Clique na imagem

*

*
Clique na logo para ouvir

*

*

quinta-feira, 27 de março de 2008

Morre escritor Fernando Ramos

Fernando Ramos, jovem, em foto contida no livro "O Lobisomem de Feira de Santana"
Reprodução

Tomei conhecimento na manhã desta quinta-feira, 27, do falecimento do escritor Fernando Ramos, ocorrido no domingo, 23, no Hospital Aeroporto, em Salvador. Foi o artista plástico e arquiteto Juraci Dórea quem me deu a informação - Juraci foi quem ilustrou a capa do seu livro "O Lobisomem de Feira de Santana", lançado em 2002.
Quem é Fernando Lysesfrank Sousa Ramos? Além de escritor, era jornalista e advogado. Estava com 76 anos.
Feirense, trata-se de premiado romancista, autor de "Os Enforcados" (Prêmio Jorge Amado, do Governo da Bahia, em 1968 (livro publicado em 1970), e Prêmio de Ficção do Governo do Distrito Federal, em 1971, para obras publicadas). Tem verbetes inclusos no Dicionário Aurélio. Está registrado na "História Crítica da Literatura Brasileira - A Nova Literatura, do romancista piauiense Assis Brasil, Companhia Editora Americana do Rio de Janeiro, 1970.
Em 1969, seu romance "O Demônio" também recebeu o Prêmio Jorge Amado, do Governo da Bahia - esse livro foi lançado pela Editora Mensageiro da Fé. Em 1996, lançou o romance "Uauá, Glória, Tramas e Pistoleiros", pela Editora BDA Bahia.
Na revista "Sertão", em 1955, com seleção de Olney São Paulo, Fernando Ramos teve o conto "O Clunâmbulo de Monte Santo" publicado. Em 1969, com o conto "O Funileiro Que Queria Matar uma Criança Inútil" participou da antologia "Doze Contistas da Bahia", com seleção e introdução de Antônio Olinto, pela Editora Record. Em 1978, participou da antologia "Dezoito Contistas Baianos", edição da Prefeitura da Cidade do Salvador.
Quando Fernando Ramos ainda morava nesta cidade - estava residindo em Salvador -, tinha muito contato com ele, em encontros no casarão da família, na então praça da Matriz, para falar de Feira de Santana, literatura e cinema - gostava muito ("Não sei o que seria de minha infância se não fosse o Cine Santana. Ele foi tudo para mim. Eu não tinha para onde ir"). Quando este jornalista editava o jornal "Feira Hoje", em 1992, publicou capítulos do livro (inédito) "Meu Nome É Vargas", em folhetim.
Em 1955, ele participou do elenco de "Um Crime na Rua", de Olney São Paulo, primeiro filme (curta-metragem, 10m minutos, preto & branco) realizado no interior da Bahia, em Feira de Santana - assisti fragmentos deste filme, nos anos 70.
Além de Assis Brasil e Aurélio Buarque de Holanda, o escritor Adonias Filho também elevou este feirense como destacado integrante da nova literatura brasileira.

4 comentários:

Anônimo disse...

Não vi nem ouvir essa informação em mídia nenhuma. O Blog Demais dá em primeira mão. Uma perda irreparável para a literatura de Feira de Santana, da Bahia, do Brasil, do mundo.

Anônimo disse...

dimas,onde, como conseguir um exemplar de O Lobisomem de Feira de Santana?
grato,
jânio rêgo
janiorego@blogdafeira.com.br

Anônimo disse...

O desconhecimento sobre Fernando Ramos na mídia só não é total por causa do Blog Demais, que deu a informação sobre sua morte e traçou um perfil do grande escritor feirense.

Anônimo disse...

Sou leitor de Ramos e adoro o Lobisomem de Feira. Vou mais no seu site. Quando tiver notícias pode mandar.
Tasso Franco