Dê este livro - R$ 30,00 - de presente

Dê este livro - R$ 30,00 - de presente
Adquira no Boulevard Shopping (na Cappa Clara Tabacaria), Restaurante Flor do Maracujá (na Kalilândia), bancas Avenida, Cidreira e Status (na avenida Getúlio Vargas), no Espaço Cultural e O Folheteiro (no Mercado de Arte Popular)

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

"Donald Trump e o Prêmio Fake News: a má-fé do jornalismo mainstream passou dos limites"

Por Jasper Fakkert

Uma análise de mais de três mil reportagens durante os primeiros 100 dias de sua presidência, envolvendo 24 organizações de mídia diferentes, revelou que apenas 5% das matérias da mídia durante o período foram positivas.

Após semanas de especulação, o "Prêmio Notícias Falsas" (Fake News Award) prometido pelo presidente dos EUA, Donald Trump, foi postado no website oficial do Partido Republicano (GOP).
*
2017 foi um ano de viés implacável, cobertura midiática injusta, chegando-se ao ponto da publicação de notícias simplesmente falsas. Estudos mostram que mais de 90% da cobertura da mídia sobre o presidente Trump é negativa.
Abaixo estão os vencedores do 2017 Fake News Awards.
1. The New York Times
Paul Krugman, do New York Times, ganhou o primeiro lugar devido a uma coluna que ele escreveu em 9 de novembro de 2016, que questionou se o mercado de ações jamais se recuperaria de uma presidência de Trump. Em vez disso, os mercados têm alcançado recordes após recordes, com a Dow Jones atingindo 26 mil pontos pela primeira vez na história em 11 de janeiro.
2. ABC
A ABC foi selecionada em função de uma reportagem de notícias falsas alegando que o candidato Trump tinha orientado o general Michael Flynn para entrar em contato com o governo russo durante as eleições.
A ABC foi forçada a pedir desculpas pelo erro, que foi repetido por vários outros meios de comunicação, e suspendeu Brian Ross, que havia feito a declaração, por quatro semanas.
A Dow Jones caiu 350 pontos devido a essa notícia falsa.

3. CNN
A CNN obteve a terceira colocação na lista por um artigo que publicou no mês passado alegando que a campanha de Trump recebeu um e-mail com acesso avançado a documentos do WikiLeaks. Depois de divulgar as alegações durante todo o dia, a CNN foi forçada a emitir uma correção porque calculou o tempo dos eventos erradamente; o e-mail foi enviado depois que os documentos foram divulgados publicamente pelo WikiLeaks, tornando falsa a premissa principal da história.
4. Times
A revista Times cometeu um erro embaraçoso alegando que Trump retirou o busto de Martin Luther King Jr. do Salão Oval da Casa Branca no dia da inauguração ou de sua posse, o que não ocorreu. A organização de notícias foi forçada a retrair a história.

5. The Washington Post
O repórter Dave Weigel do Washington Post foi criticado por postar no Twitter uma foto de um estádio meio vazio, fazendo parecer que poucas pessoas haviam comparecido para um evento de Trump na Flórida. Em vez disso, a foto foi tirada horas antes do início do evento. Weigel foi forçado a pedir desculpas.

6. CNN
A CNN publicou uma história fazendo parecer que Trump quebrou o protocolo, despejando todo o seu recipiente de comida de peixe numa lagoa de koi enquanto visitava o Japão. Em vez disso, Trump seguiu o que o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe havia feito antes dele.
7. CNN
A CNN foi forçada a demitir três funcionários em junho do ano passado, depois que eles publicaram uma história falsa afirmando que o então diretor de comunicação da Casa Branca, Anthony Scaramucci, teria vínculos com um fundo de investimento russo. A CNN foi forçada a retrair a história e demitiu os jornalistas, incluindo o editor-executivo encarregado de sua unidade de investigação.
8. Newsweek
A Newsweek informou falsamente que a primeira dama da Polônia, Agata Kornhauser-Duda, não apertou a mão de Trump em cumprimento durante sua visita a Varsóvia em julho do ano passado. De fato, ela cumprimentou Trump.

9. CNN
A CNN relatou falsamente que o ex-diretor do FBI, James Comey, não confirmaria ao Congresso que ele havia dito a Trump que ele não estava sob investigação. Assim, lançando dúvidas sobre uma declaração que o presidente havia feito em sua carta de demissão para Comey, na qual ele havia dito que ele apreciava Comey tê-lo informado que ele não estava sob investigação. Em vez disso, Comey testemunhou ao Congresso que de fato ele informou o presidente que Trump não estava sob investigação.

10. The New York Times
New York Times foi forçado a publicar uma correção embaraçosa depois de alegar que a gestão Trump havia escondido um relatório sobre mudança climática. O relatório estava disponível publicamente.
Narrativa da colusão russa
O "Prêmio Notícias Falsas" também destacou a narrativa de colusão Trump-Rússia que dominou a cobertura de notícias no ano passado.
Apesar de mais de um ano de investigações, nenhuma evidência de tal colusão foi encontrada. Em vez disso, surgiram evidências de que o FBI usou o chamado dossiê Trump como base para a obtenção de uma autorização da FISA para espionar a equipe de Trump.
Fusion GPS, a empresa por trás do dossiê, que foi paga pela campanha de Hillary Clinton e pelo Comitê Nacional Democrata, também efetuou pagamentos a jornalistas, de acordo com documentos judiciais arquivados pelo Comitê de Inteligência da Câmara dos EUA.

A empresa também instruiu o ex-espião britânico Christopher Steele, que ajudou a escrever o dossiê, a informar um grupo seleto de organizações de mídia, incluindo o New York TimesThe New Yorker, CNN, The Washington Post e Yahoo News, de acordo com documentos judiciais arquivados no Reino Unido.
Ao relatar a narrativa de colusão da Rússia, as organizações de mídia basearam-se principalmente em fontes anônimas.
Falando sob juramento perante o Comitê Seletivo do Senado sobre Inteligência em 8 de junho, o ex-diretor do FBI, James Comey, desacreditou uma história de primeira página do New York Times de 15 de fevereiro, que afirmou que os membros da campanha presidencial de Trump em 2016 "tiveram contatos repetidos com funcionários seniores da inteligência russa no ano antes da eleição".
Na audiência, o senador Tom Cotton (R-Ark.) pressionou Comey ainda mais sobre a reportagem do New York Times, perguntando: "Seria justo caracterizar essa história como quase inteiramente errada?" Ao qual Comey respondeu: "Sim."
Comey prosseguiu então desacreditando outros relatos da mídia, que frequentemente citavam fontes de inteligência e governamentais anônimas para promover suas narrativas de que a campanha de Trump conspirou com a Rússia para influenciar a eleição.
"Todos vocês sabem disso. Talvez o povo americano não saiba", disse Comey, dirigindo-se ao comitê do Senado. Ele disse que quando se trata de repórteres escrevendo histórias sobre informações classificadas, "as pessoas que falam sobre isso geralmente não sabem o que está acontecendo."
Ele disse que tem havido muitas histórias sobre as investigações da Rússia "que estão totalmente erradas".
Tendenciosidade
Uma pesquisa publicada pelo Pew Research Center em outubro do ano passado mostrou que Trump recebeu a cobertura de mídia mais negativa de qualquer outro presidente nos últimos 25 anos.
Uma análise de mais de três mil reportagens durante os primeiros 100 dias de sua presidência, envolvendo 24 organizações de mídia diferentes, revelou que apenas 5% das matérias da mídia durante o período foram positivas. 62% das histórias eram negativas e 33% não eram nem positivas nem negativas.
Em comparação, a cobertura do presidente Barack Obama durante o mesmo período foi 42% positiva e 20% negativa.
Para o presidente George W. Bush, o número foi 22% positivo e 28% negativo.
E para o presidente Bill Clinton, foi 27% positivo e 28% negativo.
O estudo também revelou que a maior parte da cobertura da mídia sobre Trump enfocava seus traços de caráter e não sua política.
Apenas 31% de todas as histórias publicadas sobre Trump foram focadas em questões políticas, em comparação com 50% para Obama, 65% para Bush e 58% para Clinton.

Globo volta a satirizar a fé cristã em "Tá no Ar"

Humorístico ridiculariza evangélicos com "Gospel Beleza"

Por Jarbas Aragão
No programa de estreia desta temporada, o humorístico "Tá no Ar" colocou conservadores como zumbis , donos de "ideias que deviam estar enterradas".
Como aparentemente as referências aos valores cristãos não teve grande repercussão, o programa que foi ao ar na terça-feira, 30, apostou pesado em piadas com temática religiosa.
Já na abertura, o quadro "Poligod: ofertas incríveis para os fiéis", comparou os dogmas da igreja católica com produtos de valor questionável. Marcius Melhem, um dos criadores do programa, encarnou um padre/vendedor que oferecia "entrega de hóstias com litrão de vinho pelo aplicativo", "óculos de espiritualidade virtual para assistir as missas em casa" e o "kit de primeiros socorros espirituais".
A tônica do esquete mais longo do programa foi equivaler a fé a uma mera relação comercial, encerrando com o chavão "é um pecado perder estas ofertas".
Na sequência, a volta da Galinha Preta Pintadinha, um desenho animado que coloca no papel de herói uma galinha usada como sacrifício em rituais de religiões afro. 
Por fim, o quadro que rende mais comentários nas redes sociais, sendo muito comentado especialmente no Twitter: o "Olha a Gospel Beleza aí, gente".
A atriz Renata Gaspar aparece na tela como uma porta-bandeira de escola de samba, mas se veste e se comporta como um estereótipo de uma pentecostal. Ao seu lado, Eduardo Sterblitch e Marcius Melhem, de terno e gravata, mimetizam os gestos comum dos homens em algumas igrejas pentecostais, enquanto junto com a serpentina, aparecem notas de dinheiro na tela.
A trilha sonora é uma adaptação da conhecida música da Globeleza: "Lá vem Deus/Nossa festa é ungida/O Carnaval meu povo/É coisa de alma perdida/Vem, deixa o Senhor abençoar/Vem nessa pra gente louvar/ajoelhar em oração/Sai para lá, tentação/Vem, na Bíblia diz/Folia é coisa do capeta/No templo do Senhor tiramos seu encosto/E tudo sem pagar imposto".
Ato contínuo, os três atores caem no chão e tremem, imitando as cenas comuns em cultos de libertação.
Assim como nas outras temporadas do programa - esta já é a quinta - o deboche à fé cristã deve ser uma constante. Com audiência em torno dos 15 pontos, número considerado pela emissora bom para o horário, o "Tá no Ar" parece seguir a cartilha da Globo, como tem feito com o "Zorra".
Curiosamente, em entrevista recente, Melhem afirmou: "O programa não é agressivo, ele é contundente, levanta questões de forma muito clara. A gente sempre está muito atento à questão da intolerância. Religiosa, comportamental, sexual, de todo tipo". Em outras palavras, intolerância boa é só a que eles promovem.
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

Convite


Sequência de "A Paixão de Cristo" para 2019

Mel Gibson dirige Jim Caviezel em "A Paixão de Cristo"
Foto: IMDb

"A Paixão de Cristo" (The Passion of the Christ), filme bíblico de 2004 que narra as 12 horas finais da vida de Jesus, ganhará uma sequência, segundo a imprensa especializada americana.
Mel Gibson, que produziu e dirigiu o primeiro filme, voltará a acumular as duas funções ou apenas uma delas, afirma a revista "The Hollywood Reporter".
O ator Jim Caviezel confirmou ao jornal "USA Today" que retornará ao papel de Jesus Cristo, 14 anos depois do filme original. Ele tem hoje 49 anos. "Há coisas, as quais não posso dizer, que vão chocar o público", afirmou.
Ressurreição
Em entrevistas anteriores, Gibson já havia sinalizado a intenção de dar continuidade à história, e adiantou que o novo filme deve ser centrado na ressurreição de Cristo.
"Estamos tentando fazer [o filme] de uma maneira atraente e esclarecedora, para que ele tenha uma nova luz, se possível, sem criar algo estranho", disse ao "USA Today" em 2016.
Até aquele ano, segundo a "Hollywood Reporter", a sequência estava sendo chamada de "The Passion of the Christ: Resurrection" ("A Paixão de Cristo: Ressurreição"). O diretor também já indicou que ela não será lançada até, pelo menos, o fim de 2019.
Antes disso, Caviezel aparecerá em outro filme baseado na Bíblia: "Paul, Apostle of Christ", de Andrew Hyatt, que conta a história do apóstolo Paulo. O ator interpreta um outro apóstolo, Lucas. O longa tem estreia prevista para 28 de março nos Estados Unidos.
O primeiro "A Paixão de Cristo" foi um fenômeno de bilheteria, com 611 milhões de dólares arrecadados no mundo todo. A produção teve um orçamento 30 milhões de dólares.
Fonte: G1

"A maldição lulista"

Por Jorge Oliveira
Junte as peças de um quebra-cabeça e você vai perceber que o Lula é um grande manipulador e uma companhia maldita. Quem o acompanha acaba na cadeia ou na penúria. Muitos têm os seus dias de glória, mas, com o tempo, a estrela apaga. É o caso do ex-presidente do PT, o fundamentalista Rui Falcão, hoje no ostracismo, e de Zé Dirceu, condenado a 30 anos de cadeia. Lula tem a capacidade de transformar gente em marionetes. No momento dois estão no tablado falando por ele, andando por ele e protestando por ele: Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias. Indicados a postos chaves do partido, ambos falam como bonecos de costas ocas por onde passa a mão do ventríloquo.
Quem ficou perto do Lula nos últimos vinte anos acabou na desgraça. Até empreiteiros, antes intocáveis, vivem seus dramas de condenados. Políticos que se aliaram ao Lula estão presos, outros respondem a processos na justiça. Os tesoureiros do PT mofam nos presídios, a exemplo do João Vaccari Neto, isolado em um presídio de Curitiba. Condenado a 24 anos, conta os dias que faltam no calendário da parede da cela.
Lula, como sempre, até ser condenado a doze anos, negava tudo. Nega os próprios amigos, como, aliás, nega também o sítio, o triplex, o mensalão, as propinas da Petrobrás, o dinheiro ilegal da construção do Instituto Lula e a conta corrente da Odebrecht. Nega até os filhos atolados em corrupção.
Lula manipula muito bem os fanáticos da seita. Prestigia, dando-lhes cargos importantes no partido e depois exige que todos o defendam como cães raivosos. Manda que seus seguidores ataquem, provoquem e incitem a baderna para depois ele aparecer como conciliador. A velha tática funcionou até a última semana quando os desembargadores de Porto Alegre o condenaram a 12 anos em regime fechado. Ali, ele se revelou desobediente às leis do país. Mesmo assim, traçou a sua linha de ataque: Lindbergh, hidrófobo, saiu espumando em sua defesa, ameaçando reagir com violência, escorraçando a justiça e os desembargadores que atuaram na condenação do seu chefe.
Gleisi, coitada, vocifera contra todo mundo. Ameaça até matar as pessoas que são contra o seu pajé. Diz que a decisão da justiça é ilegal e que os três desembargadores combinaram a sentença. Não acredita em nada do que foi investigado, pois a cegueira do fanatismo a impede de enxergar um julgamento isento de paixão. Em comum aos dois o afago do Lula. Foi dele a ideia de transformar Gleisi em presidente do PT e Lindbergh em líder do partido no senado, pois tem certeza que pode manipular os seus dois bonecos de pano.
Esse filme do Lula é velho. A fita está arranhada. Pelas mãos dele já passaram outras marionetes que o ventríloquo manejou com habilidade. O ex-deputado André Vargas foi um deles. Chegou a vice-presidente da Câmara. Flagrado com a mão na massa, foi condenado a 14 anos de prisão.  Zé Dirceu foi outro. Assumiu o governo de Lula com toda pompa. Depois de levar um chute no traseiro, vive atualmente de presídio em presídio, depois de condenado a 30 anos. E o Palocci? Palocci, médico, enganou como ministro da Fazenda. Já respondia a processos quando foi prefeito de Ribeirão Preto. Mas o Lula o vendia à elite como o mais habilidoso dos seus ministros. Na cadeia, condenado a 12 anos de prisão, tenta entregar o chefe.
E a Dilma? Bem, a "Mãe do PAC", expulsa da presidência da república, vive por aí como uma maluca repetindo o mantra "é golpe, é golpe, é golpe". Não sabe até hoje que foi presidente da república. E o Genuíno? O ex-presidente do PT está recolhido em casa, vive em profunda depressão, depois que foi condenado no mensalão a 6 anos de prisão por corrupção. O ex-senador Delcídio do Amaral, líder do PT, foi renegado pelos petistas tão logo caiu em desgraça. Delúbio Soares, ex-tesoureiros do partido, foi condenado a 5 anos de prisão na Lava Jato, está com tornozeleira e liberdade vigiada. Todos fazem parte do pacote da maldição lulista, que viam no chefe o curandeiro da tribo para todos os males. Imagine que até a mulher, Marisa Letícia, depois de morta, Lula a promoveu a investidora, dona do Triplex, para tentar se livrar da propriedade do imóvel.
Como se vê, a lista dos vivos encaminhados para o purgatório de Lula é extensa. Até morte houve, imagine. Os prefeitos de Santo André, Celso Daniel, e o Toninho do PT, de Campinas, foram silenciados depois que ameaçaram contar as mutretas de seus companheiros petistas nas respectivas prefeituras. Estão dormindo hoje em cova rasa. No caso de Daniel, a sua ex-mulher, Miriam Belchior, teve o silêncio comprado por cargos importantes no governo do PT.
Agora que você você sabe dessa pequena mostra dos que foram para o buraco na era lulista, pode imaginar que não existe apenas o "pacto de sangue" feito por Lula com a Odebrecht como denunciou o Palocci.  Na verdade, existe também a maldição lulista que cai impiedosamente sobre a cabeça dos seus companheiros.
Fonte: http://www.diariodopoder.com.br

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Colbert trata de tecnologia no Rotary

O prefeito em exercício Colbert Martins participou da reunião almoço do Rotary Club de Feira de Santana, na terça-feira, 30, no Cravo & Panela. Tecnologia e Agenda 2030 foram os principais temas abordados. Ele respondeu a questionamentos dos rotarianos.
Esta é a primeira vez que Colbert substitui ao prefeito José Ronaldo, que reassume na segunda-feira, 5.
O encontro foi presidido por Dion Luciano Vital. Participaram os secretários de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico Antonio Carlos Borges Júnior; de Governo Paulo Aquino; e de Meio Ambiente Sérgio Carneiro.
Fotos: Washington Nery

Trailer de "Todo o Dinheiro do Mundo"


Assista

Trailer de "Todo o Dinheiro do Mundo”" que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 1, no Orient Cineplace Boulevard.

"Todo o Dinheiro do Mundo" é a única novidade

Michelle Williams e Mark Wahlberg em "Todo o Dinheiro do Mundo"
Foto: IMDb

Nesta primeira semana de fevereiro, a partir de quinta-feira, 1, no Orient Cineplace Boulevard, lançamento nacional do drama "Todo o Dinheiro do Mundo" (All The Money in the World), de Ridley Scott. A trama tem elementos biográficos e mistério em ritmo de thriller. 
Trata sobre a história real de John Paul Getty III, herdeiro de magnata do petróleo (Christopher Plummer), que foi sequestrado em 1973, na Itália. Os criminosos exigiram um grande resgate, que o patriarca da família recusou. O sequestro do rapaz coloca a sua mãe, Gail Harris (Michelle Williams), em uma corrida desesperada para convencer o ex-sogro a pagar o resgate milionário do filho. Dias depois, a orelha do garoto foi enviada para um jornal. Getty encarrega o ex-espião Fletcher Chase (Mark Wahlberg), seu homem de confiança, de descobrir quem e o que está por trás do crime, solucionando o problema sem o desperdício de nenhum centavo de sua fortuna. Pelo seu papel como o magnata J. Paul Getty, Christopher Plummer recebeu a indicação ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.
Continua, em segunda semana, em apenas uma sessão, com cópia legendada, o drama biográfico em ritmo de thriller, "The Post: A Guerra Secreta" (The Post). Merece a visão. 
Também em segunda semana, a continuação de "Maze Runner: A Cura Mortal", que encerra trilogia, com temática pós-apocalíptica.
O filme de terror "Sobrenatural: A Última Chave” entra em terceira semana; e "Jumanji: Bem-Vindo à Selva", filme de ação e aventura, chega à sua quinta semana.
Ainda nas telas, as continuações as animações "Viva: A Vida É uma Festa",  em quinta semana, e "O Touro Ferdinando", em quarta semana.


Trailer de "Homem-Formiga e a Vespa"


Assista ao trailer
O filme "Homem-Formiga e a Vespa" (Ant-Man and the Weap) ganhou nesta terça-feira, 30, o seu primeiro trailer. A continuação do bem-sucedido "Homem-Formiga", de 2015, tem data de lançamento marcada para 5 de julho. É a primeira produção da Marvel que traz o nome de uma heroína no título.
O filme de ação, aventura e ficção-científica é estrelado por Paul Rudd (Scott Lang) e Evangeline Lilly (Hope van Dyne) nos papéis centrais. Fantasma, a vilã, é interpretada por Hannah John-Kamen. A direção é de Payton Reed, o mesmo do filme anterior.
Lançado há três anos, "Homem-Formiga" (Ant-Man) arrecadou 409,8 milhões de dólares no mundo todo.
No filme,  o protagonista é escolhido pelo veterano cientista Hank Pym (Michael Douglas), o Homem-Formiga original, para substituí-lo. O elenco tem ainda Laurence Fishburne, Michelle Pfeiffer, Judy Geer, Walton Goggins e Michael Peña.

Na volta às aulas, Sesi e Senai implantam novo ensino médio integrado à formação profissional

Experiência pedagógica começou na segunda-feira, em Goiás, e até 15 de fevereiro na Bahia, no Ceará, em Alagoas e no Espírito Santo; na Bahia, a experiência será testada na Escola Sesi de Feira de Santana
Fotos: Silvio Tito
O Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) são pioneiros na implementação da nova Lei do Ensino Médio (Lei 13.415/2017) com um currículo organizado por áreas de conhecimento e não por disciplinas, totalmente contextualizado à realidade dos estudantes e integrado à formação técnica e profissional. A nova metodologia começou a ser testada na segunda-feira, 29, em regime de experiência pedagógica no Estado de Goiás. Na Bahia, as aulas começam nesta quinta-feira, 1º de fevereiro, com duas turmas na Escola Sesi José Carvalho, em Feira de Santana. Até 15 de fevereiro, outros três estados - Espírito Santo, Ceará e Alagoas - iniciarão o projeto. Ao todo, 150 alunos serão envolvidos no projeto-piloto que, ao longo de três anos, formará jovens na área de Eletrotécnica.
A proposta pedagógica prevê que, no primeiro ano, já tenha início uma preparação para o mundo do trabalho que inclui formação genérica para as profissões da indústria, orientação profissional e desenvolvimento de competências socioemocionais. No segundo ano, além das áreas de conhecimento, os alunos terão acesso aos fundamentos e práticas de formação para a área industrial de energia. Já no terceiro ano, a carga horária prevista para a formação técnica e profissional é dedicada às aprendizagens específicas do curso Técnico em Eletrotécnica, com possibilidade de certificações intermediárias ao longo do itinerário formativo.
De acordo com o diretor-superintendente do Sesi, Rafael Lucchesi, que também é diretor-geral do Senai, a proposta curricular foi estruturada por competências e habilidades contextualizadas à realidade atual, constituindo-se em uma forma de estimular os estudantes a darem significado aos saberes e às atividades escolares. "A ideia da iniciativa é apresentar à sociedade uma proposta curricular inovadora, factível, replicável e alinhada com as diretrizes da nova Lei do Ensino Médio, podendo ser implementada futuramente, sobretudo, na rede pública de ensino", destaca. "O Sesi e o Senai são instituições de excelência em educação, que agora buscam ser referência para outras redes. A nova lei do ensino médio trouxe oportunidades para avançarmos qualitativamente na formação de cidadãos e profissionais, mas precisamos saber implantá-la para efetivamente aproveitarmos todo o seu potencial", declara.
O superintendente do Sesi Bahia, Armando Neto, e o diretor-geral do Sena Bahia, Luís Alberto Breda, destacaram a importância da escolha da Bahia como um dos departamentos regionais que vão testar a nova proposta pedagógica. Segundo eles, isso atesta o reconhecimento nacional do ensino de excelência que Sesi e Senai praticam no estado.
ESPECIALISTAS 
Para a construção do novo currículo, docentes do Sesi e do Senai se reuniram com especialistas da área de educação, que estão auxiliando nesse trabalho de integração. Entre eles está o professor Genuíno Bordignon, da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB). Segundo ele, o projeto Ensino Médio com Itinerário de Formação Técnica e Profissional do Sesi e do Senai permitirá o desenvolvimento de competências em que os alunos colocam em prática os aprendizados teóricos. A novidade, alerta, exigirá a preparação de professores com visão multidisciplinar para promover a integração das disciplinas e a aplicabilidade do conhecimento. "Se o conhecimento permite a aquisição de competências, aí sim, houve aprendizagem de fato. Se não é mera erudição", destaca.
No projeto piloto, o Sesi e o Senai experimentam quatro modelos de gestão para a implantação da nova proposta. Em um deles, adotado em Alagoas e Goiás, serão oferecidas a educação básica e a educação profissional na mesma unidade. Em outra proposta, realizada no Ceará, a integração ocorrerá em uma unidade do Sesi e outra do Senai, próximas. No terceiro modelo, que será implantado no Espírito Santo, há uma série de unidades do Sesi e uma unidade do Senai trabalhando integradas. O arranjo mais complexo, que será adotado na Bahia, é focado na formação técnica e profissional mediada por tecnologia. "O docente estaria em um único ponto de transmissão para todas as unidades e, no outro ponto, os monitores fazem a mediação de aprendizagem", explica o gerente-executivo de Educação Profissional e Tecnológica do Senai, Felipe Morgado. A Bahia vai adotar esse formato.
De acordo com a educadora Guiomar Namo de Mello, que também integra o time de especialistas que ajudam o Sesi e o Senai na implementação do novo ensino médio, a competência mais importante para implantar a nova proposta, que servirá de modelo para o sistema educacional público, é a construção de confiança. "O Sesi e o Senai precisam se atentar a essa questão da formação de líderes, que são fundamentais para o sucesso de implementação do modelo", avalia.
EXPERIÊNCIA 
O Sesi e o Senai têm experiência de 18 anos na execução da Educação Básica articulada com a Educação Profissional (Ebep), que atende cerca de 32 mil alunos por ano em 22 estados. Esse modelo, que oferta cursos de educação profissional a alunos do ensino médio, foi uma base para avançar na proposta pedagógica integrada. Mas, enquanto no Ebep, o curso de educação profissional é ofertado no contraturno e a aprovação no ensino regular não está vinculada à aprovação no curso de educação profissional e vice-versa, a nova proposta prevê o currículo e sistema de avaliação e aprovação integrados na grade horária regular estabelecida em lei para o ensino médio. "Nesse caso, os alunos concluem o ensino médio e a educação profissional ao mesmo tempo", esclarece o gerente-executivo de Educação do Sesi, Sérgio Gotti.
(Com informações da Gerência de Comunicação Institucional da Fieb

"O Rio de Janeiro continua sórdido"

Por Ipojuca Pontes

Ao contrário do que diz o sambinha baiano - de indisfarçável ranço demagógico - o Rio de Janeiro continua sór-di-do (e bota sordidez nisso). Ao vasto acervo de misérias que o degradam há mais de quatro décadas, ajunta-se agora o anúncio feito por Lula, no Teatro Casa Grande (velho terreiro da esquerda "festiva"), da candidatura de Celso Amorim, o "Celsinho da Embrafilme", ao cargo de governo do Estado do Rio de Janeiro. É karma.  Como já escrevi antes, Amorim é o anti-diplomata que o Brasil teria a obrigação de desterrar mas que  nenhum país democrático do mundo poderia receber.
Falo adiante sobre o "desastre" Amorim mas, antes, devo informar  ao leitor que atuo no Rio como jornalista desde os áureos tempos de Carlos Lacerda, governador excepcional, probo, corajoso e realizador que, no Rio Janeiro (à época, Estado da Guanabara), fez quase tudo que nele há de importante, ainda hoje, lá se vão quase 60 anos!
Embora sem a mesma grandeza de Lacerda, cito, de memória, alguns  governadores corretos, entre eles,   Negrão de Lima,  ex-prefeito da antiga Capital Federal, que se interpôs à bagunça comunista; Floriano Faria Lima, administrador objetivo na integração da cidade ao interior do Estado, tarefa árdua, além de construir viadutos, obras do Metrô e, na base, as usinas nucleares de Angra dos Reis; e ainda Chagas Freitas, que durante dois mandatos dialogou com os militares e empreendeu milhares de obras - e que, por isso mesmo, era odiado por Ulysses Guimarães, múmia politiqueira que nos legou uma constituição de direitos sem haveres - vale dizer, uma mixórdia que tornou o país ingovernável.    
Mas quem marcou fundo a esculhambação assumida que impera hoje no Rio foi, em definitivo, Leonel de Moura Brizola, o "Engenheiro do Caos", caudilho rocambolesco que introduziu no pedaço o permissivo "socialismo moreno", prática política  que consolidou a transformação das favelas em território livre para a  exploração do narcotráfico e do contrabando de armas - ambos oficialmente imunes ao combate policial. Seus acólitos iam do malandro Carlos Imperial ao folclórico Cacique Juruna, passando por Agnaldo Timóteo, César Maia e Garotinho até chegar a Darcy Ribeiro ("louco de pedra") e Saturnino Braga, economista da Cepal que, eleito prefeito, decretou a falência da cidade e em seguida, por incompetência, abandonou (chorando) o cargo.
Depois do caudilho Brizola vieram os socialistas Moreira Franco (apelidado de "Vira-Bosta", pássaro dos pampas, pelo próprio Brizola); Marcelo "Velho Barreiro" Alencar; Anthony "Trêfego" Garotinho e a consorte Rosinha; Sérgio Cabral (formado pela Juventude Comunista na decoreba de "O Estado e a Revolução", do também assaltante Vladimir Lenin) e Luiz Fernando Pezão, herdeiro de Cabral, conhecido intramuros como "Mãozão" - todos, sem exceção, investigados, processados e alguns até condenados por ladroagem, corrupção, falsidade ideológica, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e crimes de igual teor. O mais vil, Sérgio Cabral, mitificado pela mídia esquerdista enquanto candidato eleito (duas vezes), era o anfitrião de festas romanas rigorosamente "privês" oferecidas ao chefão Lula, o Chacal, no seu Taj Mahal de Mangaratiba.  
No seu livro "Leviatã", Thomas Hobbes, teórico político inglês do século XVIII, profetiza o advento de uma sociedade na qual prevaleceria a "guerra de todos contra todos". Toucheé!
É exatamente o que se passa no Rio de Janeiro de hoje, desgovernado ao longo dos anos por mandatários socialistas absortos em propagar "direitos humanos, igualdade e justiça social". De fato, fracionado em centenas de campos de batalha, a cada minuto policiais enfrentam bandidos bem armados, que, por sua vez, tocam fogo nas falidas UPPs (invenção e objeto de marketing cabralino) e matam militares aos magotes. Em meio a permanentes  rajadas de metralhadoras, granadas e tiros de fuzil, morrem homens, mulheres, velhos e crianças vítimas de "balas perdidas" - que de perdidas não têm nada.
Por sua vez, com a mídia local voltada para a divinização de lésbicas, gays, bissexuais e travestis (LGBT) e a fervorosa campanha pela liberação da droga, o Rio aflito vive no sufoco vitimado por "sequestros relâmpago", arrastões em praias e zonas comerciais, assaltos a restaurantes, bares, lojas e hotéis. Nos últimos tempos, intensificaram-se as explosões de caixas eletrônicos e os sequestros de caminhões transportadores de alimentos e produtos eletrônicos,  embora o comunista Raul Jungmann, barbudinho ministro da Defesa, apareça toda hora nas TVs prometendo o controle dos assaltos e saques pelas tropas do Exército - saques que se sucedem, em rotina monótona, pelo menos seis vezes por dia.
Inútil assinalar ainda que o Rio, cidade de limpeza urbana ocasional, está catalogado pela Agência TripAdvisor International como "uma das dez cidades turísticas mais sujas do mundo", ao lado de Bangkok e Bombaim, urbes 100% putrefatas. Nas suas calçadas e sob viadutos, vegetam cerca de 90 mil zumbis,  alcoolizados ou maconhados e famintos, num vai e vem sem fim. Pior: nas regiões serranas, chuvas mais prolongadas colocam cidades como Petrópolis, Teresópolis e Friburgo à mercê de desabamentos fatais pelo deslizar de encostas sobre casas e barracos. Em geral, como as   verbas oficiais são roubadas pelos prefeitos não há ação preventiva nem apoio aos deserdados da sorte.   
Voltando ao "desastre" Amorim - o candidato do condenado Lula ao governo do Rio de Janeiro -, descobri  que o espaço ficou exíguo para relatar parte mínima de suas "proezas". Fica para o próximo artigo.
Fonte: http://www.diariodopoder.com.br

"Lula foi condenado 'por convicção' dos magistrados, sim: não há outra forma!"

Por Ricardo Bordin
Desde aquela fatídica e bendita tarde em setembro de 2016, quando a equipe da Lava-Jato demonstrou por meio de uma simples apresentação de PowerPoint a posição central ocupada por Lula no organograma do Petrolão, extremistas de esquerda passaram a vociferar contra uma suposta afirmação feita na ocasião por um dos procuradores envolvidos na investigação: "nós não temos provas, mas temos convicção".
First things first: essa assertiva jamais foi proferida por nenhum membro do MPF em Curitiba, nem naquela data, nem nunca. Trata-se de uma fakenews de fazer corar as bochechas até do mais desavergonhado dos mentirosos, resultado da junção de frases ditas por dois procuradores diferentes em contextos distintos.
Na falta de argumentos técnicos para contrapor uma peça acusatória recheada de elementos comprobatórios dos crimes cometidos por Lula, nada restou aos apoiadores do ex-presidente senão continuar batendo na mesma tecla frouxa. Certamente seguirão eles até o leito de morte repetindo que "não se pode condenar alguém apenas por convicção".
E até que eles poderiam estar certos, caso não estivessem absolutamente errados: convencer o magistrado da culpa ou da inocência de um réu é justamente o que determina, respectivamente, sua condenação ou absolvição.
Este é o jogo que é jogado nos tribunais penais do mundo todo a todo momento: o Ministério Público, em sua tarefa de obter a condenação de um suspeito, precisa formar o convencimento do juiz ou do júri neste sentido. O advogado de defesa, a seu turno, precisa formar o convencimento dos julgadores no sentido oposto.
Em suas empreitadas, tanto um lado quanto outro do embate oferecerão aos julgadores elementos de convicção, como provas materiais, documentais, testemunhais, bem como irão trazer ao juízo uma narrativa mais ou menos coerente que concatene os fatos atinentes à denúncia e reforce suas teses. O Promotor de Justiça ou Procurador buscará conferir a autoria do crime ao acusado; o defensor deste tentará refutar as alegações daquele.
Após avaliar tudo que foi exposto por ambas as partes do processo, a autoridade julgadora terá sido, ao fim e ao cabo, CONVENCIDA de que fulano é culpado ou inocente.
Ou seja, da próxima vez que um petista sair-se com este pífio bordão em defesa de Luiz Inácio, gritando aos perdigotos que querem condená-lo "apenas" com base em convicção, esteja convicto de que estás diante de um ignorante de marca maior metido a safo…
Publicado originalmente em https://medium.com/@rickbordan/
Fonte: "Mídia Sem Máscara"

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Venda antecipada de "Pantera Negra"



A Orient Cinemas anunciando a venda antecipada de ingressos para o lançamento de "Pantera Negra" (Black Panther), a partir desta quinta-feira, 1 de fevereiro. O filme entra em cartaz no Orient Cineplace Boulevard no dia 15 do próximo mês.
Garanta seu ingresso na bilheteria do cinema ou pelo site 

Lançamento de "Aurora da Nossa Infância"

No Blog "Carrossel Sócio Cultural" - https://brandomary15.blogspot.com.br/ -, o escritor José Francisco Brandão de Freitas (Foto 2, com Mary Barbosa, sempre patronesse) apresenta, em primeira mão, a capa (Foto 1) do seu novo livro, "Aurora da Nossa Infância", com previsão de lançamento para o mês de março, em data a ser definida, tão logo receba a tiragem da gráfica. O livro trata sobre a rua da Aurora, atual Desembargador Filinto Bastos.
"Reminiscências de Feira de Santana" (2013), "Eme Portugal: O Mito Social Feirense" (2014) e "Cid Daltro - 50 Anos de Glamour" (2016), foram os livros anteriores de Brandão. Todos lançados no Casarão Fróes da Motta, como vai ocorrer com esta nova publicação.

Boulevard promove liquidação com até 70% de desconto

Desta terça-feira, 30, a quinta-feira, 1º de fevereiro, ocorre a liquidação mais esperada de Feira de Santana: o DDD – Dias De Desconto Boulevard. A iniciativa que acontece no maior centro de compras da região irá oferecer a todos os clientes três dias de descontos imperdíveis que podem chegar a até 70%.
"O DDD é uma ótima oportunidade para adquirir as melhores marcas pelos menores preços e renovar o guarda-roupa gastando pouco"
, diz a gerente de Marketing do shopping, Nadinne Matos. A liquidação, que voltou com força total em 2018, irá contemplar todo o mix de lojas do mall que funcionará em horário normal durante os três dias. Além de vestuário, será possível encontrar acessórios para casa, eletrônicos, eletrodomésticos e muito mais.
Para aproveitar ainda mais as promoções e descontos especiais, basta seguir o Instagram do Boulevard (@boulevardfeira). O canal será o meio digital para divulgação da campanha. Com o mote 'Descontos que merecem um like', será possível acompanhar as principais ofertas do DDD através dos stories e de postagens no feed.
#DesafiosDeDescontosBoulevard 
À convite do Boulevard Shopping, as digital influencers Mila @achadosdamilac e Maria Clara @papo.deamiga vão participar de um super desafio durante o DDD. Ambas as blogueiras são de Feira de Santana e conhecidas por trazerem nos seus perfis "achadinhos" interessantes a partir do seu custo benefício. Ou seja, elas adoram liquidação e seus seguidores também! Enquanto @achadosdamilac já ultrapassa o número de 11 mil seguidores, @papo.deamiga está quase na casa dos 8 mil.
Cada blogueira será responsável por cumprir três desafios por dia. A proposta é compor looks com os itens em liquidação encontrados no DDD. O primeiro desafio é montar um look para o carnaval com o menor valor possível. Já o segundo será usar roupas com estampas de flores e frutas de forma elegante, pensando em um look para trabalho. Para finalizar, a blogueira convidada deve fazer um look do dia a dia pensando nos homens, apostando nas tendências florais, listras e tons pastéis.
No terceiro dia do DDD, os looks montados por cada blogueira ficarão disponíveis no Instagram do shopping, e os seguidores, poderão opinar na escolha do look que mais combina com o seu estilo. No mesmo dia, será possível saber quais combinações mais agradaram o público.
(Com informações da ComunicAtiva Associados)

"Palestinos preferem terrorismo a acordo de paz, comprova pesquisa"

Índices aumentaram após reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel
Um número maior de palestinos apoia ataques terroristas contra judeus israelenses após reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel por parte dos Estados Unidos. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Centro Palestino de Pesquisa Política, cerca de 40% dos palestinos árabes moradores de Jerusalém, Judéia, Samaria e da Faixa de Gaza apoiam o uso da "uta armada" contra israelenses.
A proporção de palestinianos favoráveis à luta armada quase duplicou em relação a uma sondagem similar, realizada há seis meses. Ao mesmo tempo, o apoio à solução dos dois Estados caiu entre os palestinianos.
A pesquisa também mostrou que se um plano de paz fosse apresentado a ambos os lados após as negociações, a maioria dos israelenses e moradores da Autoridade Palestina não o aceitaria.
Um número ainda menor de palestinos (26,2%) apoia a retomada as negociações, dizendo que acreditam que a Autoridade Palestina deveria buscar um acordo de paz.
A maior parte dos entrevistados (38,4%) disse ser favorável ao uso da violência, com um índice maior (43%) entre os moradores da Faixa de Gaza. A minoria apoia uma “luta desarmada” contra Israel (11%) e 19,7% desejam que o status quo se mantenha inalterado.
Ao todo, foram entrevistados 1.270 pessoas, sendo 830 residentes em Jerusalém, Judéia e Samaria, e 440 moradores da Faixa de Gaza, governada pelo Hamas.
Segundo os autores da pesquisa, o posicionamento de Donald Trump impulsionou o apoio popular ao terrorismo. "Não há absolutamente nenhuma dúvida de que a declaração Trump foi a causa fundamental", disse Khalil Shikaki.
Dahlia Scheindlin, do Centro Tami Steinmetz da Universidade de Telaviv e coautora do levantamento, acredita que o apoio à luta armada deve diminuir nos próximos meses se a incidência de protestos cair. 

Com informações Israel National News

"Teoria das provas dá a certeza: tríplex é de Lula"

A corajosa juíza aposentada Denise Frossard, que meteu na cadeia os bicheiros do Rio de Janeiro, lembrou àqueles adoradores de Lula, que reclamam da ausência de escritura do tríplex do Guarujá, que no crime de homicídio, por exemplo, "não se tem o retrato do momento do crime, mas são as circunstâncias, os indícios, que vão compor, tecnicamente, a prova." Assim, "circunstância é o que está 'em torno', circum stare.
A teoria das provas
"Várias circunstâncias formam um indício", ensina Denise Frossard,    "várias indícios formam uma prova. É a Teoria das Provas".
É uma ciência
A Teoria das Provas vem do Direito Romano, milenarmente usada e   aceita. "É uma ciência", informa a experiente juíza carioca.
Tríplex é de Lula
No caso do tríplex do Guarujá, a Teoria das Provas prevaleceu, para se aceitar a propriedade do imóvel, de fato, pelo réu condenado Lula.
OAS era laranja
Ficou provado por documentos e testemunhas, inclusive delatores, que a OAS atuou como laranja de Lula, mantendo a titularidade do imóvel.
Fonte: Cláudio Humberto

"Ficha Limpa: Os tempos (e os ladrões) são os outros"


O projeto da Lei da Ficha Limpa só foi adiante porque os partidos de "esquerda" (PT, Psol, PDT etc), no poder com Lula, vendiam a ideia de que só havia ladrões na "direita" e se apropriaram da iniciativa. A lei foi sancionada pelo então presidente Lula em 2010. Agora que Lula é apontado o chefe da quadrilha que mais roubou o Brasil, para aqueles partidos a Lei da Ficha Limpa já não é assim tão importante.
Só serve para os outros
O PT percebeu que a Lei da Ficha Limpa poderia atingir adversários como o ex-governador do DF Joaquim Roriz, por isso a viabilizou.
O PT se apropriou
Projeto de iniciativa popular, a Ficha Limpa foi relatada pelo deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP), ele mesmo, o advogado de Dilma.
Não serve mais
Se antes PT & Cia pregavam a Lei da Ficha Limpa, agora tentam articular no Congresso e até na Justiça uma forma de neutralizá-la.
Questão de tempo
Segundo a súmula do Tribunal Regional Federal, tão logo sejam considerados vencidos os agravos, começará a execução da pena. Aí Lula se apresentará à Justiça. Ou a polícia vai buscar o meliante.
Pensando bem...
...parece que a ficha (suja) ainda não caiu no PT.
Fonte: Claudio Humberto