Venda antecipada de ingresso no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada de ingresso no Orient Cineplace Boulevard

Lançamento nacional dia 31

Lançamento nacional dia 31
No Orient Cineplace Boulevard

No Orient Cineplace Boulevard

No Orient Cineplace Boulevard

terça-feira, 27 de setembro de 2016

As chanchadas de antigamente eram bem melhores

Adelaide Chiozzo e John Herbert, casal romântico em "O Petróleo É Nosso"

Pôster da chanchada brasileira
Fotos: Reprodução
 
O primeiro filme brasileiro que assisti, "O Petróleo É Nosso", de Watson Macedo, 1954, foi a minha quinta ida ao cinema - no caso, Cine Íris, em 1955. Estava com sete anos de idade.
Premiado como Melhor filme no Festival Cinematográfico do Distrito Federal, em 1954, "O Petróleo É Nosso" foi um dos grandes sucessos do gênero chanchada - assim eram chamadas as comédias, recheadas de números musicais com artistas famosos.
No elenco, Violeta Ferraz, Catalano, Adelaide Chiozzo, Heloísa Helena, Mary Gonçalves, Nancy Wanderley, Pituca, John Herbert, Consuelo Leandro e Wilson Grey.
As páginas musicais: "Graças a Deus", com Linda Batista; "Renunciei", "São Paulo" e "Parabéns", com Emilinha Borba; "Zé Corneteiro", com Virgínia Lane; "Casa Portuguesa", com Gilda Valença; "Sabiá" e "Tempinho Bom", com Adelaide Chiozzo; "Sob o Céu de Paris", com Ivon Curi; entre outras.
Interessante no filme, o nome que é dado à companhia petrolífera: Petroneca (ou seja, petróleo...nada). O título do filme remete à campanha publicitária nacionalista nos anos 40.
Depois, pela ordem, a assistência de "Sai de Baixo", de J. B. Tanko; "Carnaval em Marte", de Waton Macedo; "Angu de Caroço", de Eurides Ramos; "Metido a Bacana", de J. B. Tanko;  "Colégio de Brotos", de Carlos Manga; "O Noivo da Girafa", de Victor Lima; e "Garotas e Samba", de Carlos Manga.
Com a lembrança, uma certeza: as chanchadas de antigamente eram bem melhores que as atuais do cinema brasileiro.
Postagem publicada originalmente em 6 de setembro de 2013

Nenhum comentário: