*

*

Rede Orient - A partir de quinta-feira, 14

Rede Orient - A partir de quinta-feira, 14
Orient Cineplace Boulevard - 15 - 18 (Dub) - 21 (Leg)

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Rolando lero

"Na medida que...". O senador João Durval Carneiro deve ter dito umas 80 vezes a expressão na entrevista "especial" da tarde desta sexta-feira, 30, nos programas "Rotativo News" e "De Olho na Cidade". Também um bocado de vezes "etc e tal", "pam-ram-ram" e que tais embromatórios.
No início da entrevista, quando se falou os nomes de seus acompanhantes, João Durval lembrou de que um seu assessor em Brasília estava presente, mas trocou o nome. Chamou de Marcelo quem era Marcos...

"Especial" de João Durval

Na tarde desta sexta-feira, 30, o senador João Durval Carneiro está dando entrevista "especial" na Rádio Sociedade de Feira de Santana aos âncoras Jailton Freitas e Jorge Bianchi, dos programas "Rotativo News" e "De Olho na Cidade".
Está ga-ga-gue-gue-jando muito e deixa vazios em suas respostas (o que exaspera os entrevistadores). Além de perguntas dos dois âncoras, que o chama de doutor a cada questão, ele responde também questões formuladas por ouvintes.
João Durval disse que apóia todos os projetos do governo Lula, mas depois teve que declarar que não apóia a transposição das águas do rio São Francisco. Sobre a prorrogação da CPMF afirmou que seu voto depende de orientação do PDT. Nas falas seqüentes, disse que foi Fernando Henrique Cardoso quem criou a contribuição e que ela deve ser extinta aos poucos, o que indica que votará a favor.
Sobre a cassação do senador Renan Calheiros, João Durval falou que o voto é secreto e que não anuncia sua decisão. Mas depois considerou que o ex-presidente do Senado é "muito querido", "bom presidente" e que ele é "vítima de uma vigarista", referindo-se à jornalista Mônica Veloso. Nas entrelinhas, deixa entendido que votará em favor de Renan, como aconteceu antes, segundo considerações de todos analistas políticos publicadas na mídia.
Garantiu que seu filho, o deputado federal Sérgio Carneiro, é seu candidato a prefeito de Feira de Santana.
Em questão sobre de se tem alguma participação nas obras dos viadutos, o senador desviou na resposta e disse que tem a garantia do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, de que o Anel de Contorno será duplicado e passou a desfiar um elenco de obras que ele fez. "O que gosto mesmo é de obras, esse negócio de emprego não me seduz", considerou.
João Durval ainda afirmou que destinou no orçamento da União de 2008, R$ 1 milhão para a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) aplicar no Centro de Cultura Amélio Amorim e R$ 1 milhão para o Município (R$ 500 mil para asfaltamento do restante da avenida Getúlio Vargas e igual valor para obras rodoviárias).
Até sobre o ditador Hugo Chávez, o senador respondeu perguntas. Para ele, Lula "age pacientemente com Chávez pelos negócios que a Venezuela tem com o Brasil". Também previu que Chávez será derrotado no plebiscito e que "as coisas voltam ao normal na Venezuela".
Um dos patrocinadores do "especial" foi Ângelo Almeida, "Feira merece".
Bem, não deu para ficar ouvindo mais a entrevista "especial", pois preferi mudar de dial, para o programa "Rádio Repórter", na Rádio Subaé, onde por sinal o senador furou uma entrevista agendada anteriormente.

Um governador em apuros

Texto extraído da coluna "Informe JB", na edição de quinta-feira do "Jornal do Brasil":
O ex-governador da Bahia Otávio Mangabeira cunhou a expressão “pense num absurdo, na Bahia há precedentes”, que acabou entrando para a história da política brasileira. Ele também empresta o nome que batizou o estádio no bairro da Fonte Nova, em Salvador, que depois de 56 anos de inaugurado impressionou o Brasil pelas fortes imagens do acidente que matou sete pessoas e feriu outras 87 no último domingo e que será demolido, segundo anunciou o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT). Wagner foi um dos governadores que aterrissaram na Suíça, dia 30 de outubro, quando o Brasil foi anunciado como o país sede da Copa de 2014, e lá tentava impressionar os cartolas internacionais para garantir seu Estado como sub-sede do milionário torneio. Até aí estava tudo dentro do jogo, dentro das regras. Mas, ao fazer sua propaganda no programa de rádio que mantém, é que o petista pisou, e feio, na bola. Veja o que disse o Wagner no programa Conversa Com o Governador, ao responder se a Bahia tem condições de sediar jogos das Eliminatórias. A fonte é ele próprio: “Eu acho que esses baianos merecem esse presente. Nunca houve uma Eliminatória da Copa do Mundo da Seleção Brasileira em Salvador, no Estádio Fonte Nova. Nós estamos investindo R$ 3,5 milhões. Já reformamos a Fonte Nova. Ela só podia ser ocupada em 25%, hoje já tem 100% de ocupação. Hoje nós estamos fazendo a revisão dos vestiários, banheiros e tribuna de honra, portanto até o ano que vem, 2008, não tem nenhuma dúvida que o estádio está preparado para uma Eliminatória. Tenho convicção de que a gente vai conseguir. Eu quero dar esse presente para o povo baiano, que tem uma torcida tão apaixonada pelo futebol, trazendo um jogo da Seleção Brasileira pelas Eliminatórias aqui para a Fonte Nova”. Ou Jaques Wagner deu uma bola fora, ou o dinheiro foi liberado e alguém comeu bola ou, ainda, ele não dá bola nenhuma para seus ouvintes e eleitores.
O que se discute e causa estranheza em dirigente petista é que a cada momento se dá uma justificativa diferente da outra.

Feira pode viver sem o busto de Lucas

Por Batista Cruz

Busto para Lucas. A idéia só pode ser coisa de um gozador ou de quem desconhece - ou não a conhece bem - a história deste larápio e assassino que apavorou a região no século XIX. Ele não tem nada de herói. Como se sabe, Lucas não foi um contestador social ou enfrentou os poderosos do seu tempo com o objetivo de melhorar a vida dos seus semelhantes. Formou um bando para assaltar e roubar - e não raramente matar. Pura e simplesmente. Só não roubava a negrada porque ela não tinha o que ser roubado.
Homenageiam-se as pessoas pelas coisas boas que elas fizeram - pelo menos a parte oficial. Lucas, pelo que se sabe, não fez nada de bom (pelo menos no sentido `bom´ da palavra). Muito pelo contrário. Apavorou por décadas os feirenses ou quem passava por terras locais. Roubava, saqueava e às vezes matava - pelo menos é que se conta. Existem histórias de estupros. O lucas feirense deve ser escrito com inicial minúscula, dada a sua importância.
Pela quantidade de lucas que a cidade tem não se pode argumentar que o Lucas da Feira não recebe homenagens. É Lucas dos Santos, Nery, de Jesus, de Souza, da Conceição, Machado. De tudo quanto é sobrenome. Tem Lucas até com sobrenome coreano. Não se sabe se os pais resolveram batizar seus filhos porque o nome é bonito, se queriam homenagear a São Lucas, ou ao dito cujo - acredito que alguns, pelo sobrenome, prestaram uma homenagem ao Lucas local.
Ele não tem uma história romanceada. Não dá nem uma bela história de trancoso, visto que a violência pontuaria em todos os parágrafos. Teria um assalto ou morte pelo meio. Compará-lo a Robin Hood, também personagem da ficção inglesa, é uma ficção. Segundo o estudioso Joaquim da Gama, o lado social de Lucas era dividir, com seus asseclas, em partes iguais os roubos e furtos. Nisso era justo: não queria ganhar mais do que nenhum dos seus comparsas.
Lucas não merece estátua nenhuma. Merece, sim, o limbo da história. Homenagear bandido não é uma das atitudes das mais inteligentes. Homenagear alguém que dizem ter sido um revoltado do seu tempo é muito pouco. Porque foi oprimido não justifica que tenha se tornado um assassino, que dizem ter sido dos mais cruéis. Porque foi enforcado também não. Foi levado ao patíbulo porque mereceu.
Se fosse para homenagear negro que se revoltou contra o sistema, este país ficaria engarrafado de bustos. Lucas, o feirense, não foi o primeiro - tampouco o último. Neste ponto de vista, sobraria pouco espaço neste país sem um busto. Ruas e estradas ficariam como uma fotografia tirada por Reginaldo Pereira da entrada de Santa Luz, onde as placas de obras no município estão umas sobre as outras.
Não se tem conhecimento de que se tenha imagem exata de como era o rosto do bandido. Se se não se tem idéia de como ele era, como vão lhe prestar homenagem? Já sei: vai ser o rosto do negro desconhecido. Ou será que vai cristianificá-lo, como fizeram como Tiradentes? Com barba e tudo - menos os cabelos grandes e loiros, claro. Ao contrário de como costumam iniciar seus textos alguns intelectuais, Lucas não foi um herói do seu tempo - e pelo que fez em tempo algum.
É muita história. Chamemos, então, o jornalista e historiador Eduardo Bueno para reescrever a nossa história. Com graça, ele vai nos contar tudinho. A vida no período aporrinhado por Lucas como ela foi. Depois disto, duvido muito que o debate não se acalore - por enquanto está com um pé na fogueira e outro na geleira - ou seja: na temperatura média.
Como podemos chamar as pessoas que se orgulham de um bandido a ponto de querer que a cidade o homenageie com uma estátua? Sei lá. Pode-se argumentar que a cidade tem estátuas e bustos de quem não os merecem. Aí é outra história.
Batista Cruz é jornalista.

Preconceito e discriminação contra evangélicos

Em sua coluna de sexta-feira, 2, na "Tribuna da Bahia", Alex Ferraz mostra seu preconceito e discriminação contra evangélicos na nota "Ganancioso", quando escreve:
"Da série: bonitinho, mas ordinário. E o jogador Kaká anuncia que pretende se tornar pastor quando deixar o futebol. Pôxa, será que já não ganhou o suficiente para ficar milionário o resto da vida?".
Primeiro, Kaká faz da vida dele o que quiser, bonitinho ou não. É muito bom que ele queira ser pastor, para salvar, em nome de Jesus, perdidos como o colunista. Segundo, ele não é ordinário. Nem como jogador nem como homem. Terceiro, não tem nada a ver ser líder espiritual com ganhar dinheiro.
Outro preconceito e discriminação contra os evangélicos é colocar nas matérias "bispo" entre aspa. Não é só na igreja católica que eles existem.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Natal Iguatemi

"Presente é viver, é ter quem amamos ao nosso lado. Presente é sorrir, é ser feliz a cada dia. Presente é lembrar. PRESENTE COM EMOÇÃO é a proposta do Shopping Iguatemi neste e em todos os Natais. O clima fraterno que paira pelo shopping pode ser visivelmente percebido na decoração, nas apresentações de corais, na Campanha Natal Mágico e, de modo peculiar, no interior de cada loja".

Corais natalinos emocionam no Iguatemi

Mais um final de tarde especial foi o desta quinta-feira, 29, com a apresentação do Coral da Escola Adventista no palco da praça de alimentação do Shopping Iguatemi. As crianças de 1ª a 4ª séries que compõem o grupo fizeram uma apresentação contagiante do musical “O Nascimento de Jesus”. Quem assistiu garante que se emocionou verdadeiramente com o brilho trazido pela professora Marize Oliveira, formada em música, e seus dedicados alunos.
A diretora da escola, Vandete Castor, investe na formação cultural dos seus estudantes e disponibiliza oficinas de instrumentos musicais na escola, no turno da tarde. Nesta sexta-feira, 30, a vez do Coral Advento mostrar o seu encanto, que já dura sete anos.

Roteiro de Filmes




Período de 30 de novembro a 6 de dezembro

LANÇAMENTOS
INVASORES
(The Invasion), de Oliver Hirschbiegel, 2007. Com Nicole Kidman, Daniel Craig e Jeffrey Wright. Ficção científica. Colisão de um ônibus espacial faz com que algo alienígena penetre em seus destroços, sendo que todos que entram em contato mudam de maneira inexplicável. Uma psiquiatra e seu colega descobrem que a epidemia ataca suas vítimas quando elas estão dormindo. Para sobreviver ela precisa ficar acordada o maior tempo possível, para que possa encontrar seu filho. Classificação indicativa: 14 anos. Duração: 99 minutos. Horários: 14h20 (neste sábado e no domingo), 16h30, 18h40 e 20h50. Sala 4 (264 lugares).
OS ANJOS EXTERMINADORES (Les Anges Exterminateurs), de Jean-Claude Brisseau, 2007. Frédéric van de Driessche, Maroussia Dubreuil e Lise Bellynck. Drama. Enquanto faz testes para uma cena de nudez feminina, um cineasta fica fascinado com o prazer que algumas mulheres sentem em transgredir tabus sexuais. Certo de que encontrou algo inovador, decide fazer um filme sobre o tema. Classificação indicativa: 18 anos. Duração: 98 minutos. Horários: 19h20 e 21h20. Sala 3 (167 lugares).
CONTINUAÇÕES
LEÕES E CORDEIROS
(Lions For Lambs), de Robert Redford, 2007. Com Tom Cruise, Meryl Streep e Robert Redford. Drama. Um senador pretende lançar uma nova estratégia para a guerra dos Estados Unidos no Afeganistão e, para divulgá-la, precisa convencer uma jornalista. Simultaneamente um professor idealista, tenta convencer um de seus alunos mais promissores, a mudar o curso de sua vida. Ao mesmo tempo dois soldados que estão lutando na guerra, buscam se lembrar do porquê de terem se alistado no exército. Em segunda semana. Classificação indicativa: 12 anos. Duração: 92 minutos. Horários: 13h10 (neste sábado e no domingo), 15h10, 17h10, 19h10 e 21h10. Sala 1 (243 lugares).
A LOJA MÁGICA DE BRINQUEDOS (Mr. Magorium’s Wonder Emporium), de Zech Helm. 2007. Infantil. Uma insegura gerente herda o controle de uma loja de brinquedos onde tudo ganha vida. Porém os brinquedos misteriosamente tornam-se acinzentados e silenciosos, após a chegada de um contador. Em terceira semana. Cópia dublada. Classificação indicativa: Livre. Duração: 94 minutos. Horários: 13 horas (neste sábado e no domingo), 15, 17, 19 e 21 horas. Sala 2 (160 lugares).
PUTZ! A COISA TÁ FEIA (The Ugly Ducking and Me!), de Michael Hegner e Karsten Kiilerich, 2007. Animação. Um pato recém-nascido e bastante feio passa a adotar um rato malandro como se fosse sua mãe. Em segunda semana. Cópia dublada. Classificação: Livre. Duração: 90 minutos. Horários: 13h40 (sábado e domingo), 15h30 e 17h25. Sala 3.

ENDEREÇO E TELEFONES
Orient Cineplace - Shopping Iguatemi, telefax 3225-3056 e telefone 3610-1515 para saber informações sobre programas e horários.As informações sobre programação e horário são prestadas pela empresa exibidora, a Orient Filmes.

Sábado é dia de Troféu Tracajá 2007

A entrega do Troféu Tracajá acontece neste sábado, 1º de dezembro, a partir das 11 horas, no Restaurante Casa do Sertão. “As Organizações Tracajá”, promotora do evento, estarão homenageando feirenses, nativos ou procedentes de outras paragens. "Os que trabalham para o desenvolvimento de nossa terra, a terra de Senhora Santana, de Maria Quitéria de Georgina Erisman".
“Lá estarão profissionais das áreas de comunicação, política, música, esporte, religião, social, saúde, filantropia, dentre outras categorias”, diz Reginaldo Pereira. Ele reafirma que “os nomes dos homenageados só serão conhecidos na hora da entrega do troféu. Nosso objetivo é reconhecer o talento, o compromisso e a dedicação de tantas pessoas que trabalham pelo engrandecimento da Princesa de Sertão. E nada melhor do que prestar a homenagem em ritmo de descontração, oferecendo o 'Oscar do Sertão' em clima de cordialidade e alegria. Porque as Organizações Tracajá tem como meta o sorriso acima de tudo. Pode até perder o troféu, a piada, nunca".
Várias atrações estão confirmadas para o evento. Rá Nascimento, Dito Leopardo, Caguto, banda Bulacha Fofa Com Tubaína com o sanfoneiro Zé Trindade, o sanfoneiro Zé Araújo, o tecladista Fernando Oliveira, entre outros. A apresentação do evento ficará a cargo dos radialistas Elsimar Pondé e Tanúrio Brito e terá na reserva o peso pesado do rádio feirense, Framário Mendes, que, segundo o Tracajá, será homenageado pelos seus 45 anos de rádio.

Avanço das obras do Teatro Virtual - 2







Mais fotos de Basílio Fernandez, da Fundação Cultural Egberto Costa, que registram o avanço das obras do Teatro Virtual, primeira etapa do Museu Parque do Saber, que a Prefeitura de Feira de Santana constrói no bairro São João, inclusive com equipe trabalhando parte da noite.


Avanço das obras do Teatro Virtual





























Seqüência de fotos de Basílio Fernandez, da Fundação Cultural Egberto Costa,que registram o avanço das obras do Teatro Virtual, primeira etapa do Museu Parque do Saber, que a Prefeitura de Feira de Santana constrói no bairro São João.







Na rabeira do mundo

Está na UOL Notícias:
O Brasil é um dos países com pior nível de educação de ciências para estudantes de 15 anos, segundo uma lista de 57 países organizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). De acordo com a lista, a ser publicada em detalhes na semana que vem, o Brasil fica à frente apenas de Colômbia, Tunísia, Azerbaijão, Catar e Quirguistão.
O estudo testou as habilidades de mais de 400 mil estudantes nos 57 países que, juntos, correspondem a cerca de 90% da economia mundial. Os estudantes da Finlândia ficaram em primeiro lugar, seguidos pelos de Hong Kong (na China) e do Canadá.
A pesquisa, baseada em testes realizados em 2006, é o principal instrumento de comparação internacional do desempenho entre estudantes do ensino médio. O teste mediu basicamente o conhecimento de ciências, mas também mediu a capacidade de leitura e incluiu noções de matemática, e como os estudantes aplicavam esse conhecimento para resolver problemas do dia-a-dia. O estudo afirma que os resultados têm confiabilidade de 95% e que o Brasil estaria entre as posições 50 e 54 da lista.
Ao comentar a lista, o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, disse que ela é uma ferramenta para ajudar os governos a definir suas políticas de educação. "Na economia global competitiva de hoje, educação de qualidade é um dos bens mais valiosos que a sociedade e um indivíduo podem ter", disse ele. Segundo Gurría, "a lista é muito mais do que um ranking. Ela mostra o quão bem os sistemas de educação individuais estão equipando os jovens para o mundo de amanhã. Antes de mais nada, mostra aos países seus pontos fracos e fortes". O estudo sobre educação da OCDE é publicado a cada três anos. O documento completo será publicado no próximo dia 4 de dezembro.

Projeto Teatro Virtual apresentado em São Paulo

O projeto Teatro Virtual, primeira etapa do Museu Parque do Saber, foi apresentado para diretores de 22 planetários do país, que participaram da XII Reunião da Associação Brasileira de Planetários (ABP), realizada entre 14 e 18 de novembro, no Hotel Mercury, em São Paulo-SP.
O diretor-presidente da Fundação Cultural Egberto Costa, Augusto Cézar Orrico, fez a apresentação, ampliando o leque de segmentos. Em Feira de Santana, mais de seiscentas pessoas, entre jornalistas, professores, educadores, dirigentes, empresários de vários segmentos, rotarianos, maçons, lideranças, formadores de opinião, já assistiram à apresentação.
É o investimento que o prefeito José Ronaldo de Carvalho faz em ciência, tecnologia, conhecimento e lazer tendo repercussão nacional. A implantação do planetário ZKP4 Quinto Digital encomendado à empresa Carl Zeiss, na Alemanha, pela Prefeitura de Feira de Santana e cuja construção avança no bairro São João foi destacada ainda pelos astrônomos pela dimensão de sua cúpula, de 13 metros de diâmetro (a maior entre os seis planetários no mundo que encomendaram o mesmo equipamento) e capacidade para 174 lugares. Para se ter um parâmetro, o Planetário de Brasília tem cúpula de 12,5 metros e capacidade de 140 lugares.

Um milhão de reais

A II Conferência Estadual de Cultura, realizada em Feira de Santana, durante quatro dias, de 25 a 28 de outubro, teve o custo para os cofres públicos de montante de R$ 1 milhão. Segundo a revista "Metrópole" foram "dias milionários". Diz mais que "a crise na cultura parece não atingir alguns 'investimentos' da Secult (Secretaria de Cultura da Bahia)".
Segundo a publicação, cerca de R$ 205 mil para a empresa Maria Publicidade e Promoções Ltda., contratada para realizar os serviços publicitários da conferência.

Deve ser por ter carteira de jornalista

Está no número mais recente da revista "Métropole", com o título "João Saldanha", a seguinte nota:
O secretário de Ciência e Tecnologia do Estado, Ildes Ferreira, não gostou da matéria "Chamar os malditos de volta", sobre a reativação da fábrica de beneficiamento de chumbo da cidade de Santo Amaro, publicada em nossa edição anterior. Pediu para ser ouvido mais uma vez, mas recuou quando soube que a repórter Juliana Cunha - autora da matéria - seria escalada para a nova entrevista. Secretário, vamos combinar uma coisa: a gente não escala os seus assessores e o senhor não escolhe nossos repórteres, certo?
Por ter carteira de jornalista, o secretário indicado pelo deputado federal Colbert Martins Filho se acha nesse direito...

Exemplos de que existe cultura em Feira de Santana

Na noite de quarta-feira, 28, dois eventos culturais de relevância em Feira de Santana. Um, a abertura de exposição de vinte telas de Carlo Barbosa, além do lançamento de encarte com quatro reproduções do artista, que foram distribuídas entre os presentes. Trata-se do projeto “Memórias: Pintores de Feira de Santana”, iniciativa da Fundação Carlo Barbosa e da Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa, em parceria com a Universidade Estadual de Feira de Santana, através do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), e com apoio de empresa local, a Viação Princesinha, além do Rotary Club Feira Leste.
Outro, Feira de Santana integrando o Programa TIM Grandes Escritores, com as escritoras Marina Colasanti, Lélia Oliveira e Glaucia Lemos abrindo o projeto em Feira de Santana com uma palestra gratuita no Teatro Ângela Oliveira, do Centro de Cultura Maestro Miro. O projeto visa a estimular a leitura através de um encontro com a comunidade. Patrocinado pela TIM e pelo Governo da Bahia, através do FazCultura, o TIM Grandes Escritores é realizado pelo Centro Internacional Avatar de Artes (Ciacen) e conta com a parceria da Prefeitura de Feira de Santana.
Apenas numa noite dois eventos significativos (ambos com a participação da Prefeitura de Feira de Santana) - sem contar a continuação da Oficina de Cinema Documental, que se realiza no Cuca, e eventuais acontecimentos. E ainda tem gente que afirma que não existe cultura na cidade.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Em memória de um grande artista: Carlo Barbosa

Na noite desta quarta-feira, 28, a abertura de exposição de vinte telas de Carlo Barbosa, além do lançamento de encarte com quatro reproduções do artista, em tamanho 43 por 28. Trata-se do projeto “Memórias: Pintores de Feira de Santana”, iniciativa da Fundação Carlo Barbosa e da Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa, em parceria com a Universidade Estadual de Feira de Santana, através do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), e com apoio de empresa local, a Viação Princesinha, além do Rotary Club Feira Leste. Todos os presentes receberam o encarte com as quatro reproduções, com excelente leiaute e qualidade gráfica.
Presentes o secretário municipal de Planejamento Carlos Brito, grande incentivador do projeto, presidente da Fundação Cultural Egberto Costa, Augusto César Orrico, presidente da Fundação Carlo Barbosa, Lucy Barbosa, diretora do Cuca, Selma Soares de Oliveira, além de familiares do saudoso artista, artistas plásticos e convidados.
Este jornalista atuou como mestre de cerimônia e falou sobre o projeto e o artista homenageado. "Ações como estas são fundamentais para contribuir com a memória de Feira de Santana. Carlo Barbosa, artista singular, é um dos grandes ausentes do cenário das artes plásticas feirenses, ao lado de Raimundo de Oliveira e Pedro Roberto - que também terão trabalhos reproduzidos, além de artistas vivos como César Romero, Gil Mário, Juraci Dórea e Leonice Barbosa e tantos outros que sejam possíveis inserir no projeto".
Disse mais que "ausente fisicamente, Carlos Barbosa está presente com o legado que deixou para a posteridade com telas espalhadas por todos os cantos e estas em exposição pertencentes ao acervo da família, através da Fundação Carlo Barbosa. São telas povoadas de baianas, vaqueiros, romeiros, caboclos, santos, operários na paisagem urbana, ex-votos, misticismo. Carlo sempre bebeu na fonte de sua inspiração criadora".
Também que "com estilo próprio e definido, ele soube retratar bem manifestações populares de sua terra, universalizando-a através dos traços e das cores fortes. A raiz popular sempre esteve nas telas do artista. Sua pintura pode ser definida como figurativa. Seus trabalhos, principalmente da última fase, são de grande força e vigor, de composição dramática que refletem visões que povoavam sua mente, trabalhos que demonstram a sua maturidade artística".
- É recorrente, mas deve ser dito que a morte parece elevar mais as pessoas. Depois de 19 anos de seu desaparecimento, Carlo Barbosa aumenta o seu reconhecimento, sua obra é mais vista, estudada e discutida. Até na Espanha e no Japão, onde já teve trabalhos expostos - considerei.
Por fim, afirmei que "com o projeto “Memórias: Pintores de Feira de Santana”, uma contribuição para que a memória de Carlo Barbosa seja para todo o sempre".

Ganhe brindes do filme "Invasores"

Nicole Kidman em "Invasores", a partir de sexta-feira, no Orient Cineplace
Divulgação

Está no ar mais uma promoção para os leitores deste Blog Demais, que disputam sorteio de brindes (lanternas) alusivos ao filme de ficção-científica “Invasores”, em cartaz no Orient Cineplace, a partir de sexta-feira, 30.
A promoção, exclusiva em Feira de Santana, é em parceria com a Espaço/Z Marketing e Entretenimento e Warner Bros. Os interessados em participar devem mandar e-mail para oliveiradimas@bol.com.br.

Editor interino do "Notícias da Bahia"

Walter Xéu postou na terça-feira, 27, em sua coluna no "Notícias da Bahia" (www.noticiasdabahia.com.br):
O jornalista Dimas Oliveira assume interinamente a editoria do Notícias da Bahia, até o meu retorno da Venezuela. A sua indicação para editar o jornal, quase enfarta alguns companheiros que alegaram ser o jornalista uma pessoa de posições radicais da direita. Bobagem. Dimas foi um fiel colaborador do Notícias da Bahia há alguns anos passados e hoje retorna com a sua coluna de cinema e sua posição ideológica em nada o impede de editar uma publicação notadamente de esquerda como é o Notícias da Bahia.

Casa do Sertão disponibiliza jornais antigos digitalizados

O Museu Casa do Sertão, da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), está disponibilizando para a comunidade parte do acervo de jornais antigos em formato digital, alguns deles publicados há quase cem anos. O projeto é desenvolvido em parceria com a Biblioteca Setorial Monsenhor Renato de Andrade Galvão. As consultas ao acervo da Biblioteca podem ser feitas de segunda a sexta-feira.
Estão disponíveis os jornais "Folha do Norte" (1910-1978), "Folha da Feira" (1932-1935), "O Propulsor" (1896), "Gazeta do Povo" (1891-1893, 1898), "O Republicano" (1912), "O Município" (1892-1894 e 1908-1911), "O Progresso" (1900-1908), "O Coruja" (1956), "Feira Livre" (1978), "Histórias e Fatos" (1977), "O Dia a Dia" (1985-1985) e "Gazeta Feirense" (1985-1986).
A bibliotecária Ana Martha Machado Sampaio explica que além de atender a um número cada vez maior de pesquisadores que recorrem ao acervo, a medida visa preservar os exemplares, em especial os que apresentam maior desgaste em função do manuseio. O material produzido está à disposição do público em CDs.
Conforme Cristiana Oliveira Ramos, diretora do Museu Casa do Sertão, serão digitalizados, ainda, os recentes "Folha do Estado" e "Tribuna Feirense", ambos em circulação, além de números de revistas como "O Cruzeiro" e "Manchete" e de periódicos como "O Pasquim". As consultas ao acervo da Biblioteca podem ser feitas de segunda a sexta-feira, das 8 às 11h45 e das 14 às 17h45. Visitas de grupos escolares podem ser agendadas através dos telefones (75) 3224-8316 / 3224-8029.
A Biblioteca Setorial Monsenhor Renato de Andrade Galvão possui um acervo com 4.916 exemplares (livros) referentes à história de Feira de Santana e região, cultura popular e literatura de cordel. O catálogo pode ser conferido no Sistema de Bibliotecas e acessado através da internet (www.uefs.br). O Museu possui, ainda, documentos manuscritos e impressos como cartas de alforria, provisões imperiais, declarações de compra e venda e relatórios de entidades feirenses seculares.

Mortes na Fonte Nova refletem falta de zelo do governo

O vice-líder do Democratas na Câmara, deputado Fernando de Fabinho, disse na terça-feira, 27, que as mortes de sete pessoas, ocorridas no domingo passado em uma partida de futebol no Estádio da Fonte Nova, demonstram o total deszelo do setor público com a população baiana.
Para Fernando de Fabinho, não tem desculpas para as sete mortes e as dezenas de feridos no desabamento de parte das arquibancadas do estádio, já que o Ministério Público da Bahia tinha denunciado as más condições de estrutura daquela arena esportiva, que, dentre os 29 principais estádios vistoriados em todo país, é o que está em pior situação.
“Não adianta o Governo do Estado anunciar que vai implodir a Fonte Nova e construir outro no lugar. É a mesma coisa que passar a trancar o cofre depois que ele foi arrombado. O Sindicato de Arquitetura e Engenharia, tal qual ao MP também tornou público que o estádio estava em péssimas condições para receber público. Além do mais, os mortos não retornarão e suas famílias estão experimentando um sentimento de muita dor”, disse.
Fernando de Fabinho disse ainda que espera que os responsáveis sejam punidos e que as causas do acidente sejam investigadas com total isenção. Para ele, não adianta Salvador querer ser uma das sedes brasileiras da Copa do Mundo de 2014 se não houver responsabilidade, competência e seriedade com a coisa pública. Fabinho disse também que os relatórios do MP e dos engenheiros devem ser publicados pela imprensa, a fim de permitir que o povo da Bahia saibam o que de fato ocorreu e por que as medidas de prevenção contra acidentes não foram efetivadas.

Direto para o lixo

Comentários agressivos, idiotas e maldosos não são levados em consideração pelo Blog Demais. Eles vão direto para o lixo, ainda mais os anônimos. Não adianta insistir!

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Filme francês erótico é novidade


"Os Anjos Exterminadores", filme erótico francês
Divulgação
Nicole Kidman em "Invasores": Desespero
Divulgação
Um filme francês é novidade em Feira de Santana em tempos de domínio quase completo do cinema americano. O exemplar é “Os Anjos Exterminadores”, que entra em cartaz nesta sexta-feira, 30, no Orient Cineplace, somente em sessões noturnas, às 19h20 e 21h20. Não tem nada a ver com “O Anjo Exterminador”, clássico surrealista do cineasta espanhol Luis Buñuel, realizado em 1962, que critica o estado, a igreja e a sociedade. Outra novidade é o filme de ficção-científica “Invasores”. Continuam em cartaz: “Leões e Cordeiros”, “A Loja Mágica de Brinquedos” e “Putz! A Coisa Tá Feia”.
Em “Os Anjos Exterminadores” um cineasta prepara-se para filmar um policial. Durante os testes de uma atriz para uma cena de nu, ele descobre o prazer que uma mulher experimenta na transgressão de pequenos prazeres proibidos eróticos. Impulsionado pelo desejo de trazer qualquer coisa nova para o cinema, decide fazer um filme meio ficção meio realidade, filmando à volta do que se revela de forma inesperada um enigma e um tabu: os mistérios do prazer feminino. Assim, um filme erótico, com classificação indicativa para maiores de 18 anos.
“Invasores” é o primeiro filme em língua inglesa do diretor Oliver Hirschbiegel, o mesmo de “A Queda”. Trata-se da quarta versão do livro de Jack Finney para o cinema. As anteriores foram “Vampiros de Almas” (1956), “Invasores de Corpos” (1978) e “Invasores de Corpos” (1993). Na ação uma colisão de um ônibus espacial traz algo alienígena para a Terra, que infecciona as pessoas e faz com que elas se tornem insensíveis. O orçamento do filme foi de 80 milhões de dólares. Tem Nicole Kidman e Daniel Craig no elenco.

Wagner, o mordomo de funerária, e os mortos sem pedigree

Está postado no Blog Reinaldo Azevedo:
O brasileiro preto e pobre já tem um Mestre Severino de velórios: o governador da Bahia Jaques Wagner. Olhem bem pra ele: tem cara de mordomo de funerária; tem pinta de quem vem anunciar o apocalipse - quando consegue falar com clareza ao menos...
Vamos ver: - as fotos do estádio da Fonte Nova e o relatório sobre suas condições miseráveis estavam na Internet;
- o Ministério Público já havia pedido a interdição do estádio;
- o programa Bahia Esporte, da TV Globo, havia exibido a imagem do estádio caindo aos pedaços no dia 10 de novembro.
Ontem, indagado sobre indenizações às famílias dos mortos, o governador driblou, não quis responder. Ou melhor, respondeu. Assim: “Passa a idéia de culpa. Não me sinto culpado, mas responsável”.
É a versão Delúbio Soares. Aquele não fazia "caixa dois", mas operava “recursos não contabilizados”. Wagner não se sente “culpado”, apenas “responsável”.
É o que venho dizendo ao menos de 2000. Os mortos sem pedigree ideológico não têm a menor importância no Brasil.
- se ao menos tivessem assaltado um banco em nome do comunismo;
- se ao menos tivessem feito guerrilha;- se ao menos tivessem seqüestrado alguém em nome de novas auroras;
- se ao menos tivessem esmagado o crânio de alguém a coronhadas...
Mas quê... Um bando de pobre que fica pulando, todo animado, em cima do estádio?... Indenizar pra quê?
- eles não têm um Luiz Eduardo Greenhagh para chamar de seu;
- eles não têm um senador Suplicy para cantar em plenário;
- eles não têm as ONGs para fazer barulho...
São pobres comuns. Não servem à causa. Não podem ser usados como massa de manobra. É gente que trabalha e, se possível, estuda. Gente comum. Não serve de bibelô para a esquerda que hoje dá plantão em algumas redações para combater, como é mesmo?, “a ameaça da direita”.
São os mortos sem sepultura ideológica do petismo.E, como diria o ministro Franklin Martins, que ninguém vá dar lição de democracia a petistas.

Efeito "sollateral"

Deu na coluna "Raio Laser", na "Tribuna da Bahia", edição de sábado e domingo, 24 e 25:

Alguém precisa dizer rapidamente ao governador Jaques Wagner que o caos na saúde pode comprometer sua popularidade de forma irreversível.

Empresariado estimulado a exportar

Anchieta Ney com Luiz Almeida, Julia León González e Edilson Urbano da Silva
Silvio Tito/Secom

Objetivando estimular a participação do empresariado feirense no comércio internacional é que está sendo divulgada em Feira de Santana a realização do 121º Encontros de Comércio Exterior (Encomex), em Salvador, no dia 13 de dezembro. Na manhã desta terça-feira, 27, aconteceu reunião de divulgação com o secretário de Comunicação Social Anchieta Nery recebendo em seu gabinete o analista de Comércio Exterior Edílson Urbano da Silva, da Secretaria do Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a técnica do Centro Internacional de Negócios da Bahia (Promo) Julia Leon González, e o coordenador regional do Sebrae Luiz Almeida.
O evento vem sendo realizado em várias regiões do país, buscando uma aproximação maior com o setor privado, principalmente em capitais e cidades como pólos produtivos com potencial de exportação, como é o caso de Feira de Santana.
Segundo Edílson Urbano, “é preciso desmistificar que micros, pequenas e médias empresas não podem exportar”. Assim, trata-se de uma ação de fomento à exportação, com os participantes tendo acesso a informações sobre políticas e estrutura do comércio exterior, “além de conhecerem instrumentos de apoio e estímulo, como os mecanismos de financiamento, as regras básicas e o funcionamento do intercâmbio comercial brasileiro”, informou o analista.
Luiz Almeida, do Sebrae, afirmou que “é significativo o contingente de empresas feirenses que já exportam”. Para ele, o foco agora “é sensibilizar outras empresas com potencial de exportação, visando o fortalecimento da economia regional”. Ele garantiu que o Sebrae oferece condições para deslocamento de comitiva de empresários locais para o evento.
Os Encontros são uma oportunidade única para todos os envolvidos no processo exportador sanarem dúvidas, ampliarem conhecimentos e atualizarem informações sobre comércio exterior, como avaliou Edílson Urbano.
A inscrição é gratuita e pode ser feita pela Internet (wwwencomex.desenvolvimento.gov.br) ou via fax (71) 2101-9434. O evento será realizado no Auditório Yemanjá, quarto andar, no Centro de Convenções da Bahia, em Salvador, com credenciamento às 8 horas e abertura às 9 horas.

Memória de Carlo Barbosa

Carlo Barbosa (1946-1988)
Reprodução

Texto de Zadir Marques Porto
Uma exposição de pinturas de Carlo Barbosa e a apresentação de um encarte, com quatro reproduções, tamanho 43 x 28, do mesmo artista, com vernissage nesta quarta-feira, 28, às 20 horas, na Galeria de Arte Carlo Barbosa, no Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), marcará o lançamento do projeto "Memórias - Pintores de Feira de Santana", com o qual a Fundação Carlo Barbosa (FCB) pretende homenagear os principais artistas plásticos da cidade, através da publicação de reproduções coloridas, que poderão ser emolduradas, transformando-se em um importante acervo. Alem disso, cada publicação contará com amplo conteúdo biográfico do artista enfocado.
A presidente da Fundação, Lucy Barbosa, idealizadora do projeto, destaca que outros artistas feirenses também terão trabalhos mostrados, dentre eles Raimundo de Oliveira, Gil Mário, César Romero, Leonice Barbosa, Pedro Roberto e Juraci Dórea. “Pretendemos ser abrangentes nessa idéia, procurando incluir o maior número possível de pintores da terra no projeto”, destaca Lucy, lembrando que tudo vai depender do apoio de empresas sediadas em Feira de Santana uma vez que há um custo que precisa ser coberto a cada edição.
Ela ressalta a participação do secretário de Planejamento, Carlos Brito, que formalizou o projeto e tem sido um incentivador. A Prefeitura de Feira de Santana tem participação através da Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa. E a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) através do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca).
O encarte número um de "Memórias - Pintores de Feira de Santana", apresenta reproduções coloridas, de ótima qualidade. dos trabalhos de Carlo Barbosa: “ Apreensão”, “Lavagem do Redentor”, “Tamborete de Exu” e uma obra sem título pintada no Rio de Janeiro. Carlo Barbosa, um dos mais destacados pintores baianos, nasceu em Feira de Santana em 1946 e aqui faleceu em 1988, aos 42 anos.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Eles só querem igualdade: homossexuais de calcinha e sutiã e seu direito de livre expressão

Por Julio Severo, em 26 de novembro, no "Mídia Sem Máscara" (midiasemmascara.org):

No lançamento da Frente em Defesa da Comunidade Gay na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, um homossexual dançou de calcinha e sutiã na frente dos deputados. Parece piada? Não é. O fato ocorreu em 24 de outubro de 2007.
Até há pouco tempo, presumia-se que as casas legislativas eram lugares onde o decoro e o respeito eram obrigatórios, nos trajes e nas atitudes. Eu próprio tive de me conformar semanas atrás, quando estava passando na entrada do plenário de uma casa legislativa sem terno e gravata. O segurança me alertou que com trajes comuns eu não poderia passar por ali. Obedeci à lei. Ai de mim ou de qualquer outro cidadão comum se tentarmos entrar nesses lugares sem terno e gravata em pleno horário de sessão legislativa!
Agora, um homossexual de calcinha e sutiã pode se sentir mais à vontade, pois talvez a primeira preocupação do segurança ou dos políticos não seja deter o escândalo moral em público, mas evitar processos ou rótulos de preconceito!
O noticiário G1, do decadente império Globo, registrou o evento da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, mas evitou a responsabilidade de condenar o fato patentemente pornográfico, limitando-se a relatar as palavras de revolta do Dep. Waldir Agnello: “Roupas mínimas - calcinha e sutiã - para uma mulher já seria inadequado. Para um homem, continua sendo inadequado também. Podem usar nos lugares digamos privados, mas num lugar público não. Aqui é a casa do povo. Por isso, tem que ser respeitada e respeitar todos os tipos de pessoas que temos aqui”.
Mesmo com o protesto do Dep. Agnello, nenhum segurança apareceu para deter o homossexual desrespeitoso.
No entanto, o deputado socialista Carlos Gianazzi, organizador do evento, defendeu o ato do homossexual de calcinha e sutiã, dizendo: “Foi uma normalidade até porque a Parada Gay de São Paulo, do orgulho gay de SP, isso é absolutamente natural e isso é transmitido por toda imprensa, toda imprensa transmite, fotos em jornal, a televisão, as pessoas participam, os deputados participam também”. Interessante confissão, pois embora ninguém imagine que eventos contendo semi-nudez sejam apropriados para crianças, os organizadores das paradas gays insistem em defender a idéia de que as paradas são espetáculos para a família toda - e até a mídia pró-homossexualismo colabora com essa idéia equivocada mostrando crianças, mas ocultando todo tipo de imagem que assustaria olhos e corações desacostumados a ver orgias em público. Contrariando todos os seus amigos esquerdistas, que defendem as paradas como atrações para a família inteira, Gianazzi preferiu dizer a verdade sobre o clima normal de bordel desses eventos. Nas paradas gays, é comum a semi-nudez - e muito mais. Os ativistas homossexuais sabem e reconhecem isso. Daí, a explicação deles é que o homossexual de calcinha e sutiã na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo não fez absolutamente nada de anormal pelos padrões das paradas gays, onde ocorre tudo, desde homossexuais de trajes mínimos até nudez, uso de drogas e sexo explícito.
Já que nem mesmo numa casa legislativa os seguranças conseguiram intervir contra o exibicionismo imoral de um homossexual, e agora? O que será do resto da sociedade? E se um professor homossexual sentir vontade de um dia aparecer de calcinha e sutiã diante dos alunos? E se um empregado homossexual quiser um dia aparecer de calcinha e sutiã na loja onde trabalha? Seus defensores poderão alegar que tal comportamento é perfeitamente normal, pelos padrões das paradas gays. Se essa desculpa não funcionar e algum “moralista fanático” tentar deter sua exibição homoerótica, seus defensores poderão alegar o enfadonho argumento de que eles estão sendo vítimas de perseguição, humilhação, discriminação etc. Esse truque não falha, pelo menos não diante da mídia liberal.
Por enquanto, nenhum professor homossexual saiu do armário pornográfico para se assumir de calcinha e sutiã em plena sala de aula, mas um caso recente deixou a Rede Globo escandalizada. Duas professoras lésbicas, que iniciaram um namoro na escola, foram demitidas, porque seu comportamento impróprio era uma afronta e desrespeito aos alunos e seus pais.
Parece que a Globo ficou escandalizada porque as crianças, que podem ver homossexualismo em suas novelas, estão sendo impedidas de vê-lo ao vivo na salas de aula. “Oh, que horror! Desse jeito, como é que as crianças respeitarão os direitos homossexuais se não podem testemunhar duas lésbicas de mãos dadas ou se beijando?”, imaginam os lunáticos globais. Ou você fica com a mídia liberal, ou é sumariamente tachado de preconceituoso e aliado de skinheads. Sem dúvida alguma, se tivessem feito a cobertura da destruição de Sodoma, os jornalistas globais teriam aproveitado para atacar não os pecados abomináveis dos sodomitas, mas o “preconceito” de Deus, que decidiu eliminar de uma vez por todas um lugar culpado de viver em farras segundo sua peculiar orientação sexual.
Sodoma, de acordo com a Bíblia, foi destruída porque era um bordel de sodomia, onde os cidadãos viviam paradas gays 365 dias por ano. Os sodomitas queriam estuprar até anjos enviados por Deus! É de preocupar que, do jeito que está em suas concessões ao homossexualismo, São Paulo acabe também se tornando uma cidade onde até anjos poderão correr o risco de ser alvos do mesmo tipo de taradice.
O começo da homoerotização brasileira em público chegou, onde uma casa legislativa, que existe para respeitar e defender os cidadãos e os bons costumes, se prostra diante de um homossexual de calcinha e sutiã apenas para mostrar que defende direitos homossexuais - direitos que inevitavelmente protegerão e promoverão maior homoerotização em todo o Brasil.
Hoje, toleram-se homossexuais em trajes mínimos. E amanhã? Tolerarão o que? Nudez, uso de drogas e sexo explícito homossexual em casas legislativas, escolas e outros lugares públicos?
Lembre-se: Os militantes gayzistas só querem igualdade. Igualdade de fazer em toda a sociedade exatamente o que fazem nas paradas gays.

Julio Severo é autor do livro "O Movimento Homossexual", publicado pela Editora Betânia. E-mail: juliosevero@hotmail.com

Aquecimento Global é a maior fraude da história

Por Gerson Faria, em 27 de novembro de 2007, no "Mídia Sem Máscara" (midiasemmascara.org):

O fenômeno “aquecimento global” devido a fatores humanos parece estar ocorrendo de fato. Não na natureza, e sim no debate público em torno ao assunto. No último dia 11, John Coleman, fundador da TV a cabo The Weather Channel e atualmente meteorologista da Kusi News, de San Diego, deu início a uma série de matérias curtas tentando explicar por que ele não vê fundamento científico no Aquecimento Global.
Coleman não foi o primeiro a se levantar contra a fraude. Vários outros cientistas já se manifestaram contrários ao caráter político, não científico e totalitário, criados e mantidos pela ONU e congêneres. Críticos inclusive participantes do próprio IPCC da ONU. Talvez o melhor documentário até hoje realizado trazendo com pormenores esse assunto é “The Great Global Warming Swindle” (http://www.greatglobalwarmingswindle.co.uk), que fornece qualidade ao debate, sem a necessidade de prêmios da Academia e nobéis.
Cientistas não precisam de prêmios e nem de reconhecimento público. Por mais que se queira negar, apenas um cientista pode estar mais certo do que outros 200 ou 2000. A categoria “democracia” não se aplica à busca da verdade. A voz do povo não é a voz da ciência e muito menos de Deus. E quem precisa desse tipo de compensação de massas são os atores e personalidades políticas. É claro que o meio científico pode se tornar refém de verbas públicas e de projetos políticos e por esses se direcionar. Mas não a ciência em si.
Um dos maiores físicos da história, Richard Feynman, fugia aos telefonemas dos suecos, quando de sua premiação ao Nobel. E nunca teve a pretensão de explicar seus diagramas ao mundo, prometendo a salvação. Feynman foi um cientista de fato.
Mas há um outro ponto mais prosaico que sempre escapa à crítica. Os cientistas que, com base na realidade dos dados da natureza e sua dinâmica, rejeitam a hipótese de aquecimento global antropogênico, normalmente são difamados ao estilo leninista, perseguidos e tachados de “negacionistas” (
http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=5592), de “receber dinheiro da indústria do petróleo” e outros. Já Al Gore, que é abertamente um investidor no eco-negócio com sua empresa Generation Investment Management, e de fato ganha dinheiro com a histeria ecológica, é poupado. E, como bom político, não tem pudores de, conhecendo tanto de meteorologia quanto Britney Spears de cardiologia, sair propagando retoricamente pseudoteses comprovadamente furadas. Científico isso não é, mas pode ser até democrático, ou seja, opinar mesmo sem ter conhecimento nenhum do assunto, bastando a existência de uma platéia.
Mas a voz de Coleman parece vir em boa hora. Ele é um experiente homem da TV e daí talvez sua linha argumentativa seja mais palatável ao público do que os gráficos de correlação usuais dos cientistas sérios e da retórica de salvação-danação dos falsos profetas.
Eis a íntegra de seu libelo:
“Esta é a maior fraude da história. Estou perplexo, horrorizado e extremamente ofendido por isso. Aquecimento Global: isso é uma FRAUDE. Alguns cientistas covardes com motivações políticas e ambientalistas manipularam dados científicos de longa duração para criar uma ilusão de aquecimento global acelerado. Outros cientistas do mesmo tipo, do ambientalismo lunático, pularam para dentro do círculo para apoiar e ampliar a ‘pesquisa’ para avançar na reivindicação totalmente direcionada e fraudulenta do aquecimento global. Seus amigos no governo direcionaram imensas verbas para pesquisa, de modo a manter ativo o movimento. Logo clamaram ser um consenso.
Extremistas ambientais, notáveis políticos entre eles, agruparam-se com filme, mídia e outros jornalistas ambientalistas de esquerda para criar esse cenário ‘científico’ selvagem da civilização, ameaçando as conseqüências do Aquecimento Global a menos que adiramos à sua agenda radical.
Agora, sua ridícula manipulação da ciência foi aceita como fato e se tornou o tema fundamental para a CNN, CBS, NBC, Partido Democrata, Governador da Califórnia, professores e, em muitos casos, cidadãos ambientalmente conscientes e bem informados, porém facilmente enganáveis. A apenas um repórter da ABC foi permitido discordar do frenesi do Aquecimento Global com um segmento de 15 minutos de um documentário.
Eu não me oponho ao ambientalismo. Não me oponho às posições políticas de um ou outro partido. No entanto, Aquecimento Global, i.e., Mudança Climática, não tem nada a ver com ambientalismo ou política. Não é uma religião. Não é algo em que se crer. É ciência: a ciência da meteorologia. Esta é minha área de experiência de uma vida. E estou afirmando que o Aquecimento Global é um não-evento, é uma crise manufaturada e uma fraude total. Digo isso sabendo que provavelmente não acreditará em mim, um mero apresentador do clima na TV, desafiando um Prêmio Nobel, ganhador do Prêmio da Academia e do Emmy e vice-presidente dos EUA. Que assim seja.
Li dezenas de artigos científicos. Conversei com numerosos cientistas. Estudei. Pensei sobre o assunto. Sei que estou certo. Não há uma mudança climática desgovernada. O impacto dos seres humanos no clima não é catastrófico. Nosso planeta não está em perigo. Sou incensado pelo incrível glamour da mídia, pela besteira politicamente correta e pela rude rejeição aos contra-argumentos pelo alto prelado do Aquecimento Global.
Em tempo, daqui a uma década ou duas, essa fraude ultrajante será óbvia. Quando a temperatura aumentar, as geleiras polares derreterem e mesmo assim as enchentes costeiras e supertempestades não ocorrerem como predito, todos perceberão como foram ludibriados. O céu não está caindo. Ciclos naturais e mudanças do clima são tão ou mais responsáveis por qualquer alteração climática (global) que esteja ocorrendo. Acredito de modo convicto que nos próximos vinte anos será tão provável de se ver uma onda de resfriamento como hoje vêem uma de aquecimento”.

Calado!

A charge do dia (27.11.07) no "Midia Sem Máscara" (midiasemmascara.org).

Sugestão de cardápio para o dia do vestibular

A professora Luciana Alaíde Santana, coordenadora do curso de Nutrição da FTC Feira de Santana, vem realizando uma série de palestras para alunos do 3º ano das escolas públicas e particulares informando sobre Alimentação e desempenho ótimo do cérebro em momentos de estresse como é o caso do exame vestibular.
Como o concurso se aproxima - será realizado no próximo domingo, 2 de dezembro, das 14 às 18 horas -, ela dá algumas sugestões para melhorar o desempenho cerebral durante esse período. “São atitudes simples que devem ser incorporadas à rotina dos alunos, como: atividade física regular, boa noite de sono, lazer e uma boa alimentação”, observa a nutricionista.
Luciana Santana sugere cardápio para o dia do vestibular, observando que a escolha de nutrientes é fundamental. Segundo ela, na noite anterior ao concurso, para garantir um sono reparador, o candidato deve consumir um chá do talo da alface. No café da manhã, ela aconselha consumir uma fruta ou suco natural de laranja, goiaba, caju, acerola ou limão. Iogurte também é importante, além de pão integral, aipim ou cuscuz de flocos de milho acrescido de farelo de aveia, e um ovo cozido.
Para o almoço, salada de folhas verdes com azeite de oliva, preparados a base de frutos do mar que contêm zinco e selênio, agindo no cérebro, diminuindo o cansaço e a ansiedade, orienta a nutricionista, acrescentando que esses alimentos podem ser preparados em forma de espaguete ou frigideira. “Na sobremesa frutas como uva, maçã e banana. Para o lanche no momento da prova o ideal é consumir castanha do Pará, banana, maçã, uva e água”, acrescenta Luciana.

A frase do ano

Por Batista Cruz

“Por que não te callas?” O rei da Espanha, Juan Carlos, mandou, não pediu, que o deselegante Hugo Chaves calasse a boca, depois de uma série de grosserias e interrupções à fala do primeiro-ministro José Luís Zapatero, no Chile. O pito público lavou a alma dos venezuelanos que estão sendo reprimidos por não comungar com suas idéias cada vez mais estapafúrdias.
Finalmente alguém teve coragem de mandar o aprendiz de ditador se plantar. Chaves não esperava por esta. Sorriu amarelo e engoliu o desaforo. O bufão reagiu depois. Bem longe do rei. Esta será, sem dúvidas, o carão, ou melhor, a frase do ano.
O povo venezuelano, que construiu uma das mais sólidas democracias da América Latina, está sendo sufocado pelo caudilho. Durante a repressão que por certo se seguirá, os conterrâneos de Chaves repetirão em bom som: “Por que não te callas?” Como o ditadorete mudou o fuso horário do país, vai proibir esta frase, que certamente vai ser transformada na preferida da oposição. E vai reagir como um desses doidos que não gostam de um apelido: jogando pedras. Lá, vai colocar a polícia e asseclas contra o povo.
O jornalista William Waack, na sua coluna do site G1, escreveu que Juan Carlos mostrou a Chaves que, em bom espanhol, tem “cojones”. E roxo. O pito ganhou o mundo. Daqui para frente vai aumentar a torcida, pelo menos a minha, para que sempre que Chaves dê mostras da sua falta de educação, da sua prepotência, da sua arrogância, apareça alguém que o mande, de dedo em riste, fechar a matraca. A cancela foi aberta.
Por cá, se cala, Lula. Dizer que existe eleição está relacionada à democracia é afirmar que Cuba é um país livre. Lá também os cidadãos vão às urnas. Democracia e ditadura não rimam. Eleição com partido único ou com a oposição tratada a baioneta não é eleição. O presidente pode até sonhar. Afinal o poder é orgásmico. Mas ele não deve deixar que a tentação da eleição eterna, que não passa de totalitarismo, lhe suba a cabeça. Que não tenhamos uma democracia à Venezuela e um presidente que pense e aja como Chaves.
O presidente sabe, ou pelo menos deveria saber, diferenciar democracia, no mínimo a nossa, de democracia à cubana. Justificar seu apoio a Chaves afirmando que por lá já foram realizadas eleições e plebiscito é desconhecer - ou não querer ver - o contexto histórico. Ir às urnas é diferente de eleição. Pelo menos na concepção democrática.
Diz que na Europa ninguém se incomoda de ter uma pessoa anos e anos à frente de um governo. No parlamentarismo, do mesmo modo que o primeiro ministro pode se reeleger várias vezes, ele pode cair depois de alguns dias de iniciado o seu governo. Na ditadura isso não acontece. Agrade ao amigo, mas não deixe os brasileiros com uma pulga atrás da orelha.
Imagino o que presidente brasileiro diria se o desancado por seu amigo Chaves fosse Fernando Henrique Cardoso. No momento do “cala a boca”, o aprendiz de ditador estava sentando o pau no ex-primeiro-ministro José Maria Aznar, adversário político de Zapatero, que o defendeu. Lula, ao contrário do Zapatero, que ficou indignado e o rei que partiu para o ataque, certamente apoiaria o colega “presidente”. No final, lhe daria uns tapinhas nas costas. Os espanhóis sentiram que a sua pátria foi ofendida. Lula parece não saber o que é isso.
Batista Cruz é jornalista

Diretor do HGCA não tem o que dizer na Câmara

O vereador Roberto Tourinho (PSB) apresentou novo requerimento solicitando a realização de sessão especial com o diretor do Hospital Geral Clériston Andrade, Eduardo Leite, com o objetivo de discutir a questão da saúde pública no município. O requerimento obteve, apenas, 10 assinaturas, o número mínimo necessário é de 13 assinaturas.
Para o vereador Luiz Augusto de Jesus (DEM), "Eduardo Leite diria na Câmara o que já vem dizendo nas entrevistas para a imprensa”. Para Lulinha, o médico não apontaria, em uma sessão especial, os reais motivos da crise no Hopsital. “Ele não viria para cá dizer que o secretário de Saúde do Estado (Jorge Solla) é um incompetente”.
Segundo o vereador Antônio Carlos Coelho (DEM) a "oposição está querendo desviar o foco da discussão. Temos um quadro de extrema dificuldade na saúde pública por conta da crise no Clériston Andrade. O diretor sempre alega o passado, para justificar a incompetência do secretário de Saúde do Estado em solucionar os problemas”.

Início da implosão

Agora vem à tona que o Ministério Público e a Polícia Militar alertaram sobre a Fonte Nova não ter capacidade para funcionar. Assim, por que se permitiu que o estádio continuasse aberto, ainda mais abrigando um jogo de mais de 60 mil pessoas como o de domingo?
Recentemente, o estádio foi vistoriado para saber de suas possibilidades de sediar jogos na Copa do Mundo 2014 e o superintendente da Suderb, Raimundo Nonato, o Bobô, declarou que "a Fonte Nova não tem nenhuma capacidade estrutural". Foi quando o governador Jaques Wagner insinuou que o estádio deveria ser implodido.
Pois é, o governo petista já começou a derrubar o equipamento...

Projeto "Memória" com exposição de Carlo Barbosa

Com vernissage do artista plástico Carlo Barbosa (in memorian), será lançado nesta quarta-feira, 28, o Projeto “Memórias - Pintores de Feira de Santana”. A iniciativa é da Fundação Carlo Barbosa e Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa, em parceria com a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), através do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca). O evento acontece às 20 horas, na Galeria de Arte Carlo Barbosa. São 20 peças do artista que estarão abertas ao público até 28 de dezembro.
Selma Oliveira, diretora do Cuca, parabeniza a família de Carlo Barbosa pela idéia de criar a Fundação, com o objetivo de preservar a memória e a produção desse importante artista de Feira de Santana. Para ela, a pintura de Carlo Barbosa é multifacetada e explora com desenvoltura temas que vão do sacro ao urbano. “Na trilha de nomes do porte do poeta Eurico Alves e do artista plástico Juraci Dórea, ele também aborda as tradições de Feira de Santana”, afirma Selma Oliveira.
“Nesse sentido, Carlo Barbosa desenvolve uma pintura narrativa e poética, fazendo um belo registro de vários aspectos da nossa terra e da nossa gente", destaca Selma Oliveira e acrescenta: "Além da excelente qualidade técnica, seus trabalhos conseguem evocar as lembranças e os sentimentos de uma Feira de Santana não é tão antiga, mas que não existe mais”.

Mortos da Bahia - o PT não tem nada com isso, é claro! Relatório apontava estado miserável da Fonte Nova

Transcrito do Blog Reinaldo Azevedo, edição desta segunda-feira, 26:
Márcia Santos Cruz, 27; Jadson Celestino Araújo Silva, 25; Milena Vasquez Palmeira, 27; Djalma Lima Santos, 31; Anísio Marques Neto, 27; Nidia Andrade Santos, 24, e Joselito Lima Jr, 26.
Eis os nomes e idade das sete pessoas que morreram ontem, no estádio da Fonte Nova, em Salvador, quando parte da arquibancada cedeu. Outras 25 pessoas estão internadas. O estádio é administrado pelo estado da Bahia. O governador Jaques Wagner (PT) mandou interditá-lo. A tragédia acontece no país que deu largada à operação para sediar a Copa do Mundo em 2014. Vamos ver quantas pessoas morrerão até lá.
Fatalidade? Não. Incúria, é claro. Arquibancadas só caem se as leis da engenharia de materiais e da física não estiverem sendo respeitadas. Para que não sejam, é preciso que haja um desrespeito anterior: com a vida humana. Faltam 35 dias para que Wagner complete um ano de gestão. Quanto vocês querem apostar que a responsabilidade será atribuída aos governos anteriores, do agora DEM, antes PFL? É certo como a luz do dia.
Porque esse é o vezo deles, não é? As mazelas do Brasil, Lula as atribui aos 502 anos anteriores à sua gestão. Digamos que realmente o governo que antecedeu Wagner tenha entregado o estádio em petição de miséria: sua obrigação, então, era interditá-lo — como fez ontem, tardiamente, como se vê. Se não interditou, ou é porque seus valentes acharam que tudo estava bem, ou, então, ninguém nem se ocupou da questão.
A “democracia popular” petista realmente está dando exemplos a cada dia mais edificantes: um dia é Pará; no outro, é a Bahia. O Piauí, coitadinho, tão orgulhoso quando usado como exemplo da parte abandonada do país, quase morre de sede. E nada de ajuda federal. A chuva chegou antes. Como se vê, mesmo lerdo, São Pedro ainda é mais rápido que a burocracia petista. E o que disse o governador Wellington Dias? Nada! Quando foi para bater boca com o presidente da Philips, aí ele foi rápido no gatilho.
Imaginem um troço desses nos EUA... Quanto não custaria em indenizações ao estado? Na Bahia - de fato, no Brasil -, não vai acontecer grande coisa. Morreram sete baianos pobres. Quem liga pra eles? O importante é deixar claro que o governo do PT não tem nada com isso, a exemplo do que faz Dona Carepa no Pará.
Relatório
A condição miserável do estádio não é novidade. O Sinaenco (Sindicato de Arquitetura e Engenharia) divulgou um relatório no dia 1º de novembro afirmando que ele era o pior entre 29 avaliados pela entidade. Em seu site, o Sinaenco publica fotos do Fonte Nova. Assim, o governador Jaques Wagner pode alegar qualquer coisa, menos ignorância.

Culto à ignorância

O culto à ignorância está crescendo no Brasil. Dizem que é fator de identificação popular. Aqui mesmo em Feira de Santana alguns defendem que não é preciso escrever certo em jornais e sites, muito menos falar bem e corretamente nos programas de rádio.

sábado, 24 de novembro de 2007

Chávez chama religiosos da Venezuela de 'vagabundos' e ameaça prendê-los

Está no "G1 - Mundo" de "O Globo":
O presidente venezuelano, Hugo Chávez, insultou e ameaçou na sexta-feira (23) à noite enviar para a prisão os principais religiosos do país, caso se envolvam em ações que desestabilizem seu governo, em mais uma polêmica de seu governo.
"Reitor (Luis) Ugalde, uma vez o perdoei, mas se o fizer outra vez vai parar em (na prisão) Yare, com batina e tudo (...) E você também cardeal", disse Chávez, a respeito de declarações do reitor da Universidade Católica Andrés Bello e do cardeal Jorge Urosa Sabino contra a reforma constitucional.
O presidente venezuelano chamou de "vagabundos", "meliantes", "aduladores", "estúpidos" e "retardados mentais", entre outras coisas, a hierarquia da Igreja, que criticou em um documento público a proposta de mudança da Constituição, que será submetida a um referendo no dia 2 de dezembro.
"São o demônio, defensores dos mais podres interesses, são uns verdadeiros vagabundos, do cardeal para baixo", disse Chávez em um polêmico programa noturno da televisão estatal.
A Igreja venezuelana divulgou em 19 de outubro um documento no qual critica a proposta constitucional porque "limita a liberdade dos venezuelanos, incrementa excessivamente o poder do Estado, elimina a descentralização e o governo controla muitos espaços da vida cidadã".
"Que rezem 100 pais-nossos e 100 ave-marias de joelhos", completou um irado Chávez.

"Lanterna" do Vitória

O Vitória está na Série A do Campeonato Brasileiro. Na última rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, neste sábado, 24, o rubro-negro perdeu de 1 a 0 para o Gama. Com o resultado ficou na "lanterna" entre os quatro times que subiram, com 59 pontos ganhos, dez atrás do campeão, o Coritiba.

Quase barbárie

Deu no site "Política Livre" (www.politicalivre.com.br), neste sábado, 24:
O caos na saúde pública baiana foi uma das críticas principais do ex-governador Paulo Souto ao atual governo, durante discurso hoje na convenção do DEM que o confirmou como novo presidente da legenda no Estado.
“É um estágio de quase barbárie permitir que o serviço fique sem anestesia”, disse o ex-governador, que reafirmou a condição de oposição do DEM. “Este é um governo que não cumpre o que prometeu à Bahia e aos baianos”, disse.
“Somos um partido de oposição”, completou.

Entrevista com atriz premiada


Cartaz de "Porcos Não Vão Para o Céu"
Divulgação
No programa "Bom Dia, Feira", neste sábado, 24, entrevistei a estudante de Jornalismo da Unef Jeanete Martins, que vem a ser a atriz Jê Martins - premiada como melhor no 5º Festival Santista de Curta Metragem - Curta Santos, em setembro, pela sua interpretação no filme gaúcho "Porcos Não Olham Para o Céu", de Daniel Marvel.
Questionei a Jê sobre como veio parar em Feira de Santana vinda de Porto Alegre, como é ser premiada em festival nacional, se tem outros projetos de atuação em filmes. Ela contou sobre sua performance no curta e revelou porque os porcos não olham para o céu. Até respondeu se tem mania. Ainda deu dica de como se pode ver o filme.
Em 11 minutos e 30 segundos, o filme trata sobre o desespero de Catarina, uma garota com transtorno obsessivo compulsivo. Ela tem mania de que? Catarina tem de limpeza, organização e até de curiosidade. Cansada de tudo resolve acabar com a própria vida. Esperando pelo fim de sua agonia algo inesperado desperta a sua curiosidade e ai que ela se lembra da decisão e precisa agir rápido se quiser voltar atrás.
Já havia assistido ao trailer (de um minuto e 37 segundos) no YouTube e estou colocando o filme no DVD para assistir à cópia (não é pirata) que está em mãos de Jê Martins.
Na próxima quinta-feira, na participação deste jornalista no "Rádio Repórter", nova entrevista com Jê Martins. Fique ligado.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

O fim da farsa do tirano com os narcoguerrilheiros

Transcrito do Blog Reinaldo Azevedo:
O ditador Hugo Chávez não tem mais o consentimento do governo da Colômbia para negociar com os narcoguerrilheiros das Farc. O presidente Álvaro Uribe pôs fim à folia. E fez muito bem. O tirano já estava falando diretamente com militares das Forças Armadas colombianas. Ele dizia tentar a libertação de 40 reféns que estão em poder dos bandoleiros.
Estava nada. O que Chávez fazia era conferir dignidade aos narcotraficantes como se constituíssem uma força que merecesse o respeito da comunidade internacional. Enquanto a “negociação” prosseguia, as Farc continuam matando e seqüestrando na Colômbia.
Escreve Lourival Sant’Anna no Estadão de hoje: “O protagonismo que essa mediação foi dando às Farc lhes estava conferindo, na prática, o status de força beligerante”, analisou Alberto Garrido, especialista venezuelano em assuntos militares. Desde governos anteriores, a Colômbia evita conceder tal status à guerrilha, que lhe conferiria um caráter político e lhe daria direitos no âmbito da Convenção de Genebra. Garrido não via futuro nessa negociação, que esbarraria, por exemplo, na troca de quatro reféns americanos por dois presos nos EUA. Washington considera as Farc um grupo terrorista, e descarta a possibilidade de negociações.”

Prefeitura antecipa pagamento dos servidores

Os vencimentos dos servidores da Prefeitura de Feira de Santana relativos a novembro serão pagos nos dias 26 e 27 - segunda-feira e terça-feira. Primeiro receberão os salários aposentados, pensionistas e o pessoal da Secretaria da Educação. No dia seguinte, serão creditados os vencimentos do restante do funcionalismo.É a terceira vez consecutiva que a Prefeitura antecipa o pagamento dos seus servidores. Pela tabela divulgada no início do ano, os funcionários receberiam seus vencimentos nos dois últimos dias úteis do mês. “Esta antecipação está relacionada ao período de transição das contas correntes”, explicou o secretário de Administração, João Marinho Gomes Júnior.Ele salientou que existe a possibilidade de que servidores necessitem fazer alguma transferência financeira entre os bancos, para, por exemplo, cobrir algum cheque pré-datado. “Assim, quem estiver nesta situação, terá tempo suficiente para resolver a sua situação com tranqüilidade”, disse.Desde setembro os pagamentos estão sendo feitos pelo Banco Itaú, que vendeu a concorrência pública para a prestação deste serviço ao município. A instituição bancária tem três agências na cidade - na rua Conselheiro Franco, no Centro de Abastecimento e na avenida Getúlio Vargas.Tem caixas eletrônicos instalados na avenida Getúlio Vargas, Shopping Iguatemi, Estação Rodoviária, na Secretaria de Saúde, no prédio onde funciona a Secretaria da Educação, no Hospital da Mulher e está implantando uma agência avançada no Centro de Atendimento ao Feirense (Ceaf).

Fotos recentes das obras do Teatro Virtual



Mais imagens registradas por Basílio Fernandez, da Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa, na quinta-feira, 22, mostram o estágio das obras - com colunas sendo levantadas - do Teatro Virtual, primeira etapa do Museu Parque do Saber, empreendimento da Prefeitura de Feira de Santana.



Sempre Livre

Coluna de Cristóvam Aguiar

Você sabe como capturar porcos selvagens?Encontrando-se um lugar adequado na floresta e colocando-se algum milho no chão, os porcos vêm todos os dias comer o milho de gratuito. Quando eles se acostumam a vir todos os dias, coloca-se uma cerca em um lado do lugar. Quando eles se acostumam com a cerca, eles voltam a comer o milho e assim, sucessivamente, vai-se colocando cercas até colocar nos quatro lados com uma porta no último lado. Os porcos que já se acostumaram ao milho fácil e às cercas, começam a vir sozinhos pela entrada. Então fecha-se a porteira e captura-se o grupo todo. Assim, em um segundo, os porcos perdem a liberdade. Eles ficam correndo e dando voltas dentro da cerca, mas já foram pegos. Logo, voltam a comer o milho fácil e gratuito. Eles ficam tão acostumados a ele que esquecem como caçar na floresta por si próprios e, por isso, aceitam a servidão. Assim faz o governo que fica espalhando milho gratuito na forma de programas de auxílio de renda, bolsas isso e aquilo, impostos variados, estatutos de "proteção", cotas para estes e aqueles, subsídio para todo tipo de coisa, pagamentos para não plantar, programas de "bem-estar social", medicina e medicamentos "gratuitos", tudo ao custo da perda contínua das liberdades. Devemos sempre lembrar que "não existe almoço grátis" e também que "não é possível alguém prestar um serviço mais barato do que seria se você mesmo o fizesse". Finalmente, se você acha certo que políticos e ongueiros tenham mais poder para as classes deles tirarem liberdades e dinheiro dos outros para beneficiar *você* ou "os pobres", então, que Deus o ajude quando trancarem a porteira!

Trancando a porteira
Quando eu observo o comportamento de governantes como Hugo Chavez e Fidel Castro, e ouço falar em terceiro mandato de Lula, eu lembro dessa frase de Voltaire, filósofo e historiador francês:
“Se um príncipe simplesmente punisse e regesse de acordo com o seu bem-estar, seria apenas mais um salteador de estrada ao qual se chama de Sua Majestade”.

Dá pra entender?
No Nordeste há 10 milhões de vítimas da seca. Na Amazônia há 230 mil índios. Os primeiros passam fome, os índios não. Os primeiros passam sede, os índios não. Os primeiros estão subnutridos, os índios não. No entanto, há 350 ONG´s estrangeiras auxiliando os índios e nenhuma auxiliando o Nordeste. A explicação é simples: A Amazônia tem: ouro, nióbio, petróleo, as maiores jazidas de manganês e ferro do mundo, diamante, esmeraldas, rubis, cobre, zinco, prata, a maior biodiversidade do planeta (o que pode gerar grandes lucros aos laboratórios estrangeiros) e outras inúmeras riquezas que somam 14 trilhões de dólares. O Nordeste não tem tanta riqueza, por isso não há ONGs estrangeiras lá, ajudando aos famintos. Enquanto isso, uma ONG do EUA está gastando milhões de dólares para salvar o mico leão dourado. Por quê?Para entender os fatos supra citados basta ler a frase abaixo: "É nosso dever garantir a preservação do território da Amazônia e de seus habitantes aborígines para o desfrute pelas grandes civilizações européias." (Conselho Mundial de Igrejas Cristãs , sediado na Europa,1992) Lute contra o selo verde aqui no Brasil, só compre produtos sem selo verde. Selo verde é a mais nova forma de exploração da nossa Amazônia pelos países ricos!

Árvore
A cidade toda está deslumbrada, e não é para menos, com a belíssima árvore de Natal plantada no cruzamento das avenidas Getúlio Vargas e Maria Quitéria. Ao contrário do que se possa pensar, não foi o governo municipal o pai da criança. A Norcon, uma empresa sergipana, que aqui constrói prédios, foi quem deu o presente natalino à cidade. Quanto às empresas locais...

Futebol
Tem muita gente reclamando que as empresas de Feira de Santana não patrocinam os esportes, principalmente o futebol. O fato é que os empresarios feirenses, que já foram chamados por um grande marketeiro de “comerciantes bem sucedidos”, não entendem patrocínio como investimento, mas como gasto. E essa mentalidade não vai mudar tão cedo. E só pra registrar: Se eles não patrocinam nem uma simples árvore de Natal, muito menos vão patrocinar esportes.

Ousadia
Numa ditadura o mais reles dos aliados do regime se acha no direito de fazer o que bem entender, pois conta com a proteção do ditador. Por isso mesmo vimos essa semana uma deputada da Venezuela agredindo fisicamente, no ar, um apresentador de programa de TV. Ela é aliada do “coroné” Hugo Chavez, o “homi” que manda chover por lá.

Desaforo
Por aqui a coisa tá tomando um rumo parecido. Os aliados do governo Lula não medem conseqüências para fazer valer seus interesses pessoais. Vem da Chapada Diamantina o exemplo mais recente. O escritório do Ibama fechou o “Poço Encantado”, sob a alegação que o mesmo estava sofrendo de “degradação ambiental”. Para quem não sabe, o Poço Encantado é uma das maravilhas da Chapada, situado no município de Iramaia, para onde convergem turistas do mundo inteiro para admirá-lo. O dono do local é um nativo, chamado Miguel, que há mais de trinta anos cuida do Poço Encantado e o explora comercialmente, cobrando um pedágio dos visitantes. Por diversas vezes o Ibama tentou tirar Miguel do negócio criando-lhe toda sorte de obstáculos. Certa vez fizeram-no retirar algumas lâmpadas que ele havia colocado no percurso, que é longo e perigoso, e segue montanha adentro. Miguel usava energia solar, ecologicamente correta, mas nem isso convenceu os fiscais. Agora eles lacraram o Poço porque Miguel, após um acidente com uma turista idosa, construiu alguns degraus de alvenaria nos trechos mais perigosos e difíceis do percurso. É algo mais ou menos assim: “Se não pode ser nosso, não pode ser de mais ninguém”.


_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_
Por hoje é só, que agora eu vou ali chutar o pau do curral antes que tranquem a porteira.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Protestos fingidos

Texto de Olavo de Carvalho, publicado no site "Mídia Sem Máscara" (midiasemmascara.org), em 23 de novembro
Malgrado o fato público e notório de que a grande mídia nacional em peso favoreceu o candidato Lula em 2002 e 2006, e malgrado a leniência paternal com que continua tratando o sr. presidente em circunstâncias nas quais estaria clamando pelo impeachment de seus antecessores, ela nem sempre trombeteia com a esperada eloqüência a propaganda oficial das glórias petistas.
Por mais arraigado que seja o seu esquerdismo em todas as questões do debate público e mais persistente o seu silêncio em torno das ligações Farc-PT; por mais obstinada que se mostre a sua recusa em denunciar a matança contínua de cristãos no Vietnã e de budistas no Tibete; por mais que ela insista em alardear os pretensos horrores de uma prisão americana onde nunca morreu um só prisioneiro e em atirar ao lixo os apelos desesperados dos presos políticos cubanos que vêem seus companheiros morrerem de torturas (um por semana); por mais que ela glorifique todos os dias meia dúzia de ídolos comunistas das letras e das artes, sem mencionar jamais seus equivalentes do outro lado sem sugerir que há algo de errado no cérebro deles - é preciso reconhecer que alguma diferença, ao menos de tom, ainda resta entre ela e publicações histericamente comunistas como Caros Amigos, Carta Capital, A Hora do Povo e
http://www.vermelho.org .
Estas imitam abertamente os discursos de Fidel Castro, enquanto aquela ainda tem algum apego ao estilo frio e comedido do jornalismo clássico, o que implica ao menos um certo fingimento de neutralidade superior e, de vez em quando, umas palavrinhas em favor das liberdades constitucionais e da economia de mercado.
Isso basta para que tipos como Emir Sader, Paulo Henrique Amorim e Luís Fernando Veríssimo denunciem o seu reacionarismo, rotulando-a golpista e direitista. A ênfase horrorizada com que pronunciam a última palavra é a prova mais evidente de que na sua concepção da democracia não cabe oposição de direita, só de esquerda, e mesmo assim não muito perto do centro, que raia perigosamente o outro lado.
O que entendem por democracia é, com toda a evidência, o centralismo democrático leninista, o regime interno do Partido Comunista, ao qual servem com aquela inocência perversa, com aquela devoção cega e psicótica dos fanáticos. Objetivamente, não pode haver a mínima dúvida de que a mídia favorece a esquerda em tudo e pauta sua conduta por um sacrossanto horror a tudo o que possa ser ou parecer conservadorismo, palavra que ela só usa como sinônimo de totalitarismo nazifascista ou, na mais branda das hipóteses, de militarismo latino-americano.
Diagnosticar a orientação ideológica do jornalismo não deveria ser uma questão de opinião, mas de empregar os métodos científicos de análise ideológica, de base estatística, consagrados há tempos nos cursos de Comunicações, métodos que repentinamente parecem ter desaparecido da memória dos interessados em inverter o sentido óbvio dos dados existentes. Pelo menos aqui nos EUA o uso desses métodos é considerado uma premissa básica em toda discussão pública quanto às preferências ideológicas da mídia, e quem quer que consentisse em ignorá-los em favor do mero achismo palpiteiro seria imediatamente jogado fora do debate como um charlatão desprezível. No Brasil, ao contrário, a mera hipótese de apelar à arbitragem estatística nessa questão parece ter-se tornado um tabu, dando aos Veríssimos e Amorins a chance de poder continuar negando o óbvio, sem medo e com cara-de-pau exemplar.
É claro que há uma diferença entre a orientação ideológica de fundo e o apoio concedido, ou sonegado, a cada ato concreto de um governo com que se está ideologicamente de acordo. Os atuais acusadores esquerdistas da mídia sabem que estão mentindo quando fazem dessa simples diferença uma prova do direitismo da Globo ou da Folha de S. Paulo. Até por uma simples questão de técnica jornalística, as expressões de concordância profunda não podem se estender a cada detalhe da política diária, sob pena de o jornalismo perder o restinho de credibilidade que ainda conserva na base da afetação de sobriedade.
O que os protestos contra o alegado direitismo da mídia revelam é que mesmo esse último resíduo simbólico se tornou intolerável, que até mesmo o fingimento de objetividade jornalística deve ser extinto, que em breve a liberdade de imprensa será um privilégio exclusivo dos órgãos de mídia abertamente comunistas e petistas.
A falsa alegação de direitismo é uma autêntica imposição de esquerdismo.
Publicado pelo "Diário do Comércio", em 22 de novembro.

Olavo de Carvalho é jornalista, escritor, filósofo e Editor do "Mídia Sem Máscara".

Roteiro de Filmes














Semana de 23 a 29 de novembro
LANÇAMENTOS
LEÕES E CORDEIROS
(Lions For Lambs), de Robert Redford, 2007. Com Tom Cruise, Meryl Streep e Robert Redford. Drama. Um senador pretende lançar uma nova estratégia para a guerra dos Estados Unidos no Afeganistão e, para divulgá-la, precisa convencer uma jornalista. Simultaneamente um professor idealista, tenta convencer um de seus alunos mais promissores, a mudar o curso de sua vida. Ao mesmo tempo dois soldados que estão lutando na guerra, buscam se lembrar do porquê de terem se alistado no exército. Classificação indicativa: 12 anos. Duração: 92 minutos. Horários: 13h10 (neste sábado e no domingo), 15h10, 17h10, 19h10 e 21h10. Sala 1 (243 lugares).
SEM CONTROLE, de Cris D’Amato, 2007. Com Eduardo Moscovis, Milena Toscano e Vanessa Gerbelli. Drama. Um diretor de teatro fica obcecado com o caso que iniciou a extinção da pena de morte no Brasil, passando a ensaiar uma peça sobre o assunto. Classificação indicativa: 14 anos. Duração: 99 minutos. Horários: 13h20 (neste sábado e no domingo), 15h20, 17h20, 19h20 e 21h20. Sala 2 (160 lugares).
PUTZ! A COISA TÁ FEIA (The Ugly Ducking and Me!), de Michael Hegner e Karsten Kiilerich, 2007. Animação. Um pato recém-nascido e bastante feio passa a adotar um rato malandro como se fosse sua mãe. Cópia dublada. Classificação: Livre. Duração: 90 minutos. Horários: 14h30 (sábado e domingo), 16h30, 18h30 e 20h30. Sala 3 (167 lugares).
CONTINUAÇÃO
A LOJA MÁGICA DE BRINQUEDOS
(Mr. Magorium’s Wonder Emporium), de Zech Helm. 2007. Infantil. Uma insegura gerente herda o controle de uma loja de brinquedos onde tudo ganha vida. Porém os brinquedos misteriosamente tornam-se acinzentados e silenciosos, após a chegada de um contador. Em segunda semana. Cópia dublada. Classificação indicativa: Livre. Duração: 94 minutos. Horários: 13 horas (neste sábado e no domingo), 15, 17, 19 e 21 horas. Sala 4 (264 lugares).

ENDEREÇO E TELEFONES
Orient Cineplace - Shopping Iguatemi, telefax 3225-3056 e telefone 3610-1515 para saber informações sobre programas e horários.
As informações sobre programação e horário são prestadas pela empresa exibidora, a Orient Filmes.




Promoção em parceria com California Filmes premia com 50 ingressos

Leitores do Blog Demais e ouvintes do programa "Rádio Repórter", ancorado por Renato Ribeiro, na Rádio Subaé, ganharam 50 convites para assistência ao filme "Justiça a Qualquer Preço", que esteve em exibição até esta quinta-feira, 22, no Orient Cineplace.
Participaram da promoção enviando mensagens por e-mail e ligando para o programa. A promoção, de caráter exclusivo em Feira de Santana, foi realizada em parceria com a California Filmes, que distribui o filme.
Ganharam um par de convites: Antônio do Amor Divino, Antônio Robson Santana dos Santos, Antônio Carlos Sodré, Carla Oliveira, Cássia Regina Soares, Charles Cesar, Edson Pereira Figueiredo, Eduardo Filho, Eliomar Caribé Pinto, Fátima Brandão, Genivaldo Pedreira, Gilberto Brito, Gilson Almeida, Gisleide Almeida Brito, Jorismar Santana, José da Silva Santos, Marcos Silva, Maria Alves de Souza, Mariana Santos, Marielson dos Santos Silva, Marinalva Santos, Reginaldo Cunha, Rozileide Agostinho, Thiago Casaes e Victor Monteiro Mansur de Carvalho.

Contas da Prefeitura aprovadas pelo TCM

As contas da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, mais uma vez, foram aprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) sem qualquer ressalva, recebendo, elogios. O conselheiro Fernando Vita, em seu parecer, destacou o equilíbrio e a saúde financeira do município, resultado, segundo avaliou, de "uma administração responsável, recebendo aprovação sem ressalvas".
"Recebemos com muita alegria a informação a da aprova das contas sem ressalvas e com louvor, pois é a comprovação de que trabalhamos com responsabilidade”, afirmou Joaquim Bahia, secretário da Fazenda. "Seguimos a orientação do prefeito José Ronaldo de Carvalho, que tem na seriedade uma de suas principais marcas", disse mais o secretário, salientando que o mérito é de toda equipe de governo.

Corra para ver filme grátis

Richard Gere em "Justiça a Qualquer Preço"
Divulgação

Os leitores do Blog Demais e ouvintes do programa "Rádio Repórter", ancorado por Renato Ribeiro, na Rádio Subaé, podem ganhar convite para assistência ao filme "Justiça a Qualquer Preço", que está em exibição somente nesta quinta-feira, 22, no Orient Cineplace. Devem ligar logo para o número 3623-1080 para participar da promoção, em parceria com a California Filmes, que distribui o filme. São duas sessões: 18h40 e 20h50. Participe!

Marina Colasanti palestra em Feira de Santana

Escritora Marina Colasanti
Divulgação

Feira de Santana é uma das sete cidades que integram o Programa TIM Grandes Escritores, lançado este mês na Bahia, que visa a estimular a leitura levando autores consagrados, nacional e regionalmente, para um encontro gratuito com as comunidades do interior do Estado. As escritoras Marina Colasanti, Lélia Oliveira e Glaucia Lemos abrem o projeto em Feira de Santana com uma palestra gratuita no Teatro Ângela Oliveira, do Centro de Cultura Maestro Miro, na quarta-feira, dia 28, às 19 horas. Patrocinado pela TIM e pelo Governo da Bahia, através do FazCultura, o TIM Grandes Escritores é realizado pelo Centro Internacional Avatar de Artes (Ciacen) e conta com a parceria da Prefeitura de Feira de Santana.
Incentivar a propagação do conhecimento e a reflexão sobre a cultura brasileira, através da literatura e da valorização do modo de fazer, criar e expressar a arte literária é o principal objetivo do programa. Além de Feira de Santana, o TIM Grandes Escritores acontece em Alagoinhas, Ilhéus, Itabuna, Juazeiro, Lauro de Freitas e Vitória da Conquista. Para o diretor da TIM na Bahia, Luiz Gonzaga Leal, o programa é uma contribuição à literatura e arte brasileiras. “É com enorme honra que trazemos à Feira de Santana uma iniciativa tão nobre e multiplicadora de conhecimentos. Mais do que um projeto de preservação à literatura brasileira, o TIM Grandes Escritores é uma iniciativa de promoção à arte, de estímulo à leitura e valorização da educação. É também uma demonstração do quanto valorizamos a cultura brasileira e acreditamos nos talentos regionais”, revela. O TIM Grandes Escritores acontece também nos Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais.
Marina Colsanti
Nascida em Asmara, na Etiópia, África, em 1937, Marina morou 11 anos na Itália e desde 1948 vive no Brasil. Publicou vários livros de contos, crônicas, poemas e histórias infantis. Recebeu o Prêmio Jabuti com "Eu Sei, Mas Não Devia" e também por "Rota de Colisão". Dentre outros escreveu "E Por Falar em Amor", "Contos de Amor Rasgados", "Aqui Entre Nós", "Intimidade Pública", "Eu Sozinha", "A Morada do Ser", "A Nova Mulher", "Mulher Daqui Pra Frente" e "O Leopardo É um Animal Delicado". Escreve, também, para revistas femininas e constantemente é convidada para cursos e palestras em todo o Brasil.