*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

"Tratar e reprimir"

Por Demóstenes Torres
O sociólogo Fernando Henrique Cardoso exerceu diversos cargos importantes, nos quais se destacou, e seus êxitos conquistaram muitos admiradores, como eu. É um estadista como poucos, mas precisa rever sua atual bandeira, como coordenador da Comissão Global Sobre Drogas.
Reunião do grupo em Genebra, recém-encerrada, foi conduzida de tal forma que traficantes de drogas devem estar comemorando que expoentes mundiais trabalhem "pela legalização e regulamentação do uso da maconha como a melhor maneira de combater o tráfico de drogas e suas consequências".
O júbilo dos bandidos só não é maior que a fragilidade dos argumentos, cujo eixo é liberar por não conseguir combater. A conclusão deveria ser no sentido contrário. Trocar os métodos, não os lados. Fracassar no combate aos traficantes não dá, a nenhum líder, o direito de transformá-los em comerciantes comuns.
Se a falácia triunfar, cairão os gastos na repressão e nas despesas com cárcere. Porém, a folga no caixa dos governos terá outro viés, o do abandono da causa. A juventude, principalmente, ficará à mercê do narcotráfico, pois todo governo quer faturar e, com a maconha rendendo tributos, quanto maior o consumo, maior a arrecadação.
Em outro engano, o da redução de danos, alegam que legalizar maconha e distribuir seringa são políticas mais eficientes que prender traficantes e tratar os viciados.
Interpretações do gênero estão lotando as calçadas de zumbis dominados por entorpecentes. O começo é exatamente a maconha, que se for legalizada será ainda mais massificada. Em pouco tempo, o organismo pede mais em quantidade e torpor.
O que aguarda a sociedade? Processo igual se dará no campo legislativo, liberando a cocaína e seus rabichos, como o crack? O passo seguinte será o financiamento do Banco Mundial para lavouras de cannabis, o incentivo fiscal para refino de pó e a distribuição de cartilhas ensinando a fumar e injetar? Portanto, é preciso reagir antes que o uso de drogas seja obrigatório.
As estatísticas dos apóstolos do fumacê carecem do mínimo, o bom senso. Apresentam supostos dados da doença que o sujeito não contraiu por ter uma seringa para chamar de sua. A verdade é que querem se livrar do problema pela fuga.
A turma pró-descriminalização sabe que, em vez de atenuada, a repressão tem de ser incrementada, com tecnologia, investigação, priorização. Traficante tem de ir para a cadeia, não para a Junta Comercial. Usuário tem de ir para a clínica se tratar, não para o boteco reabastecer o estoque de maconha.
* Demóstenes Torres é procurador de Justiça e senador (DEM-GO)
Fonte: "Blog do Noblat"

Um comentário:

Mariana disse...

Concordo em absolutamente tudo com o senador Demóstenes Torres, tanto sôbre as qualidades de nosso ex-presidente como grande estadista, como sôbre êsse êrro de apoiar a liberação da maconha que, sob qualquer pretexto, não importa, sou também contra. Por mais que eu tente compreender esta atitude, fica mais difícil entender as suas razões.