Clique na imagem

*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Governo Wagner acaba sem solução para Teatro e Centro de Convenções

Maquete do Teatro e Centro de Convenções
Foto: ACM

As obras do Centro de Convenções de Feira de Santana continuam empacadas. A construção do equipamento - com 80% das obras - foi completamente abandonada pelo governo petista, nos oito anos que se completam.
Antiga reivindicação da população feirense, o espaço cultural deveria estar em plena atividade, incluindo um moderno teatro, mas encontra-se trancado, com estruturas deterioradas, inacessível ao público e tomado pelo mato.
Além disso, o muro que cerca o local, sem qualquer conservação, provoca insegurança em quem passa por perto. É mais um exemplo de descaso do governo Jaques Wagner com a cultura de Feira de Santana.
O oitavo ano está se acabando e o governo petista mantém inalterado o quadro do Teatro e do Centro de Convenções. As obras do complexo cultural estão paralisadas nesse longo período. Várias alegações são dadas para a suspensão das obras - até uma incrível justificativa de "falhas no projeto" -, que em 2006 estavam bem adiantadas.
Já tratamos da questão inúmeras vezes neste Blog Demais. As lideranças políticas da base governista pouco estão se preocupando com o caso. Interessante que o deputado estadual José Neto, que na época do anúncio das obras, pelo então governador Paulo Souto, consideraram a capacidade do Teatro como pequena para as necessidades de Feira de Santana. Uma das alegações para a suspensão das obras é a capacidade do espaço, que estão considerando grande para a cidade.
A atitude do governo petista se configura como um retrocesso, um contrasenso.
Vale lembrar que o projeto do complexo foi bancado pela Prefeitura, assim como o Município quem doou a área para a construção. A autorização para a construção do Teatro e Centro de Convenções foi assinada em 6 de julho de 2005, pelo então governador Paulo Souto. A estrutura do prédio está erguida no bairro São João e tem 20 mil metros quadrados de área construída.
O certo é que Feira precisa tanto do Teatro como do Centro de Convenções. Todos consideram um equipamento importante para a cultura e para a economia do município. Pelo projeto original - do arquiteto sergipano Eduardo Carlo Magno, que ganhou licitação - o espaço conta com um Teatro para 720 espectadores, moderno, dotado de salas para ensaio, cenografia, oficina de produção, camarins, além de equipamentos de som e luz de última geração. O Centro de Convenções tem dois andares. No térreo, um pavilhão para eventos com 900 metros quadrados; no primeiro piso, salas de imprensa, administração e mais seis espaços para reuniões, palestras e congressos.
O empreendimento é de extrema importância para a cidade. Não só para desenvolver o turismo de negócios, mas também para alavancar as atividades artísticas. A execução do projeto ficou a cargo da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, através da Superintendência de Construções Administrativas (Sucab).
O investimento do Estado previsto na obra foi de cerca de R$ 13 milhões, que até dezembro de 2006 seguiu projeto arquitetônico. Pela previsão do governo anterior, as obras deveriam ser concluídas em março de 2007. Em 20 de setembro de 2006, o então secretário de Desenvolvimento Urbano, Roberto Moussallem, e o então secretário da Cultura e Turismo, Paulo Gaudenzi, estiveram em Feira de Santana para uma visita de inspeção. Eles constaram na época que as partes mais difíceis e demoradas já haviam sido feitas - a fundação e a estrutura. A partir daí, a conclusão seria rápida e depois viria a montagem de palco, iluminação cênica, som entre outros equipamentos.
O novo governo petista vai concluir a obra ou vai ficar embromando como o governo que se encerra e sua incrível lentidão e só olhando para o retrovisor, culpando o governo anterior? Como a cultura pretendida pelo governo petista é de feirantes e quilombolas, provavelmente só em outro governo para se ter a obra concluída.

Nenhum comentário: