*

*

quarta-feira, 27 de abril de 2016

"Embaixadas do Brasil não apregoam 'golpe"'




Perde força no exterior a alegação de "golpe" no impeachment da presidente Dilma. Nenhuma embaixada brasileira no exterior recebeu instruções para difundir a versão petista junto aos governos onde representam o Brasil, tampouco junto a veículos de comunicação desses países. O próprio ministro Mauro Vieira (Relações Exteriores) tem mantido silêncio sobre o tema, em conversações no exterior.
Protocolar
Na Unasul, entidade dos países do continente, sábado (23), em Quito, Mauro Vieira só abriu a boca para felicitar a presidência da entidade.
Falando sozinho
Apenas o aspone Marco Aurélio Top-Top Garcia tomou a palavra em Quito para "denunciar o golpe no Brasil". Ninguém lhe deu atenção.
Balão de ensaio
Top-Top Garcia disse na Unasul que Dilma "cogita invocar a cláusula democrática". Foi avisado que se o Brasil fizesse isso, seria derrotado.
Não se aplica
A "cláusula democrática" pune países que sofram ruptura institucional. Não é o caso do Brasil, já rechaçou o Itamaraty por seu porta-voz.
Fonte: Claudio Humberto

Nenhum comentário: