*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

"Aumenta a importância de eleger deputados e senadores comprometidos com as instituições democráticas!"

Deu no "Ex-Blog do Cesar Maia":
1. O Congresso do PT reiterou as teses básicas e históricas do partido em relação ao controle dos meios de comunicação, o revanchismo atropelando a lei de anistia, a inobservância do direito de propriedade, a gula fiscal com aumento de impostos, a agressão aos valores da família... Era natural e esperado. Isso não quer dizer que Dilma abra o jogo e assuma essas teses em suas propostas eleitorais. Claro que não. Alegará que uma chapa pluripartidária e um governo de coalizão exigirão assumir parcialmente as propostas dos parceiros.
2. Os sinais de sua vontade íntima estão dados pela escolha de seu coordenador de programa, o chavista Marco Aurélio Garcia. Dilma terá dois programas de governo: um aberto ao distinto público, repleto de moderações econômicas, políticas, jurídicas... E outro, no cofre, bem guardado. Qual dos dois será aplicado?
3. Isso depende da futura composição do Congresso Nacional. Se as forças da esquerda autoritária, somadas ao clientelismo/patrimonialismo e aos interesses especiais, tiverem maioria no Congresso, o programa de verdade será retirado do cofre e aplicado. E obter esta maioria com esta composição não será tão difícil, com os fornecedores das estatais federais e do governo federal pressionados a patrocinar seus candidatos, vale dizer os que garantirão pela ideologia, passividade ou interesse, aquela maioria.
4. E isso já começou, segundo comentam alguns fornecedores. Em 2010, teremos, no Brasil, uma derrama de recursos para os "aliados", como "nunca antes neste país". Por isso tudo, as eleições para deputados federais e senadores ganham uma importância estratégica. É fundamental que aqueles comprometidos com as instituições democráticas, a liberdade de expressão, a estabilidade política, a defesa do contribuinte, do direito de propriedade, dos valores da família componham mais de 60% do Congresso.
5. Hoje é assim, já que na dita "base aliada" uma parte dela não aceita votar qualquer coisa, como terceiro mandato, controle dos meios de comunicação, ruptura com os valores da família, abandono da lei de anistia, atropelo ao direito de propriedade... Mas se a composição dessa base aliada for alterada, com proporção maior dos parlamentares do clientelismo/patrimonialismo e dos interesses especiais, isso pode ocorrer.
6. É verdade que Serra é favorito, e que isso só poderia ocorrer se Dilma vencesse, o que é pouco provável. Mas há que se prevenir para uma surpresa eleitoral. E a composição do futuro Congresso é a muralha que se anteporá a situações imprevistas.
7. Precaução e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

2 comentários:

Unknown disse...

Concordo em tudo com Cesar Maia, que não dá prá descansar enquanto Serra efinitivamente não vencer; O mal pode ser poderoso se não estivermos em vigília. Deus nos impôe esta provação e não deve ser à toa, prá termos que aguentar essa turma que conspira contra o povo 24horas por dia! É claro que Dilma não abrirá sôbre os seus projetos totalmente e nem Chaves o fez quando enganou o seu povo, antes de conseguir aprovar aquela safadeza que lhe permite ficar no governo ad eternus. Basta ver com quem Dilma trabalha..."diz-me com quem andas.."e não é outra coisa. E César Maia mais uma vez tem razão, temos que eleger muitos deputaos e senadores da oposição. Só assim com um congresso forte e de oposição, teremos chances reais de pelo menos frear tantas arbitrariedaes!

Unknown disse...

Minha tecla "d" tem falhado...