*

*

No Orient Cineplace

No Orient Cineplace
13h20 - 15h50 - 16h30 - 18h20 - 19 - 21h30 (Dub) - 20h50 (Leg)

Rede Orient - 14 de dezembro

Rede Orient - 14 de dezembro
Orient Cineplace Boulevard - 15 - 18 (Dub) - 21 (Leg)

terça-feira, 20 de junho de 2017

Filme faz homenagem à Cuba dos anos 50

Com roteiro do escritor cubano Guillermo Cabrera Infante (vítima da revolução de Fidel Castro), “A Cidade Perdida”, primeiro longa de Andy Garcia (outra vítima) faz homenagem à Cuba dos anos 50.
Este filme foi visto no Orient Cineplace Boulevard, em 2006, e tenho revisto em DVD de minha coleção, para confirmar sua qualidade.
Temas como drama familiar e romance impossível estão no filme, que retrata a cultura da época, a dança, a música. Tudo com uma bela fotografia e figurino apropriado. É um filme que emociona e faz pensar sobre o que é tirania. É ambientado em Havana, final dos anos 50, no momento da turbulenta transição do opressivo regime de Fulgencio Batista para o governo marxista de Fidel Castro. Os horrores da revolução cubana são mostrados, assim como a realidade histórica, mas não do ponto de vista comunista. Mostra também que toda ditadura é ruim, seja de direita ou principalmente de esquerda. Numa cena, Che Guevara, sem o romantismo da mídia, informa que eliminou mais um dos 55 prisioneiros, muitos dos quais ele próprio acionando o gatilho. Ele fala que "os fins justificam os meios".
Andy Garcia, também ator principal, interpreta o dono de um clube de sucesso nessa época e que acaba exilando-se em Nova York. Ele considera seu filme como um tributo histórico à sua terra natal. Além de Andy Garcia, o elenco tem Bill Murray, Dustin Hoffman, Tomás Milian, Millie Perkins, Richard Bradford e Inés Sastre.
A homenagem agridoce de Andy Garcia à Cuba levou 16 anos para ser realizada. Utilizando a música, literatura e a dança, o filme captura Havana em sua florescência tropical. Aborda o momento em que músicos eletrificavam audiências com o ritmo feito em Havana daquela época.
A trilha sonora é composta por 40 canções diferentes, entre mambos, cha-cha-chas, rumbas, danzones, boleros. Juntas, criam uma história oral de Cuba. São canções de amor a uma cultura indomável, que se revela na música, mas também na dança, na poesia, nas heranças européia e africana, na revolução, no tabaco e no azul do céu e da água que circunda a ilha.
Enfim, trata-se de uma aula da história de Cuba, bem diferente do que a mídia e as universidades ensinam. Tanto que "A Cidade Perdida" não recebeu a divulgação que merece.


Nenhum comentário: