Venda antecipada de ingressos no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada de ingressos no Orient Cineplace Boulevard

Em lançamento mundial no Orient Cineplace Boulevard

Em lançamento mundial no Orient Cineplace Boulevard
13 - 15h40 - 18h25 (Dub) - 21h10 (Leg) no Orient Cineplace Boulevard

quarta-feira, 20 de abril de 2016

"Lula, Falcão e Haddad traçam plano de sabotagem do governo Temer"



Por Reinaldo Azevedo
Bem, reconheça-se ao menos uma honestidade ao PT, já que nenhuma outra lhe pode ser atribuída. O partido decidiu que, na vigência do governo Michel Temer, vai se comportar como um sabotador e atuará ao arrepio da Constituição, das leis e das instituições. Espero que a democracia e o estado de direito se encarreguem da turma caso a legenda cumpra suas ameaças.
O plano de sabotagem do futuro governo foi delineado nesta terça-feira, em encontro no Instituto Lula, que reuniu, além do antecessor de Dilma, o presidente do PT, Rui Falcão; o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad — eis um homem que entende de povo -; o coxinha vermelho Guilherme Boulos, do MTST; e Gilmar Mauro, do comando do MST.
Depois de dar com os burros n’água ao tentar transformar o país num prostíbulo de quarto de hotel, Lula está revoltado. Anda bravo até com o deputado Tiririca. No encontro, o chefão petista defendeu que o caminho é deslegitimar o governo Michel Temer. Ele não se mostrou um entusiasta, por enquanto, do encurtamento do mandato de Dilma, com novas eleições. Disse que isso seria jogar a toalha. Bem, ainda que não fosse, tratar-se-ia de uma inconstitucionalidade.
Foi de Rui Falcão que partiram a ameaça e a promessa explícitas. Ao falar com a imprensa depois do encontro, disse qual é o busílis:
"O PT não vai permitir que ele ponha em prática o seu programa. Não podemos permitir que, depois de anos de avanço, venha um cara sem voto retirar direitos que foram conquistados com muita luta. É muito mais do que oposição parlamentar só. É dizer para a população que, com um governo ilegítimo, não tem paz, não tem tranquilidade, tem luta. É deslegitimação permanente aqui e no exterior".
Como se nota, é um plano de sabotagem que não dispensa nem mesmo a difamação do país mundo afora. Observem que não Falcão não está dizendo que vai se opor a essa ou àquela medida. Ele está deixando claro que não aceita é a solução constitucional. É a cara deles: nas eleições de 2006, 2010 e 2014, trataram a possibilidade de perder a disputa para a oposição como um retrocesso; como se a vitória do adversário constituísse um assalto ao poder. Eis a cabeça da esquerda mistificadora e mixuruca.
E a coisa não para por aí. Franjas do partido no mundo sindical, sob o comando de Lula, também partem para a ameaça.
A Federação Única dos Petroleiros, a FUP, convocou os sindicatos dos trabalhadores da Petrobras para discutir uma paralisação contra o impeachment. A entidade, que é ligada à CUT, alega que a saída ameaça direitos trabalhistas e pode representar "a entrega do pré-sal para as multinacionais". A FUP solicitou aos 12 sindicatos associados para debater a proposta de uma greve unificada com outras categorias para questionar o processo de impeachment. Nota à margem: em seu pronunciamento eivado de mentiras, a própria Dilma esgrimiu a mentira de que o futuro governo pretende entregar o pré-sal a empresas estrangeiras.
Eis aí a estratégia criminosa para inviabilizar o país. Assim agem as esquerdas quando são derrotadas numa disputa democrática: basta chamar a solução vencedora de golpe e reivindicar o suposto direito à rebelião, que nada mais seria, no caso em espécie, do que subversão da ordem democrática.
É claro que a democracia brasileira dispõe de instrumentos para enfrentar a desordem. E eles terão de ser usados caso ela sobrevenha. Talvez, em alguma medida, o PT conte com isso. Faz tempo que o partido tá doido para ver soldado na rua. Isso colaboraria com a sua farsa.
Que o futuro governo se prepare. Será preciso ser o mais didático e esclarecedor possível a respeito dos fatos que tomarem as ruas - caso isso venha a acontecer. Até porque será a disputa de uma minoria de extremistas e apaniguados, contra a maioria que luta honestamente para ganhar a vida, mesmo em meio às adversidades.
Mais: há uma diferença entre o exercício da liberdade de expressão e ameaças que, em qualquer democracia do mundo, seriam consideradas aquilo que são: terroristas.
Mas estou certo de que a democracia conseguirá combater as tentações ditatoriais da fascistada de esquerda, incluindo os convivas do encontro desta terça.
Fonte:

Nenhum comentário: