*

*

*

*

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Em memória de Carlo Barbosa



Artista plástico Carlo Barbosa (1945-1988)
Maior obra das artes plásticas feirenses: "Flagelo de Lucas da Feira", acrílica sobre tela, 240 x 150, 1987, pertencente ao Município de Feira de Santana, emprestada ao acervo do Museu Regional de Arte
Fotos: Reproduções

Nesta segunda-feira, 20, se estivesse vivo, o artista plástico feirense Carlo Barbosa (1945-1988) faria 71 anos. 

Como disse a crítica de arte Lígia Motta, Carlo Barbosa tem"“uma trajetória artística significativa para as artes plásticas da Bahia e do Brasil. Autodidata, pintou de tudo, retratos, obras decorativas e quadros temáticos diversificados, apurando sua técnica com intuição e inspiração surpreendentes. Pintou o sincretismo religioso que havia na festa em homenagem a padroeira da cidade Nossa Senhora Santana, posteriormente pintou anjos, santos e romeiros".
Para Lígia, "sua obra permanece viva do que nunca, forte, atual e a cada dia mais, se revelando como nova, na sua beleza plástica, no conteúdo e na riqueza dos seus detalhes, as vistas de conhecedores, iniciantes e leigos, todos, admiradores de uma arte verdadeira, a arte de Calo Barbosa".
Lembrar que Feira de Santana abriga desde 2002, a Fundação Carlo Barbosa (FCB) que tem proporcionado ações no sentido de inserir a obra do artista no contexto cultural da cidade, por meio de trabalhos como sites, palestras, programas de visitação, exposições, seminários de pesquisa, projetos, oficinas de arte, curso livre de pintura e estudo da obra. Seu objetivo maior é preservar todo acervo do artista, composto de telas, desenhos, fotografias, publicações e documentos. 
A presidente desta fundação, Lucy Barbosa, tem desenvolvido um trabalho competente e de grande importância para os feirenses. Na sexta-feira, lançou no Mercado de Arte Popular mais um álbum "Memórias - Pintores de Feira de Santana", com reproduções de trabalhos da segunda fase religiosa de Carlo Barbosa.
Ações como estas são fundamentais para contribuir com a memória de Feira de Santana. Carlo Barbosa, artista singular, é um dos grandes ausentes do cenário das artes plásticas feirenses, ao lado de Raimundo de Oliveira, Eduardo Carvalho, Pedro Roberto e Marcus Moraes, além de artistas vivos como César Romero, Gil Mário, Graça Ramos, Juraci Dórea e Leonice Barbosa.
Ausente fisicamente, Carlo Barbosa está presente com o legado que deixou para a posteridade com telas espalhadas por todos os cantos e em exposição permanente na Fundação Carlo Barbosa. São telas povoadas de baianas, vaqueiros, romeiros, caboclos, santos, operários na paisagem urbana, ex-votos, misticismo. Carlo sempre bebeu na fonte de sua inspiração criadora.
Com estilo próprio e definido, ele soube retratar bem manifestações populares de sua terra, universalizando-a através dos traços e das cores fortes. A raiz popular sempre esteve nas telas do artista. Sua pintura pode ser definida como figurativa. Seus trabalhos, principalmente da última fase, são de grande força e vigor, de composição dramática que refletem visões que povoavam sua mente, trabalhos que demonstram a sua maturidade artística.
É recorrente, mas deve ser dito que a morte parece elevar mais as pessoas. Depois de 28 anos de seu desaparecimento, Carlo Barbosa aumenta o seu reconhecimento, sua obra é mais vista, estudada e discutida. Até na Espanha e no Japão, onde já teve trabalhos expostos.
Com o projeto "Memórias:- Pintores de Feira de Santana", uma contribuição para que a memória de Carlo Barbosa seja para todo o sempre.
Ele também empresta seu nome a única galeria de arte da cidade, a Galeria de Arte Carlo Barbosa, do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca) da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).

Nenhum comentário: