*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Emoção na visita ao Museu do Holocausto


Na viagem a Israel, há quatro anos, entre 18 de abril a 4 de maio de 2014, um momento emocionante e marcante foi visita do grupo de feirenses ao Museu Yad Vashem (Fotos: Reprodução), em Jerusalém. Uma experiência também desoladora. Trata-se de um memorial imperdível que retrata o lado mais sombrio do Holocausto: a verdade. Foram momentos de muita reflexão. É recorrente, mas deve-se dizer: todo mundo deve visitar o museu para nunca esquecer a experiência.
Deus colocou em nossos corações - meu e da Doralice - a subida à Jerusalém para adorar, agradecer e contemplar a face do Senhor. Assim, estivemos juntos ao grupo formado pela Ide Viagens e Turismo, uma agência feirense que trabalha exclusivamente com roteiros para Israel.
Ver as exibições e lembrar do Holocausto dá aos mais de um milhão de indivíduos, líderes mundiais e dignatários que passam pelas suas portas anualmente uma forma significativa de honrar a memória dos seis milhões de vítimas judias do Holocausto.
O projeto de preservação da memória do Holocausto começou em 1953, com objetivo de perpetuar a memória das vítimas do holocausto e documentar a história do povo judeu durante o holocausto, de forma que seja lembrada por gerações futuras. Este projeto foi um passo importante para a jovem nação de Israel naquela época, e foi importante para os cidadãos de Israel, particularmente para os sobreviventes dos guetos e dos campos de concentração.
O novo Museu do Yad Vashem foi aberto ao público em 2005. O Museu foi projetado no formato de um prisma que penetra a montanha. Dividido em nove galerias, o equipamento relata as histórias das comunidades judaicas antes da Segunda Guerra Mundial e da série de eventos que a essas ocorreu começando pela subida dos nazistas ao poder, passando pela perseguição dos judeus, sua expulsão aos guetos, e terminando com a "solução final" e o genocídio em massa. As experiências pessoais e os sentimentos das vítimas do Holocausto constituem a base das exibições do museu. Fotografias, filmes, documentos, cartas, trabalhos de arte e itens pessoais que foram encontrados nos campos e nos guetos são uma parte integral da exibição.
Na saída do Museu se encontra o Hall dos Nomes, um memorial inspirador contendo mais de quatro milhões de nomes de vítimas do Holocausto, nomes que foram submetidos pelas suas famílias e parentes. Os visitantes ainda podem submeter nomes ao memorial, a adicioná-los ao arquivo computadorizado. 
Além do Museu de história do Holocausto, Yad Vashem engloba outros memoriais e monumentos, incluindo o Hall da Recordação, onde as cinzas dos mortos são enterradas e uma chama eterna queima em recordação; Yad Layeled, o memorial para as crianças, recordando os um milhão e meio de crianças judias que foram assassinadas no Holocausto, e o Memorial dos Deportados, um vagão de trem autêntico pendurado sobre o penhasco na estrada que desce da montanha.  O vagão foi usado para transportar judeus que foram banidos de seus lares aos campos de concentração.
A Avenida dos Justos Entre as Nações tem mais de duas mil árvores que foram plantadas em honra das pessoas não judias que arriscaram as suas vidas para salvar judeus dos nazistas; os arquivos e a biblioteca do Yad Vashem abrigam o maior repositório do mundo de material sobre o Holocausto.
Não são permitidas fotografias no interior do espaço.
Para obter mais informações, visite o site do Centro Para a Recordação e a Educação Sobre o Holocausto - Yad Vashem - em www.yadvashem.org.

Nenhum comentário: