*

*

*

*

sexta-feira, 28 de julho de 2017

"Ganhava bem, mas parecia viciado em propina"



A propina exigida da Odebrecht por Aldemir Bendine era falta de vergonha misturada com ganância. Ele recebia R$ 62,4 mil do Banco do Brasil, como aposentado, e mais R$ 123 mil para presidir a Petrobras, mas decidiu cobrar propina da empreiteira antes mesmo de assumir o cargo. Após sair do comando da petroleira, o ambicioso Bendine ainda levou mais R$ 750 mil pela infame quarentena. Esse valor equivale a seis meses de salário do cargo ocupado durante o governo Dilma.
Testemunhas não faltam
Vários executivos delataram os achaques de Bendine, e até um ex-motorista, que revelou a rotina de leva-e-traz de malas de dinheiro.
Prisão esperada
A prisão Aldemir Bendine era uma das mais sólidas certezas, no âmbito da Lava Jato, em razão do estilo agressivo, no submundo de Brasília.
Dilma era fã
Quando o escolheu para presidir a Petrobras, a então presidente Dilma o anunciou como uma espécie de "salvação". Quase quebrou a estatal.
Fonte: Cláudio Humberto

Nenhum comentário: