduzir a Bíblia para a "língua do povo" que todos pudessem conhecer a Palavra de Deus. Até então sua forma mais conhecida era em latim e ter acesso a ela era privilégio do clero.
Com o passar dos anos e a consolidação das ideias de resgate dos ensinamentos das Escrituras sobre a tradição eclesiástica, foram sendo estabelecidos os "pilares" que são usados até hoje para definir a fé protestante: "Somente a Escritura, somente a Fé, somente a Graça, somente Cristo e Glória somente a Deus".
Os ideais se espalharam pelo mundo e encontraram eco em vários movimentos similares. Essa é a raiz das igrejas evangélicas que se espalham por todo o mundo até hoje. Embora pouco divulgada pelas igrejas no Brasil, o fato é que a Reforma ajudou a mudar a história do mundo para sempre.
Dia da proclamação
No início de 2016, foi sancionada no Brasil uma lei que estabelece 31 de outubro como o Dia Nacional da Proclamação do Evangelho. A Lei Número 13.246, cujo projeto original era de 2003, foi elaborada pelo ex-deputado Neucimar Fraga, na época filiado ao PFL. Sua argumentação era que "a fidelidade à mensagem de Jesus sobre o Reino e ao seu amor infinito implica um compromisso ativo na transformação de estruturas injustas. A proclamação do evangelho supõe a promoção da paz e da justiça para criar um mundo novo que reflita o Reino de Deus".
Segundo os dados do último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - de 2010 - havia 42.310.000 evangélicos no Brasil, 22,2% da população. Como a cada ano os católicos perdem, em média,  1% dos fiéis e os evangélicos ganham 0,7% as projeções atuais indicam que já sejam um terço da população.
O próximo Censo oficial ocorrerá apena em 2020, mas são feitas amostragens de tempos em tempos para estabelecer tendências "Possivelmente em cerca de 10 e 15 anos o Brasil não terá mais maioria católica", avalia o demógrafo José Eustáquio Diniz Alves, da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE.
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

Venda antecipada para "Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald"


Assista ao trailer
Trailer de "Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald".
Orient Cinemas anunciando a venda antecipada do filme "Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald", que tem lançamento nacional na quinta-feira, 15 de novembro. 
Na trama desta sequência de "Animais Fantásticos e Onde Habitam", de 2016, Newt Scamander reencontra os amigos e une forças com seu antigo professor de Hogwarts, Albus Dumbledore, para enfrentar o terrível Gellert Grindelwald.

Drama musical, comédia, fantasia e ação


1. Rami Malek faz Freddie Mercury em "Bohemian Rhapsody"
2. Rowan Atkinson e Olga Kurylenko em "Johnny English 3.0"
3. Mackenzie Fox e Keira Knightley em "O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos"
4. "O Doutrinador" é filme de ação brasileiro
Fotos: IMDb

Quatro lançamentos nacionais no Orient Cineplace Boulevard, a partir desta quinta-feira, 1º de novembro. 
Tem o drama musical biográfico "Bohemian Rhapsody", que é uma celebração do Queen, sua música e seu cantor principal Freddie Mercury, e a comédia de ação "Johnny English 3.0", o terceiro filme da franquia com Rowan Atkinson seguindo como o atrapalhado agente secreto, que faz paródia a James Bond, o agente 007.
Outra novidade é a fantasia "O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos", que tem a marca da Disney.
Por fim, a entrada de "O Doutrinador", filme brasileiro que tem como slogan "a corrupção criou seu maior inimigo".
Freddie Mercury desafiou estereótipos e quebrou convenções para se tornar um dos artistas mais admirados. O filme mostra o sucesso meteórico da banda através de suas canções icônicas e som revolucionário, a quase implosão quando o estilo de vida de Mercury sai do controle e o reencontro triunfal na véspera do Live Aid, em 1985, onde Mercury, agora enfrentando uma doença fatal, comanda a banda em uma das maiores apresentações da história do rock.
Dois filmes anteriores, "Johnny English" (2003) e "O Retorno de Johnny English" (2011), marcaram o personagem. Esta nova aventura começa quando um ataque cibernético revela a identidade de todos os agentes secretos ativos na Grã-Bretanha, tornando Johnny English a única esperança para o serviço secreto. Recém-saído de sua aposentadoria, o inglês está imerso na ação com a missão de encontrar o hacker responsável. Como um homem com poucas habilidades, Johnny English deve superar os desafios da tecnologia moderna para tornar esta missão um sucesso.
O thriller de ação "Fúria em Alto Mar", com Gerard Butler, entra em segunda semana; assim como o filme de terror "Halloween", sequela de "Halloween: A Noite do Terror", realizado há 40 anos. Outra continuação em segunda semana é a animação "Amigos Alienígenas". Por fim, o thriller de ação "Venom", com horror e ficção científica, em quinta semana.

Trailer de "Bohemian Rhapsody"


Assista
Trailer do drama musical "Bohemian Rhapsody", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 1º de novembro, no Orient Cineplace Boulevard.

Trailer de "Johnny English 3.0"


Assista
Trailer da comédia "Johnny English 3.0", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 1º de novembro, no Orient Cineplace Boulevard.

Trailer de "O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos"


Assista
Trailer da fantasia "O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 1º de novembro, no Orient Cineplace Boulevard.

Trailer de "O Doutrinador"


Assista

Trailer de "O Doutrinador", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 1º de novembro, no Orient Cineplace Boulevard.

"Pimenta em olhos alheios"


Há algo de muito estranho em universidades após a vitória de Jair Bolsonaro na disputa presidencial: é tolerada a intolerância de manifestantes à suposta intolerância de eleitores do futuro presidente.
Fonte: Claudio Humberto


Imagem do passado

Rua Sales Barbosa, trecho dando frente para a praça Bernardino Bahia. O casarão no destaque era a sede do Tiro de Guerra. Na área, atualmente existe o antigo edifício de INPS.
Na imagem, publicada no "Blog Por Simas", a banda da Sociedade Filarmônica Euterpe Feirense e o Tiro de Guerra. Também aparece o prefeito Heráclito de Carvalho, que governou Feira de Santana por dois períodos: de fevereiro de 1935 a novembro de 1937; e de julho de 1938 a março de 1943.

Dayane trata sobre investimentos federais na cultura da Bahia e responde críticas


Presidente eleito Jair Bolsonaro e deputada federal eleita Dayane Pimentel
Foto: Divulgação
"Não será apenas Bolsonaro e seus correligionários; o povo também vai fiscalizar"
Em resposta às declarações da deputada estadual Fabíola Mansur (PSB), na Assembleia Legislativa da Bahia, na terça-feira, 30, nas quais a deputada estadual ataca a deputada federal eleita e professora feirense, Dayane Pimentel (PSL), por ter dito que a agenda cultural da Bahia será fiscalizada, principalmente no tocante à relação dos artistas com a Lei Rouanet, Dayane Pimentel informa que o povo da Bahia tem o direito de conhecer essa relação e o governo tem o dever de fiscalizar os investimentos.
Para a professora Dayane Pimentel, representante de Bolsonaro no Estado da Bahia, a deputada estadual Fabíola Mansur parece, também, desconsiderar a legitimidade da sua eleição para a Câmara Federal. "Fui eleita e de forma expressiva, sendo votada em todos os municípios da Bahia, justamente porque defendo a liberdade de expressão e digo não a qualquer tipo de censura, prática comum na Venezuela e em Cuba, países que ela deve admirar bastante. Fiscalizar os recursos federais aplicados em qualquer área é papel fundamental de um bom político, e na Bahia não será apenas  Bolsonaro, mas seus correligionários e também o povo".
Ainda de acordo com a feirense, "Fabíola precisa aprender que um presidente que não fiscaliza o país que preside, respondendo às expectativas do povo, gera resultados decadentes, como esses que o PT deixou em nosso país. Fiscalizar não é censurar, Fabíola. Além disso, uma política que não respeita a renovação e a voz dos cidadãos que acreditaram na mudança, prova que anos de velha política não preparam quem tem espírito medíocre. Até entendo o momento de luto político dela. Viu a esquerda ser enterrada no Brasil, viu que Fernando Haddad (PT) não tem vez, está vendo Lula na cadeia e Bolsonaro eleito presidente da nossa nação".
Quanto ao deputado estadual feirense Ângelo Almeida (PSB), que não conseguiu se reeleger, a deputada Dayane Pimentel diz que "não vale a pena responder. Não servirei de palanque a quem viveu no ostracismo".
(Com informações da Assessoria de Imprensa de Dayane Pimentel)

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Colbert Martins em Brasília


Conhecedor da matéria, prefeito busca emendas
para Feira de Santana


O prefeito Colbert Martins Filho (MDB) se encontra em Brasília, desde o final de tarde de segunda-feira, 29. Ele viajou à capital federal para defender emendas parlamentares em benefício do município de Feira de Santana. Esta semana vence o prazo para apresentação e definição das emendas ao Orçamento da União de 2019. Também fará visita a ministérios para tratar da liberação de recursos previstos para esta cidade e que se encontram com pendências em órgãos do governo. Colbert retorna à cidade nesta quarta-feira, 31.
Fonte: "Blog Por Simas"


Convite


"Bolsonaro evitará escolha política de ministros"


