#vaiterBRT

terça-feira, 6 de setembro de 2016

"Não são manifestantes; são bandidos"


A imprensa precisa parar de mentir aos brasileiros

Por Reinaldo Azevedo
O Brasil já assistiu a algumas conjurações. Houve a revolta dos Mascates, a dos Emboabas, a Conjuração Mineira, a Conjuração Baiana… Estamos assistindo, de forma inédita, à Revolta dos Ladrões. Que coisa fabulosa! Os que hoje estão indo às ruas, abusando de todos os rigores da violência, para falar "contra o golpe" e em favor das "Diretas Já", emprestam uma roupagem política à defesa de um modelo que assaltou o provo brasileiro; que quebrou a maior empresa do país, fazendo-a a mais endividada do mundo; que nos jogou numa recessão inédita, que nos fez recuar em mais de década em vários indicadores; que elevou o endividamento a alturas insuportáveis, que, em suma, quebrou o Brasil.
E tudo isso para quê? Para, como dizem em sua fantasia autocomplacente, "libertar o povo brasileiro"? Para lhe garantir melhores condições de vida? Para ver nas ruas uma população soberana e senhora de si? Uma ova! Tratava-se apenas da construção da chamada hegemonia política. Seguindo a tradição da esquerda, os iluminados criaram o aparelho partidário e decidiram que ele substituiria a sociedade. Opor-se a ele, nesse modelo, correspondia a opor-se ao Brasil.
Para realizar tal desígnio, os petistas juntaram-se à escória das elites tradicionais e decidiram ser usuários de todas as safadezas do sistema político com as quais juraram que iriam acabar.|
Não por acaso, nas eleições, Lula e Dilma atribuíam a seus adversários as piores e mais oblíquas intenções. Eles eram os monopolistas do bem e dos bons sentimentos, não é assim? Agora, tragados pelas ruas, pelas leis e pela Constituição, gritam "golpe" e saem por aí pregando soluções mirabolantes.
Mentem, como sempre, de forma determinada ao afirmar que se opõem à violência. Não! A violência lhes é útil porque podem se fingir de heróis na luta contra a polícia, como se ainda estivessem enfrentando alguma força ditatorial.
O pior papel, nesse caso, cabe mesmo a amplos setores da imprensa, que se negam a chamar as coisas pelo nome e, ao agir assim, não reconhecem, também eles, os fundamentos de uma sociedade democrática e de direito.
É um absurdo que os atos violentos que se seguem aos protestos sejam considerados, como é mesmo?, coisa de vândalos. O senhor Guilherme Boulos conta com a sua tropa de choque para elevar a temperatura das ruas, literalmente. Seus incendiários são parte da equação. Tanto é assim que não o vemos a censurar os black blocs. Ao contrário: ele prefere atacar a Polícia Militar.
Mais: onde está a Dilma que convocou a resistência? Onde está Lula, que convocou a resistência? Onde está o PT? Ora, estão assistindo à pancadaria, na aposta de que esta possa lhes ser, de algum modo, útil. Quando menos, pode elevar o partido ao menos um tantinho da indigência eleitoral a que lhe relegará o povo brasileiro neste 2016.
Não são apenas bandidos! São também oportunistas.
Eles têm claro que uma reversão do quadro se afigura impossível. Já se mobilizam contra as reformas que estão por vir. O Brasil do atraso, do corporativismo e do estatismo supostamente piedoso constitui a seiva de que se alimenta o PT.
Mas o Brasil já os venceu uma vez e vai vencê-los de novo.
Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

Nenhum comentário: