*

*

No Orient Cineplace

No Orient Cineplace
13h20 - 15h50 - 16h30 - 18h20 - 19 - 21h30 (Dub) - 20h50 (Leg)

Rede Orient - 14 de dezembro

Rede Orient - 14 de dezembro
Orient Cineplace Boulevard - 15 - 18 (Dub) - 21 (Leg)

terça-feira, 2 de maio de 2017

Morre ex-ministro da Educação com laços de família em Feira de Santana

Em uma das vezes que esteve em Feira de Santana como ministro, Eduardo Portella proferiu aula magna na Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), em 1979, quando do reitorado de José Maria Nunes Marques
Fotos: Blog Por Simas e Blog Santanópolis

Faleceu nesta terça-feira, 2, no Rio de Janeiro, do escritor, crítico literário e ex-ministro da Educação Eduardo Portella, aos 84 anos, com laços de família em Feira de Santana.
Nascido em Salvador em 8 de outubro de 1932, Eduardo Mattos Portella era filho de Enrique Portella e de Maria Diva Mattos Portella. Fez os primeiros estudos em Feira de Santana, inclusive no Colégio Santanópolis, e os secundários no Recife. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco, em 1955.
Ele integrou o gabinete civil do presidente Juscelino Kubitschek, foi ministro da Educação no governo João Figueiredo e secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro. Também coordenou a pasta de Educação, Cultura e Comunicação da Comissão de Estudos para a Constituição de 1988 e foi presidente da Conferência Mundial da Unesco de 1997 a 1999. 
Ele era ocupante da cadeira número 27 da Academia Brasileira de Letras (ABL), cujo patrono é Antônio Peregrino Maciel Monteiro, tomando posse na entidade em outubro de 1981.
No primeiro ano do curso de Direito iniciou-se na crítica literária no "Jornal Universitário", colaboração única, mas que positivou o início de uma vocação. Começou sua colaboração regular de crítico no "Diário de Pernambuco", pela mão de Mauro Mota. Entrou no convívio de Gilberto Freyre, Aníbal Fernandes, Lucilo Varejão, Moacyr de Albuquerque. Fez parte do grupo de  intelectuais que fundou a Editorial Sagitário. É considerado o introdutor, no Brasil,  na crítica militante, da "nova crítica de base estilística" (registro de Afrânio Coutinho) e, no ensino universitário de Letras, da "compreensão ontológico-hermenêutica" (conforme Emmanuel Carneiro Leão).
De 1952 a 1954, concomitante - como permitia a lei educacional vigente naquele período - ao curso de Direito, fez estudos em instituições europeias de ensino superior. Em Madri, estudou Filologia, Romanística, Crítica Literária e Estilística com Damaso Alonso e Carlos Bousoño, e Filosofia com Xavier Zubiri e Julián Marías. Em Paris, frequentou as aulas de Bataillon, no Collège de France, e aulas na Sorbonne. Em Roma, na Faculdade de Letras, assistiu a aulas de Giuseppe Ungaretti, sobre Literatura Italiana.
Estreou em livro, em 1953,  com "Aspectos de la Poesía Brasileña Contemporânea", tese apresentada nas I Jornadas de Lengua y Literatura Hispanoamericana, em Salamanca.
Desde 1953 fez opção pela docência universitária: inicialmente em Madri, na Faculdade de Letras da Universidade Central de Madri; seguida em Recife, na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Federal de Pernambuco; prosseguindo no Rio de Janeiro, na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde permaneceu conquistando todas as titulações, por concursos públicos de provas e títulos, até receber o título de Professor Emérito.
Simultaneamente ao exercício acadêmico, ocupou inúmeros e diferentes cargos públicos em seu país, desde 1956, quando foi nomeado técnico de Educação do Ministério da Educação e Cultura, até 1979 quando exerceu a maior função desse mesmo ministério, ministro de Estado da Educação, Cultura e Desportos. Sua trajetória administrativa, e funções exercidas no campo da educação e da cultura se fizeram marcar também no exterior, a partir de 1988, quando foi nomeado diretor geral adjunto da Unesco, cargo que ocupou por cinco anos consecutivos. Foi eleito, para o período de 1997-1999, pelo colegiado superior, presidente da Conferência Geral da Unesco. Coordenava, desde 1998, o Comitê Chemins de la Pensée d'Aujoud'hui (Unesco-Paris). E foi eleito em 2000, e reeleito em 2003, presidente do Fond International pour la Promotion de la Culture (Unesco-Paris). Destas funções se desligou em 2009, para se dedicar à edição de suas obras reunidas, publicadas e por publicar.
Deixou registrada nos anais da história a frase: "Não sou ministro, estou ministro", demonstrando a transitoriedade do cargo público. Ao deixar o Ministério por defender a valorização dos professores, pleito da greve dos docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, recebeu o apoio de intelectuais como o do Alceu Amoroso Lima, registrado em artigo no Jornal do Brasil, intitulado: "Caiu para cima".
Outros diversos cargos e atividades técnicas estão registradas no seu extenso currículo.
Fonte: http://www.academia.org.br


Nenhum comentário: