Venda antecipada de ingresso no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada de ingresso no Orient Cineplace Boulevard

Lançamento nacional dia 31

Lançamento nacional dia 31
No Orient Cineplace Boulevard

No Orient Cineplace Boulevard

No Orient Cineplace Boulevard

quinta-feira, 13 de julho de 2017

"A condenação de Lula apressa o enterro do Brasil antigo"

Por Augusto Nunes
A sentença de Sérgio Moro fez mais do que provar que o país que presta sempre teve razão: Lula é mesmo o dono do triplex no Guarujá. A decisão histórica foi o triunfo da Justiça sobre um Brasil antigo e enfim agonizante. Em parceria com a força-tarefa de procuradores e policiais federais, com o apoio da esmagadora maioria da nação exausta de canalhices impunes, amparado na montanha de provas que recomendavam aos gritos a punição do réu, o bravo juiz da Lava Jato enfrentou com sucesso todas as abjeções agrupadas na frente ampla dos cafajestes em perigo.
A condenação de Lula derrotou o cinismo obsceno do chefão do maior esquema corrupto de todos os tempos, as bravatas do PT e da pelegagem sindicalista, as ameaças anônimas, o rancor fanático de siglas estacionadas no século 19, as chicanas afrontosas de advogados sem álibis nem pudores, as invencionices difamatórias dos blogueiros alugados e as manobras repulsivas que juntaram delinquentes ainda em liberdade e comparsas alojados na cúpula dos três Poderes, fora o resto.
Nesta quarta-feira, 12, consumou-se a vitória da esperança sobre a descrença dos pessimistas profissionais. E foi enviado um aviso aos que ainda duvidam das profundas mudanças ocorridas no Brasil da Lava Jato. O merecidíssimo castigo aplicado a Lula informa que o país do "sabe com quem está falando?" começou a respeitar o primeiro mandamento do Estado Democrático de Direito: todos são iguais perante a lei. Como ninguém é mais igual que os outros, não existem bandidos inimputáveis, mesmo que tenham ocupado por oito anos o gabinete presidencial. A tribo dos que se imaginam condenados à perpétua impunidade está perto da extinção.
Fonte: http://veja.abril.com.br

Nenhum comentário: