Lançamento em 30 de agosto

Lançamento em 30 de agosto
Orient Cineplace Boulevard

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

"Amorim e a diplomacia do mal"


Por Ipojuca Pontes
Prometi anteriormente tratar de algumas "proezas" de Celso Amorim, o "Celsinho da Embrafilme", à frente do Ministério das Relações Exteriores na Era Lula (toda ela coadjuvada pelo Foro de São Paulo).
Antes, é preciso dizer que Amorim  aboletou-se no Itamaraty por acaso. (Tal como, por exemplo,  Zé Sarney, o sátrapa, feito presidente depois da morte de Tancredo Neves). Vamos à historieta: no seu breve governo, Itamar Franco, entronado no Planalto depois da deposição de Collor, queria fazer de Zé Aparecido, um cupincha da politicalha mineira, ministro das Relações Exteriores (e depois, segundo desejo confesso, conduzi-lo como candidato oficial à presidência da República).
Mas Aparecido, conhecido como o "Zé das Medalhas", ficou doente e não pôde assumir o cargo. Então, na emergência, entrou Amorim, o anti-diplomata que o Brasil teria a obrigação de desterrar mas a quem nenhum país democrático do mundo deveria conceder agrément.
A trajetória de Amorim é cheia de peripécias. Ele foi cria ideológico de Leon Hirszman, proto-comunista que fincou as bases do "centralismo democrático" soviético no mistifório   do Cinema Novo rico tupiniquim. Como sabem todos, o "centralismo democrático", esquema político-ditatorial bolado por Lenin, consistia em "ouvir as bases" (desorganizadas ou não) para, em seguida, ao cabo de  debates em assembleias fajutas, "centralizar" as decisões nas mãos da cúpula do politburo - vale dizer, nas mãos dele próprio.
Voltemos à diplomacia: Carl von Clausewitz, estrategista militar prussiano, repetia que a guerra é a continuação da política por outros meios. Nem tanto, nem tanto. Ou por outra: se ele tivesse privado da anti-diplomacia de Celso Amorim diria, como o ator e  comediante Will Rogers, que "certos diplomatas são tão essenciais para começar uma guerra quanto os militares em findá-las".
(Nota: à frente da Embrafilme, Amorim canalizou os recursos de uma conquista vigorosa dos produtores do cinema nativo, o adicional de bilheteria, para enfiar nos filmes de propaganda esquerdista do Cinema Novo rico. Ele terminou expulso da empresa estatal por abuso do velhaco "centralismo democrático": nomeado pelo então general Figueiredo, presidente da República, Amorim, atuando como uma espécie de agente provocador, financiou, entre outros, "Pra Frente Brasil", filme que, a pretexto de narrar uma "prisão por engano", caluniava deliberadamente os militares - pois, como se sabe, nunca houve "prisão por engano" durante os anos de chumbo, quem era preso tinha sua cota de culpa no cartório da subversão). 
É verdade que Celso Amorim, para iniciar sua "guerra absoluta", não gerenciou sozinho a fracassada Diplomacia do Mal. Acima dele havia o "chanceler informal" e "assessor de assuntos internacionais do PT" Marco Aurélio Garcia, o obsceno "Mag Top Top", que cumpria fielmente o papel de cadelinha amestrada de Fidel Castro, em especial na difusão do patológico  anti-americanismo levado à cabo pelo milionário Foro de São Paulo financiado por Lula. E, para completar a artilharia, havia ainda  ao lado de Amorim, desde os tempos da Embrafilme, a figura obcecada de "Samuca" Pinheiro Guimarães, cujo ódio ideológico aos americanos ultrapassava a soma da vastidão de três desertos.
A Diplomacia do Mal do governo de Luiz Inácio tinha três objetivos básicos, a saber:
1 - Boicotar a todo custo a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), notável acordo proposto pelos americanos – e que permitiria otimizar a economia do hemisfério, a envolver, à época, mais de 800 milhões de habitantes dispondo de um PIB (Produto Interno Bruto) de US$ 11 trilhões. 
2 - Fazer o Brasil tomar assento na cadeira permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, a dispendiosa (mas inoperante) ONU, enfiando, para atingir tal objetivo, bilhões de dólares no aliciamento da compra de votos de insolventes países terceiro-mundistas. E pior: na sua pretensão desvairada, assumir os pesados e descartáveis gastos internacionais, entre eles, o de manter tropas em "missão de paz" no Haiti (ao custo de US$ 100 milhões anuais) para, com essa estroinice, demonstrar nosso poder de influência sobre "os destinos do mundo" - e, por extensão, consagrar o corrupto Lula como um "líder internacional".
(O resultado da aventura irresponsável foi a morte por suicídio do general Urano Teixeira da Matta Barcelar, comandante de uma força de ocupação militar do Brasil no conflagrado Haiti. O general, homem tranquilo e seguro, contando com o respeito dos pares e o afeto familiar, não encontrava sentido em se gastar milhões de dólares e a vida dos seus comandados para vigiar as violentas favelas de Porto Príncipe - antros de marginais, sequestradores ou simplesmente ladrões. Diante do abismo, indignado, o disciplinado militar resolveu lavrar seu protesto e deu um tiro na boca. Peritos da própria ONU chegaram a conclusão de que ele se matou). 
3 – Ordenar e financiar, a partir de deliberações do Foro de São Paulo, a formação no hemisfério sul de um beligerante Eixo do Mal, constituído por países como Cuba, Bolívia, Venezuela, Equador, Uruguai, Guatemala, República Dominicana etc., com a finalidade não apenas de sabotar a Alca, mas, em especial,  de votar e fazer coro contra os Estados Unidos nas manejáveis assembleias da ONU.
Para intensificar o selvagem anti-americanismo, a generalidade desses países - alguns comprometidos com o narcotráfico, contrabando de armas e o terror - recebia empréstimos milionários sacados (sem resgate) do BNDES e consideráveis investimentos advindos dos cofres da Petrobras via empreiteiras altamente corruptas. Os casos da Bolívia e do Equador, ambos integrantes do Eixo do Mal, são ostensivos.
Evo Morales, por exemplo, se apossou na mão grande dos campos de gás explorados legalmente pela Petrobras na Bolívia, ocupando-os com tropas do seu exército. Diante da violência, Amorim disse apenas que o ato "da forma como foi feito não estava nas previsões do Brasil",  mas que não haveria "reação física" da empresa. Pior: para indignação do povo brasileiro, o Índio Ensebado aumentou em quase 100% o preço do gás exportado e ainda obteve milhões de dólares do governo de Lula para investir em obras do "país aliado". 
Mais complicado, porém não menos humilhante, foi a forma adotada pelo subditador Rafael Correa para não pagar US$ 200 milhões tomados do BNDES para construir uma hidroelétrica no Equador: ele embargou, por "falha nas obras", os bens da construtora Odebrecht, e foi além: disse que não pagaria mais o valor do empréstimo concedido e ainda exigiu US$ 42 milhões de indenização. Não satisfeito, garantiu que ia expulsar a Petrobras do Equador, tal como fez com a Odebrecht. No final da trágica farsa, o subditador ficou com o petróleo e os bens da Petrobras, que se limitou a receber pequena remuneração por serviços prestados. De quebra, ainda anunciou, de Quito, novos créditos do Brasil para "áreas sociais".               
A diplomacia de Amorim, candidato do corrupto Lula ao governo do malfadado Rio de janeiro, tem muito mais. Dela nos ocuparemos no próximo artigo.
Até. 
Fonte: http://www.diariodopoder.com.br

Nenhum comentário: