Clique na imagem

*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

sábado, 29 de janeiro de 2011

Ação com leveza e humor em "O Turista"

Maria do Carmo Vieira tem se tornado uma comentarista de cinema e no seu "Blog de Maria Duth" está escrevendo sobre filmes assistidos.

Eis seu comentário sobre "O Turista", publicado na sexta-feira, 28:
Perseguição no rio e nos telhados, viagem de trem, amor, mistério, gângsters muito maus, bandidos bestalhões, investigador atrapalhado, espionagem e a beleza sofisticada de Angelina Jolie. Só esses elementos bastariam para fazer de "O Turista" (The Tourist), um filme interessante, mas o roteiro elaborado e a presença de Johnny Depp transformam o filme numa obra realmente singular.
Toda a história se desenvolve em torno da busca por um misterioso ladrão que, além de dever ao fisco americano, está na mira de um gângster cruel e frio. Onde está Alexander Pearce? Quem é Alexander Pearce? Essas são as perguntas que nós, expectadores, e o inspetor John Acheson (Paul Bettany, o ótimo Silas de "O Código da Vinci") fazemos o tempo inteiro. Mas, enquanto ela não é respondida, seguimos nos divertindo com Frank Tupelo (Johnny Depp - fabuloso!), um cara comum que se vê envolvido em algo perigoso do qual não faz a menor ideia (será mesmo?!), pelas mãos da bela Elise (Angelina Jolie), que ele "conhece" numa viagem de trem.
Entre flertes, fugas, perseguições e suspenses, o filme segue com leveza, até culminar numa deliciosa revelação. Então, ficamos sabendo que o famoso Pearce é um sujeito apaixonado, gente fina, que só quer ser feliz. Ah, e não andava muito distante não! Uma deliciosa surpresa!
Como sempre, Johnny Depp - um de meus atores favoritos, que me leva sempre ao cinema - está ótimo, sexy, convincente no papel de um simples professor em viagem turística, e muito competente em usar aquele olhar. Mas, há algo que preciso registrar: eu vi Jack Sparrow! Juro que vi. Tem uma cena em que Frank sai do barco e faz um gesto com a mão... Pra mim, Jack grudou em Depp pra sempre. E eu adoro!!!
Ah, antes que eu esqueça, como provável futura professora, não gostei nada da cena em que Elise tenta adivinhar qual a profissão do homem que acaba de conhecer, e ele sai com essa:
- Matemática..
- Professor de matématica..
- (...) tudo bem, mas ainda um professor.
Isso não foi um elogio...
Bem, detalhes sórdidos à parte, o fato é que o filme é bom porque entretem, diverte, tem boas interpretações e ainda nos leva numa viagem bem legal por Paris e Veneza, parte dela de trem.
Vale a pena assistir; nota 9.

4 comentários:

Mariana disse...

KKK...fico me perguntando, Dimas, qual seria a nota que nossa amiga Maria do Carmo daria ao filme, não fôsse Johnny Depp o protagonista,rs.

Mariana disse...

Ah, quanto ao "elogio" à profissão dêle, pensei que só por estas bandas não fôsse valorizada.

Maria do Carmo Vieira disse...

Pois é, Mariana, uma lástima. Obrigada, Dimas, mas ainda estou longe de ser uma "comentarista de cinema", apenas registro minhas impressões porque sou muito esquecida, e o blog é uma excelente ferramenta. Um abraço!

Anônimo disse...

Companheiro Dimas, bela resenha do filme. Realmente o filme apesar da atração maior ser a presença dos astros Angelina Jolie e Johnny Depp, trás uma história muito bem contada e que prende o espectador até o último minuto.
Como seria bom se Hollywood voltasse a produzir filmes para entretenimento.
As famosas trilogias, parte 2, 3 etc., realmente cansam e muitas vezes não acrescentam nada.
Como bem lembrado pela Maria do Carmo, ainda ganhamos um passeio de presente por lugares que valem a pena ser visitados.
Abraços. Thomas Pracuch