O deputado Onyx Lorenzoni (Democratas-RS) tem uma tarefa difícil pela frente, na articulação do governo Jair Bolsonaro: atrair apoio no Congresso, mas sem assumir compromissos para indicação política de ministros. A única exceção admitida por Bolsonaro de político à frente de ministério, em princípio, é o próprio Lorenzoni. A decisão é observar com rigor a regra de só nomear ministros tecnicamente qualificados.
Descentralização
Como na gestão militar, Bolsonaro deve entregar os ministérios aos titulares de "porteira fechada", fixando metas e cobrando resultados.
Sem influência política
Bolsonaro acredita que gestão técnica sem influência política, de forma descentralizada, é a garantia de obtenção dos melhores resultados.
Chances reduzidas
O princípio de "ministério sem políticos" diminui as chances de nomes como a senadora Ana Amélia (RS), citada para as Relações Exteriores.
Fonte: Claudio Humberto

Michelle Bolsonaro, uma primeira-dama evangélica


Assista entrevista

Esposa do novo presidente tem ministério com surdos

O Brasil terá em Michelle Bolsonaro algo inédito, uma primeira-dama abertamente evangélica. Embora minoria no país, cerca de 30% da população, o segmento tem uma grande identificação com o novo presidente.
Jair Bolsonaro disse repetidas vezes que era católico, mas frequentava a igreja evangélica por causa da mulher. Eles se casaram no civil em 2008, mas a cerimônia religiosa foi em 2013, quando a família estava na Assembleia de Deus Vitória em Cristo. O oficiante foi o pastor Silas Malafaia, que se tornou um ferrenho defensor da candidatura do capitão este ano.
Com poucas aparições públicas, Michelle tem um estilo discreto. É 27 anos mais nova que Jair - ele tem 63 anos e ela, 36. Conheceram-se em 2007. Ela já tinha uma filha de outro relacionamento, Letícia Aguiar, de 16 anos, os dois são pais de Laura, oito anos.
Ele é ativa na Igreja Batista Atitude, na Zona Oeste do Rio, onde desempenhava até antes do período eleitoral, um ministério com surdos. Era intérprete de libras nos cultos aos domingos.
Trabalho nos bastidores
Malafaia conhece Michelle desde 2008, quando ela começou a frequentar sua igreja. O pastor a define da seguinte forma: "não é espalhafatosa, nunca gostou de aparecer ou colocar a cara para fora. Nem de se exibir. Ela gosta de trabalhar nos bastidores".
Na Vitória em Cristo ela trabalhava no ministério "Mulheres Vitoriosas", que dedicava-se a fazer obras sociais e na integração de mulheres com problemas e necessidades.

Michele Bolsonaro (centro) em ação social
Na reta final da campanha Michelle foi vista ao lado do marido nas transmissões pela Internet e na propaganda eleitoral veiculada na televisão. Na quinta-feira, 25, ganhou destaque no programa dedicado às pessoas com deficiências. Ela contou que aprendeu libras sozinha e que tem se empenhado a ajudar pessoas com deficiência.
"Minha mãe ensinou que a gente não podia negar água nem comida pra ninguém. E a gente cresceu com isso. Eu tenho um tio surdo, e ele que plantou essa sementinha na minha vida. Me despertou amor pelas libras, fui estudar e aprendi sozinha, e esse amor só foi aumentando", testemunhou.
Na entrevista que concedeu no sábado, 27, à Rede Record, ao falar de Jair ela foi enfática: "Eu vejo Deus todos os momentos na vida dele". Também afirmou que, como primeira-dama, desejava fazer "todos os trabalhos sociais possíveis": "É um chamado que eu tenho, né? Tive essa aproximação com as pessoas com deficiência, os surdos… Tenho muito amor por essa comunidade. Quero fazer o melhor".

"Democratas de araque"


Aqueles que se apresentaram na campanha presidencial como "defensores da democracia" são os primeiros a desrespeitá-la: não aceitam a vontade soberana dos brasileiros que elegeram Bolsonaro.
Revolta dos bichos
Brigadas fascistas muito semelhantes aos "camisas negras" de Mussolini, cujo candidato a presidente foi derrotado nas urnas, impediram ontem, com violência, que alunos da Universidade de Brasília fossem às aulas vestidos de camisetas verde e amarelo.
Fonte: Claudio Humberto


"Passou vergonha"


O melhor cenário para o PT, previsto nesta coluna de sábado (27), era obter 47% dos votos para "não passar vergonha". O partido de Lula ficou 3 pontos percentuais abaixo da meta da "derrota honrosa".
Oposição, pero no mucho
Apesar de esquerdopatas pedirem "resistência" e "oposição cega" a Bolsonaro nas redes sociais, o PT não é bobo. O presidente do PT-RJ, Washington Quaquá, tem mais juízo: propõe "oposição pontual".
Fonte: Claudio Humberto

No Jornal Nacional, Bolsonaro cita Bíblia e pede: "chega de mentiras"


Assista

Presidente eleito prega união e pede voto de confiança aos que não votaram nele

Durante sua primeira entrevista para o Jornal Nacional, o noticiário de maior audiência no país, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL)  respondeu a algumas perguntas dos apresentadores William Bonner e Renata Vasconcellos.
O clima ameno foi bastante diferente da entrevista concedida no primeiro turno, onde havia uma clara animosidade para com o então candidato.
Além de agradecer pelos votos, também enfatizou que considerava importante as orações em seu favor. "Nós tivemos uma bandeira, baseada em uma passagem bíblica de João 8: 32, 'Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará'. Está na hora do Brasil conviver com a verdade", destacou.
Bonner disse que eram necessários esclarecimentos sobre as acusações de que a eleição do peselista eram um "risco para a democracia". Bolsonaro pediu: "chega de mentira, chega de fake News". Garantiu que irá respeitar a Constituição de 1988.
Questionado por Renata sobre a pecha de homofóbico, voltou a esclarecer que fora rotulado desta maneira por causa de sua luta contra o chamado "kit gay", promovido pelo então ministro da Educação Fernando Haddad, em 2011.
O apresentador do telejornal questionou o capitão reformado sobre a liberdade de empresa, por conta das declarações dele sobre seu desejo que a 'Folha de São Paulo' deixasse de existir. A publicação assumiu uma postura flagrantemente contrária a Bolsonaro durante a campanha, acusando-o sem provas "Caixa 2" em um suposto esquema de disseminação de notícias falsas sobre o PT.
O futuro presidente reiterou que "por si só, esse jornal se acabou. Está sem credibilidade nenhuma". Deixou claro também que, após assumir o cargo, "no que depender de mim, imprensa que mentir descaradamente não terá o apoio das verbas federais [de publicidade]".
Quando Renata lhe perguntou sobre o que quis dizer com seu desejo de "banir da pátria os marginais vermelhos", Bolsonaro não titubeou. Assegurando que referia-se à "cúpula do PT e do Psol", lembrou que o candidato Guilherme Boulos havia dito momentos antes que invadiria a sua casa "por ela não ser produtiva".
Em mensagem àqueles que cometem agressões a outros por conta de ideais políticos, foi direto: "No Brasil de Jair Bolsonaro, quem desrespeitar a lei, sentirá o peso da mesma sobre sua pessoa".
Num apelo à unidade, pediu um voto de confiança aos que não votaram nele. "Estamos todos no mesmo barco, Nós precisamos estar juntos. Temos tudo para sermos uma grande nação", destacou.
Por fim, reforçou que gostaria de contar com o juiz Sérgio Moro como seu ministro da Justiça, ou se ele preferir, assumindo uma vaga futura no Supremo Tribunal Federal.
"Ele é um símbolo aqui no Brasil", resumiu, referindo-se ao combate à corrupção. "É um homem que tem de ter o seu trabalho reconhecido", garante. Ato contínuo, voltou a falar sobre esse tema com os mesmos termos que usou durante a campanha. "A corrupção tem de ser banida aqui no Brasil, ninguém suporta mais conviver com esta prática tão nefasta."
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

"Onde vais tu, esbelto infante..."


Desfile do Tiro de Guerra 17 no 7 de Setembro de 1965, pela praça da Bandeira.
O Abrigo Predileto, que resiste até os dias atuais, está na imagem com placa do refrigerante Crush e anúncio rotativo de Juca Dias Automóveis.
O título da postagem remete à "Canção Ardor do Infante", do Exército Brasileiro, composto por Olavo Bilac, que era cantado nas marchas e desfiles.


segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Balaiada


"Balaio, balaio, balaio
 Me segure se não eu caio
Balaio, balaio, balaio
Me segure se não eu caio".
Refrão da música "Balaio", de Luiz Gonzaga e Zé Dantas, que com o resultado das eleições presidenciais pode ser completada com: "Bolsonaro é presidente/ Haddad ficou atrás/ Os petistas estão  dizendo/ ai, ai, perdi demais". 

Lição de história

Por Márcia Salvatori
O fato do Bolsonaro ser admirado por pessoas simples (negros, idosos, pobres, deficientes, pais, mães, homossexuais, crianças)... ENOJA a elite que ascendeu financeiramente graças às boquinhas abertas nas fartas torneiras de corrupção abertas pelo PT.
Um professor pedante odeia a verdade do senso comum contrariando sua fantasia acadêmica, a mídia esperneia quando o povo não fala a língua dos "anunciantes", um burocrata rico treme ao saber que o óbvio "errou tem que pagar" está próximo de ser cumprido, o artista de edital está sem dormir, porque sabe que o engodo progressista pasteurizado que "vende" como arte (sem talento, conceito ou razoabilidade estética) não forma público real, quando desamparado pelas verbas públicas...
A simplicidade de Bolsonaro se conectou a um povo que foi deixado náufrago por um PT delirante, que nutriu até onde deu uma farsa de aristocratas bufões.
Ficam agora três ou quatro ricos oportunistas entoando bordões desconexos como "fascista, machista, racista"... Enquanto uma massa crescente espera num homem que teve a capacidade de se aproximar mais do povo do que essa nobreza tosca vestida de falsa patuleia para agradar "todos os santos".
As gerações mais novas conhecerão o PT oposição... A que eu conheci na minha adolescência. Fenômeno que eu via surgindo "encabeçado" por Lula.
Talvez o maior engano do PT tenha sido o de deixar de ser oposição, ou o de nunca ter se imaginado o dono da situação.
O discurso era bonito, seduzia os mais puros (os incautos), mas quando deram a chance dessa seita agir, a pior face do homem foi revelada, sobretudo ao povo mais carente de soluções pelo homem.
A máxima de Hitler foi efetivada na cabeça dos mais jovens - que se dizem tão contrários ao nazismo - após esses 16 anos de Governo Federal...
A frase de um autoritário líder de massas que faz sentido, quando a inteligência, o bom senso, a criticidade e a desconfiança foram sequestrados do convívio de uma geração inteira: "Talvez a maior e melhor lição da história é que ninguém aprendeu as lições da história".
Extraído no Facebook

Parte superior do formulário


Workshop gratuito discute desenvolvimento de carreiras e empreendedorismo

Uma oportunidade para que estudantes de ensino médio, técnico e superior de Feira de Santana possam conhecer mais sobre os temas desenvolvimento de carreiras e empreendedorismo, o Workshop IEL de Carreiras acontece no dia 6 de novembro, na unidade do Sesi do município.
Promovido pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e pelo Fórum de Estágio da Bahia, o evento será realizado durante a Semana Global de Empreendedorismo, em parceria com o Feira Empreende.
A programação terá início com um painel sobre Gestão de Carreiras, que vai discutir os temas marketing digital, e-commerce, brand pessoal e identidade visual. A programação do evento inclui, ainda, oficinas sobre orientação de carreiras, empreendedorismo e finanças pessoais.
Os interessados devem efetuar a inscrição pela Internet, no site www.agendadeestagio.com.br, onde também é possível conferir a programação completa do evento. As inscrições são gratuitas e as vagas limitadas.
Serviço:
O que: Workshop de Carreiras - Feira de Santana
Quando: 6 de novembro, a partir das 8h30
Onde: Auditório Espaço Cultural Sesi - Rua Gonçalo Alves Boaventura, s/n, Alto do Cruzeiro - Feira de Santana/BA.
(Com informações da Gerência de Comunicação Institucional do Sistema Fieb)

Dayane Pimentel participa de reuniões com Bolsonaro


A deputada federal feirense eleita Dayane Pimentel (PSL) encontra-se no Rio de Janeiro. Na casa do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), ela comemorou a eleição do capitão da reserva no domingo, 28. Dayane foi convidada para acompanhar a apuração dos votos ao lado de Bolsonaro.
Pela manhã do domingo, ela votou no Colégio Gastão Guimarães, em Feira de Santana.
Dayane está participando de reuniões que tratam do processo de transição de governo, principalmente no que se refere à Bahia e ao Nordeste. 
Por ser a principal representante de Bolsonaro na Bahia, ela tem livre e direto acesso ao novo presidente da República, para defender os interesses do Estado.

Íntegra do discurso de Jair Bolsonaro


O "Antagonista" obteve a versão original, com rasuras, do "discurso da vitória" de Jair Bolsonaro.
No texto, escrito por Onyx Lorenzoni e revisado por Bolsonaro, o presidente eleito fala em "desamarrar" a economia do Brasil e "libertar" o país das relações exteriores pautadas por ideologia.
"Conhecereis a verdade e a verdade os libertará. Nunca estive sozinho, sempre senti a presença de Deus e a força do povo brasileiro, orações de homens, mulheres, crianças, famílias inteiras, que diante da ameaça de seguirmos por um caminho que não é o que os brasileiros desejam e merecem, colocaram o Brasil acima de tudo. Faço de vocês minhas testemunhas de que esse governo será um defensor da Constituição, da democracia e da liberdade. Isso é uma promessa não de um partido não é a palavra de homem, é um juramento a Deus. A verdade vai liberar esse grande país e vai nos transformar em uma grande nação. A verdade foi o farol que nos guiou até aqui e vai seguir iluminando nosso caminho.
O que ocorreu hoje nas urnas não foi a vitória de um partido, mas a celebração de um país pela liberdade. O compromisso que assumimos com os brasileiros foi de fazer um governo decente, comprometido exclusivamente com o país e o nosso povo e eu garanto que assim o será. Nosso governo será formado por pessoas que tenham o mesmo propósito de cada um que me ouve nesse momento, o propósito de transformar o Brasil em uma grande, livre e próspera nação. Podem ter certeza de que nós trabalharemos dia e noite para isso. Liberdade é um princípio fundamental. Liberdade de ir e vir, andar nas ruas em todos os lugares desse país, liberdade de empreender, liberdade política e religiosa, liberdade de fazer, formar e ter opinião, liberdade de escolhas e ser respeitado por elas. Esse é um país de todos nós, brasileiros natos ou de coração. Um Brasil de diversas opiniões, cores e orientações.
Como defensor da liberdade, vou guiar um governo que defenda, proteja os direitos do cidadão que cumpre seus deveres e respeita as leis. Elas são para todos, assim será o nosso governo constitucional e democrático: acredito na capacidade do povo brasileiro que trabalha de forma honesta, de que podemos juntos, governo e sociedade, construir um futuro melhor. Esse futuro de que falo e acredito passa por um governo que crie condições para que todos cresçam. Isso significa que o governo dará um passo atrás, reduzindo sua estrutura e a burocracia, cortando desperdícios e privilégios para que as pessoas possam dar muitos passos à frente. Nosso governo vai quebrar paradigmas, vamos confiar nas pessoas, vamos desburocratizar, simplificar, desburocratizar e permitir que o cidadão, o empreendedor, tenha menos dificuldades para criar e construir o seu futuro. Vamos desamarrar o Brasil. Outro paradigma que vamos quebrar: o governo respeitará de verdade a federação, as pessoas vivem nos municípios, portanto os recursos irão para os estados e municípios. colocaremos de pé a federação brasileira. Nesse sentido, repetimos que precisamos de mais Brasil e menos Brasília. Muito do que estamos fundando no presente trará conquistas no futuro. As sementes serão lançadas e regadas para que a prosperidade seja o desígnio dos brasileiros do presente e do futuro.
Esse não será um governo de resposta apenas às necessidades imediatas, as reformas que nos propomos são para criar um novo futuro para os brasileiros. E quando digo isso falo com uma mão voltada ao seringueiro no coração da selva amazônica e a outra para o empreendedor suando para criar e desenvolver sua empresa. Porque não existem brasileiros do sul e do norte, somos todos um só país, uma só nação, uma nação democrática.
O Estado democrático de direito tem como um dos seus pilares o direito à propriedade. Reafirmamos aqui o respeito e a defesa desse princípio constitucional e fundador das principais nações democráticas do mundo. Emprego, renda e equilíbrio fiscal é o nosso compromisso para ficarmos mais próximos de oportunidades e trabalho para todos. Quebraremos o ciclo vicioso do crescimento da dívida, substituindo-o pelo ciclo virtuoso de menores déficits, dívida decrescente e juros mais baixos. Isso estimulará os investimentos, o crescimento e a consequente geração de empregos. O déficit público primário precisa ser eliminado o mais rápido possível e convertido em superávit, esse é o nosso propósito.
Aos jovens, palavra do fundo do meu coração: vocês têm vivido um período de incerteza e estagnação econômica, vocês foram e estão sendo testados a provar sua capacidade de resistir. Prometo que isso vai mudar, essa é a nossa missão. Governaremos com os olhos nas futuras gerações e não na próxima eleição.
Libertaremos o Brasil e o Itamaraty das relações internacionais com viés ideológico a que fomos submetidos nos últimos anos. O Brasil deixará de estar apartado das nações mais desenvolvidas, buscaremos relações bilaterais com países que possam agregar valor econômico e tecnológico aos produtos brasileiros. Recuperaremos o respeito internacional pelo nosso amado Brasil. Durante a nossa caminhada de quatro anos pelo Brasil, uma frase se repetiu muitas vezes: 'Bolsonaro, você é a nossa esperança'. Cada abraço, cada aperto de mão, cada palavra ou manifestação de estímulo que recebemos nessa caminhada fortaleceram o nosso propósito de colocar o Brasil no lugar que merece. Nesse projeto que construímos cabem todos aqueles que têm o mesmo objetivo que o nosso. Mesmo no momento mais difícil dessa caminhada, quando, por obra de Deus e da equipe médica de Juiz de Fora e do Albert Einstein, ganhei uma nossa certidão de nascimento, não perdemos a convicção de que juntos poderíamos chegar à vitória. É com essa mesma convicção que afirmo: ofereceremos a vocês um governo decente, que trabalhará verdadeiramente por todos os brasileiros. Somos um grande país e agora vamos, juntos, transformar esse país em uma grande nação, uma nação livre, democrática e próspera. Brasil acima de tudo e Deus acima de todos."

"Bolsonaro é a vitória contra o velho na política"


O presidente eleito Jair Bolsonaro articula uma confortável maioria no Congresso Nacional, a fim de garantir a aprovação dos compromissos assumidos durante a campanha, que incluem reformas ambiciosas. Na Câmara dos Deputados, por exemplo, as negociações estão adiantadas. A expectativa é que, além dos 52 deputados eleitos do PSL, a bancada do governo conte com mais de 300 parlamentares.
Bancadas transversais 
Deputado experiente, já no sétimo mandato, Bolsonaro articula uma nova forma de acordo, através das bancadas "transversais". 
Frentes fortalecidas  
Pelo novo conceito, o futuro governo vai manter relações especiais com frentes parlamentares como Agropecuária, Evangélica e de Segurança.
'Toma lá, dá cá' nunca mais 
O presidente eleito só não abre mão de quebrar o paradigma do "toma lá, dá cá" na negociação dos cargos do seu governo. 
Por que demorou?
No discurso de vitória, o presidente Jair Bolsonaro desfez vários temores trombeteados pelos adversários, inclusive da mídia, durante a campanha. Se tivesse feito isso antes teria conservado muitos votos.
Mudança imediata 
O deputado Hélio Leite (DEM-PA) defende que o presidente eleito se mude para uma das residências oficias da Presidência da República, a fim de garantir a segurança e facilitar reuniões do período de transição.
Sem mimimi
A apuração estava longe de acabar e Bolsonaro já tinha superado os 54 milhões de votos obtidos por Dilma nas eleições de 2014 e incansavelmente repetidos por petistas durante o impeachment.
Fonte: Claudio Humberto


Números de Bolsonaro em Feira de Santana


O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) aumentou sua votação em Feira de Santana em pontos percentuais, neste domingo, 28, no segundo turno das eleições. Passou de 33,91% para 37,15%.
Mas, em números absolutos, ele também aumentou a votação, de 102.398 para 115.156.

domingo, 28 de outubro de 2018

Bolsonaro ganha eleição


Jair Bolsonaro (PSL) é o presidente eleito do Brasil. Com mais de 88% da apuração, ele alcança mais de 55% dos votos, com frente de mais de 10 milhões de votos.

Momente de decisão


Fonte: Roque Sponholz

"Fascistas de esquerda"


Por Miguel Lucena
Eu presenciei a violência contra Marina Silva em 2014. Gente que se dizia leve, amiga dos amigos dela, defensores dos direitos humanos, democratas e progressistas, de repente se transformou em seres alucinados e violentos, desferindo ataques sem pensar, reproduzindo o que era repassado pela máquina de moer reputações.
- Guerra é guerra! - justificou-se um deles, ao ser por mim questionado.
Reviraram a vida de Marina, do marido dela, buscaram defeitos onde não havia, mentiram e injuriaram, porque os fins justificavam os meios.
- Feio é perder - emendou o teórico da baixaria.
Eles fazem isso com a certeza de que é quase impossível alguém da esquerda sair dela, escapar do laço do passarinheiro. Marina que o diga, ao declarar apoio crítico aos seus algozes.
Vingativos e donos da razão, eles posam de bonzinhos agora para dar o troco depois de segunda-feira, caso obtenham êxito nas urnas, que Deus nos livre e guarde! Estão com a faca entre os dentes para furar a barriga dos "inimigos do povo".
Acusam os adversários de fascistas, mas agem como os sindicalistas de Mussolini ao fraudar eleições sindicais, desaparecendo com urnas no meio da noite. Mentem e roubam, sob uma capa de honestidade, rasgada após as investigações da Lavajato. Desmascarados, adotaram o lema de que todos são corruptos. A diferença é que eles roubam em nome do povo. Como sempre fizeram, matando, massacrando e exterminando o povo em nome do próprio.
Não se iludam: eles são os fascistas de esquerda.
Miguel Lucena é delegado de Polícia Civil do DF, jornalista e escritor

"Meta do PT é 'não passar vergonha', fazendo 47%"


A cúpula do PT nem sequer considera hipótese de vitória de Fernando Haddad, neste domingo, apesar de publicamente afirmar o contrário: a meta é permitir ao partido sobreviver e tentar retomar a presidência em 2022. “Nosso objetivo realista é chegar a 47%”, disse fonte ligada à cúpula do partido. Eles esperam repetir a performance de Lula em 1989, quando perdeu para Fernando Collor por 53% a 47% dos votos.
Animadores de auditório
Ibope e Datafolha, registrando redução da vantagem de Bolsonaro para 14 e 12 pontos, respectivamente, reanimaram a militância do PT.
Aposta da Paraná
O Instituto Paraná Pesquisa apurou que a vantagem de Bolsonaro em relação a Haddad é bem maior: 21,2% dos votos válidos.
Aposta do Ibope
Carlos Augusto Montenegro (Ibope) não duvida da vitória de Bolsonaro: "A questão não é quem e sim quanto", disse, referindo-se à diferença.
Correndo contra o tempo
Longe de plateias, o PT avalia improvável virar contra Bolsonaro, mesmo considerando os 12 pontos apontados pelo Datafolha.
Fonte: Cláudio Humberto

sábado, 27 de outubro de 2018

"Cinco motivos por que vou votar no Bolsonaro"


Por Ageu Magalhães
Sou pastor há 20 anos. O que escrevo agora não o faço em nome da Igreja em que sirvo, a Igreja Presbiteriana do Brasil, mas o faço na posição de cidadão brasileiro.
Conheço o Partido dos Trabalhadores. Em 1989, quando as eleições voltaram a ser diretas, votei no Lula. Em 1994, votei nele novamente. Eu era um admirador do nordestino alçado ao cargo máximo da nação. Todavia, com o amadurecimento da vida, os meus olhos (e os de muitos brasileiros) começaram a ser abertos. Aquele que "traria o governo para as mãos do povo" foi o protagonista do maior esquema de corrupção da história do Brasil. Boa parte das mazelas que temos hoje em nossa sociedade são culpa dele e do seu partido. Não é sem motivo que Lula e os principais cabeças do PT estão presos, condenados por corrupção.
Além da corrupção, o PT colocou em prática o marxismo cultural, que é a mudança dos valores morais da sociedade com o objetivo de enfraquecer a família e os valores judaico-cristãos de uma sociedade. É por isso que, a partir do governo do PT, você começou a ouvir expressões como homofobia, ideologia de gênero, diversidade sexual, etc.
Só por este histórico, eu não tenho dúvidas de que todo aquele que se chama cristão não deveria votar mais neste partido. Por isso, meu voto agora é no Bolsonaro, pelos motivos já expostos e mais estes cinco, que declino abaixo:
1. Ao contrário de Haddad, Bolsonaro está alinhado com a Igreja quanto às questões morais que têm sido atacadas no Brasil. Ele é contra o aborto, contra a descriminalização das drogas, contra a ideologia de gênero e contra a agenda impositiva do movimento LGBT.
2. Bolsonaro está bem assessorado economicamente. Seu futuro ministro da Fazenda é Paulo Guedes, Ph.D em economia pela Universidade de Chicago, considerada referência do pensamento econômico liberal, professor de macroeconomia na PUC-RJ, na Fundação Getúlio Vargas e no Instituto de Matemática Pura e Aplicada. Paulo Guedes é alguém com capacidade para, ajudado por Deus, tirar o país da crise gerada pela corrupção do governo anterior.
3. Bolsonaro tem as melhores condições para romper com o atual esquema político perverso composto de conchavos, negociatas, o famoso "toma lá dá cá". Como não fez alianças com os velhos partidos, não terá que distribuir ministérios e cargos a políticos que não têm competência administrativa. Seu plano é chamar para o governo pessoas realmente competentes em cada área de atuação. Nomes como Luiz Philippe de Orléans e Bragança (Relações Exteriores), Stavros Xanthopoylos (Educação) e Henrique Prata (Saúde) já estão sendo cotados.
4. Bolsonaro é o melhor nome para estancar a violência que cresce nas cidades de todo o país, por conta do tráfico de drogas e da evolução das facções criminosas. Sendo militar, conhece as necessidades dos policiais e sabe que quem deve ser protegido não é o marginal, mas o cidadão de bem. O Haddad, por sua vez, além do comprometimento com o "politicamente correto" que impede penas duras aos infratores, ainda anunciou que promoverá o "desencarceramento dos que cometem pequenos delitos", isto é, vai soltar bandidos que cometem crimes menores, como roubos de celulares, bolsas, etc... Com Bolsonaro eleito, a situação vai ficar difícil para os bandidos.
5. Não há melhor candidato para romper com a linha esquerdista, de marxismo cultural, implantada no país há 14 anos. Como eu disse no início do texto, não se trata apenas de uma visão econômica, mas, sobretudo, de um retrocesso cultural. O objetivo da esquerda é desconstruir os valores morais do Cristianismo. A desvalorização da vida (aborto), o enfraquecimento da família (lei da palmada), a perda de autoridade do professor na sala de aula, a invasão do Estado em assuntos que não são de sua alçada (educação sexual infantil), a valorização do feminismo radical e a quebra do conceito tradicional de família, formado por homem, mulher e filhos, são bandeiras do PT que estão em plena ação. Bolsonaro é alguém contrário a esta agenda e tem força popular para frear um pouco deste avanço.
Concluo dizendo o que todos os que vão votar nele já têm dito: Bolsonaro não é perfeito, tem falhas, é infeliz em muitas afirmações, mas é humilde e está se cercando de gente competente. No passado Deus escolheu o poderoso Ciro, que não era um servo de Deus, para libertar Israel das mãos do inimigo. Cremos que Deus levantou agora Bolsonaro para livrar a nossa Pátria das mãos dos corruptos e dos imorais. Oremos para que ele seja eleito e, sendo, faça um excelente governo (1 Timóteo 2: 1, 2). Que Deus abençoe o nosso Brasil.
 
Fonte: https://www.internautascristaos.com