*

*

*

*

segunda-feira, 7 de março de 2016

"Marcelo Odebrecht já fala pelos cotovelos à PF"

A nova sensação, na Lava Jato, é a disposição do empresário Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira, de prestar depoimento sob delação premiada. Ele já está sendo ouvido e "começou a cantar mais que canário", segundo fonte com acesso à força-tarefa. É muito temida no PT e no Palácio do Planalto a delação de Marcelo, maior parceiro dos governo do PT – que o beneficiaram com negócios bilionários.
Língua temida
A delação de Marcelo Odebrecht é tão temida que Dilma queria tirá-lo da cadeia o quanto antes, conforme o senador Delcídio do Amaral.
Negociação
Delcídio conta haver participado de negociação, a pedido de Dilma, para nomear um ministro do STJ comprometido em soltar Marcelo.
Nem pensar
A Odebrecht pediu ajuda a velho "cacique" goiano, padrinho de ministra do STJ, para soltar Marcelo. Mas ela reagiu com um contundente "não".
Um parto
Marcelo Odebrecht sucumbiu à delação após frustradas todas as esperanças de ser solto. No dia 19 ele completa 9 meses preso.
Delcídio: Reuniões com Dilma revelam intimidade
Ao contrário do que alardeia o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, não faltaram oportunidades a Delcídio do Amaral (PT-MS) para conversar reservadamente com a presidente Dilma. De abril, quando virou líder do governo, até sua prisão em novembro, foram mais de 30 encontros entre o senador e a presidente, entre encontros de coordenação política, jantares e reunião de líderes do Congresso.
Líder sem credibilidade?
Apesar do cargo de líder do governo e a proximidade de Delcídio a Dilma, Cardozo o acusou de usar "mentiras" e não ter credibilidade.
Íntimos
Delcídio também mantinha reuniões semanais com o ex-presidente Lula, como a que teria dia 26 de novembro, mas foi preso na véspera.
Ao pé do ouvido
Antes mesmo de liderar a base do governo Dilma no Senado, Delcídio teve um encontro reservado com a presidente em março de 2013.
Demorou, mas chegou
Desde a primeira fase, "a Lava Jato vai chegar no Lula?" era a pergunta mais frequente nas rodas de conversa sobre a gatunagem na Petrobras. Somente ontem, dois anos e 23 fases depois, ela chegou.
Conta outra...
Entre as lorotas que Lula contou, no discurso de sexta-feira (4), estava a de que se encontrava "de férias" quando teve de depor no Ministério Público Federal, em Brasília. Faltou esclarecer: férias de quê?
Organização criminosa
"Estamos sendo governados por uma organização criminosa", afirma o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), sobre a 24ª fase da Lava Jato, que investiga falcatruas atribuídas ao ex-presidente Lula.
Defesa ruim
A situação do governo e do PT é tão ruim que não há mais plano de defesa. A única estratégia dos governistas é tentar desqualificar denúncias e denunciantes, para não ter de responder às acusações.
Pergunta do contribuinte
Quem pagou as passagens aéreas e hospedagem dos deputados e senadores do PT e do PCdoB que viajaram a São Paulo bajular Lula?
Fonte: Claudio Humberto

Nenhum comentário: