Venda antecipada de ingressos no Orient Cineplace Boulevard

Venda antecipada de ingressos no Orient Cineplace Boulevard

Em lançamento mundial no Orient Cineplace Boulevard

Em lançamento mundial no Orient Cineplace Boulevard
13 - 15h40 - 18h25 (Dub) - 21h10 (Leg) no Orient Cineplace Boulevard

segunda-feira, 7 de março de 2016

"Lula na Polícia Federal"

Por Nivaldo Cordeiro
Leandro Narloch errou ao escrever no seu blog na Veja que o juiz Sérgio Moro errou ao determinar a condução coercitiva do ex-presidente Lula para prestar depoimento no âmbito do inquérito da Operação Lava Jato. Discordo da sua tese. Desde o início das investigações tudo apontava como sendo Lula o chefe da organização criminosa que operava desde a Presidência da República. Se algo estava errado era o simples fato de Lula até então não ter sido molestado pelos policiais. Outros atores, por muito menos, tiveram a prisão preventiva decretada.
Entendo não haver motivos para sua prisão preventiva, todavia, até porque não tem a possibilidade de fazer delação premiada, pois é o Chefe. Não tem a quem dedar. O espetáculo midiático e a chicana jurídica que Lula patrocinou ao ser convocado para depor no âmbito da Procuradoria do Estado de São Paulo deixou claro que ele se julga acima da lei e além do Código Penal. Os investigadores aproveitaram a comoção causada pela divulgação da delação premiada do senador Delcídio Amaral para fazer o que precisava ser feito.
Lula desmoronou. Sua fala apoplética depois de sair da Polícia Federal mostrou que ele acusou o golpe. Fez apelo direto aos seus sequazes dos movimentos sociais, repisando as tiradas populistas de sempre. Lula conseguiu novamente assustar a classe média, desabituada aos rompantes verbais que eram típicos até 2002. É o Lula furioso contra tudo e contra todos que sempre foi. É claro que essa fala só lhe reduziu o número de adeptos, nada agregou.
Lula e o PT tentaram mostrar que a operação policial é resultado de uma suposta conspiração das elites contra eles, o que é falso. Estamos diante apenas dos ritos judiciais preliminares a um julgamento que, pela abundância de provas, poderá resultar em uma condenação. Veja-se que Lula defendeu os empreiteiros que lhe foram generosos e não teve nenhuma palavra para condenar ou desautorizar aqueles que fizeram delação premiada. Quer fazer com que o público creia que tudo está dentro da normalidade e que nada de errado poderia emanar de suas ações, mesmo aquelas envolvendo óbvias e vultosas falcatruas.
Ao se comparar a uma jararaca ferida na cauda, mas com a capacidade de ação resguardada, Lula foi muito feliz com a imagem. De fato, ele é como uma serpente venenosa que ameaça e pode devorar o Brasil.
A situação é tão paradoxal que o mercado, sentindo a iminente queda do governo do PT e a provável prisão dos seus líderes, reagiu racionalmente, promovendo a valorização do real ante ao dólar e a elevação dos índices da Bolsa de Valores. É muito claro que o que está impedindo a volta da prosperidade no Brasil é a presença do PT no poder. Sua remoção será mais do que uma higienização no trato da coisa pública, será a restauração da confiança perdida, condição para a retomada dos investimentos.
Podemos dizer que a forma da condução das investigações no âmbito da Operação Lava Jato está correta. Levar Lula "sob vara" para depor era uma necessidade para demonstrar que ninguém está acima da Justiça e das leis. Quem fala grosso é a polícia, que tem o dever de dobrar os arrogantes e insubordinados. O timing foi perfeito. É preciso elogiar o trabalho realizado. Leandro Narloch e quem concorda com ele estão errados.
Hoje o Brasil amanheceu melhor.
Fonte: "Mídia Sem Máscara"

Nenhum comentário: